Malu Gaspar – Bolsonaro: Mau militar, bom miliciano

O capitão Jair Bolsonaro deixou o Exército depois de ser absolvido em um tribunal militar, mas nem por isso evitou a porta dos fundos. É um episódio revelador. Nos anos 80, foi acusado de planejar a explosão de bombas em quartéis, na Academia Militar das Agulhas Negras e na adutora do Guandu, responsável pelo abastecimento de água no Rio de Janeiro. Mesmo com depoimentos e laudos demonstrando sua participação no caso, foi liberado pelo Superior Tribunal Militar. Assim, pôde construir uma carreira política como porta-voz dos interesses das baixas patentes.

Em sua lida no Congresso, o deputado-capitão se fez acompanhar por figuras como o ex-policial militar e faz-tudo Fabrício Queiroz. Durante anos, rendeu homenagens a — e empregou nos gabinetes da família Bolsonaro — parentes de PMs acusados de envolvimento com as milícias do Rio de Janeiro, entre os quais o agora famoso matador de aluguel Adriano da Nóbrega. Milícias, nunca é demais lembrar, são grupos de policiais que se desviam de sua função para cometer crimes e impor suas próprias leis à margem do Estado.

Nada disso era segredo para o generalato. Já nos anos 90, Ernesto Geisel classificou Bolsonaro como um mau militar, alguém “completamente fora do normal” para a carreira. O ex-presidente e general dizia acreditar que, à medida que o país se desenvolvesse, a interferência do Exército na política diminuiria.

Geisel não viveu para ver o engajamento dos militares na campanha de Bolsonaro. Ao subir a rampa do Planalto, o capitão tinha a seu lado o general Hamilton Mourão e outros sete fardados, em ministérios normalmente ocupados por civis. Desde então, dezenas de militares da ativa e da reserva foram nomeados para o segundo escalão, e mais de 2.500 aceitaram cargos na administração pública.

Enquanto buscava cooptar a nata da instituição militar, Bolsonaro governava para as baixas patentes e para as milícias. Nos últimos dois anos, tentou fazer passar no Congresso leis que facilitam a posse de armas e ampliam as situações em que um policial pode matar sem ser punido. Nada disso incomodou as Forças Armadas. Para os militares, milícias e segurança pública são um não assunto, coisa menor, de polícia, e não de Exército.

Os militares se consideravam contemplados pelos cargos e pela defesa que o presidente sempre fez de sua atuação no período da ditadura. Havia alinhamento, também, em pontos doutrinários considerados cruciais, como o conservadorismo nos costumes e a soberania do Brasil sobre a Amazônia. Quando cobrados por alguma barbaridade professada pelo capitão, os generais diziam, à miúda, que eram apenas bravatas sem consequência. E se empenhavam em explicar que quem se envolvia na política eram as pessoas, nunca a instituição.

Ou os generais tinham perdido a capacidade de análise, ou preferiram acreditar no que mais lhes convinha. Mais de uma vez, o capitão demonstrou não só com palavras, mas com gestos, julgar que o Exército lhe devia respaldo para além de suas funções constitucionais. Desde o início da pandemia, toda vez que se viu em apuros, Bolsonaro ameaçou com uma revolta dos fardados.

O roteiro se repetiu nesta semana. Ao mesmo tempo que o capitão demitia toda a cúpula da Defesa, seus acólitos tentavam emplacar uma narrativa falsa para inflamar as polícias estaduais. A morte de um PM de Salvador, depois de atirar contra colegas num surto psicótico, foi travestida, nas redes bolsonaristas, de ato heroico de revolta contra o distanciamento social. Derrotado nessa questão no Supremo Tribunal Federal, Bolsonaro apelou ao Congresso que lhe desse poderes para interferir nos governos estaduais. Perdeu de novo.

O último capítulo da crise mostra que, por superestimar também sua ascendência sobre as Forças Armadas, o presidente deu a elas a chance de confrontá-lo. Não é um detalhe que, antes de ser demitidos, os comandantes tenham deixado vir a público a intenção de entregar os cargos em protesto contra a mão pesada de Bolsonaro. Além disso, o Alto-Comando do Exército conseguiu alçar à chefia o general Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira — que implantou regras de distanciamento social no Exército e foi apontado como um dos pivôs da irritação de Bolsonaro com o ex-ministro da Defesa.

Para os códigos da caserna, foram reações enfáticas. Mas estão longe de ser atos de heroísmo. A história mostra que, por mais que não queiram admitir, os militares são sócios da obra bolsonarista. Sob o pretexto de não atuar na política, silenciaram diante da falta de compostura institucional, das mortes e do desgoverno criado por Jair Bolsonaro. Se reagiram agora, é porque até mesmo seus largos limites foram ultrapassados. Antes assim.

Quem sabe os militares passem a cortar na raiz as bravatas golpistas, ajudando a fortalecer a democracia. E o vaticínio de Geisel ao final acabe se cumprindo, ainda que por linhas tortas. (O Globo – 01/04/2021)

Postagens Recomendadas

Nenhum comentário ainda, mostre que você tem voz!


Adicione um comentário