Nota à imprensa – Bolsonaro continua ministro da Saúde: CPI da Pandemia Já

Se o ministério apenas executa a política de governo, como observa Marcelo Queiroga, então é preciso mudar o governo, diz Roberto Freire

O presidente nacional do Cidadania, Roberto Freire, divulgou nota oficial na manhã desta terça-feira (16) cobrando a instalação da CPI da Pandemia para apurar não apenas as responsabilidades do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, mas também do presidente Jair Bolsonaro. Freire alerta que, se nada for feito, o legado do novo ministro da Saúde serão outras 260 mil mortes por Covid.

“Se o ministro da Saúde, como ele diz, apenas executa a política de governo – essa mesma política que tornou o Brasil o epicentro mundial da Covid -, então é preciso mudar o governo. E isso começa pela instalação da CPI da Pandemia”, cobrou, ao citar mandado de segurança do Cidadania no Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo que o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), faça a leitura do requerimento.

“Pazuello precisa responder por ter deixado o Brasil sem vacinas, Manaus sem oxigênio e a doença sem controle. Bolsonaro precisa responder pelo patrocínio a essa política de morte cujos únicos beneficiários são alegres fabricantes de cloroquina e ivermectina e alguns financiadores de campanha”, completa.

Leia a nota abaixo:

Nota à imprensa

Bolsonaro continua ministro da Saúde: CPI da Pandemia Já

No momento em que o Brasil avança de forma célere e sem controle para a casa de 300 mil mortos na pandemia, a troca no Ministério da Saúde poderia sinalizar uma mudança de rumo, um alento para milhões de brasileiros vítimas da Covid.

Vítimas porque perderam entes queridos para a doença, porque ficaram com sequelas incapacitantes, porque perderam seus empregos e passam fome, porque tiveram de fechar os seus negócios e estão endividados.

Mas não foi o que se viu. Sai Eduardo Pazuello, entra Marcelo Queiroga e a Saúde e a ciência continuam tendo de pagar pedágio ao negacionismo de Bolsonaro. Pagamento que é realizado com a vida de milhares de brasileiros. É preciso confrontar o homem e sua obra.

De cada 4 mortes de Covid, 3 poderiam ter sido evitadas com uma estratégia medianamente razoável, diz o epidemiologista Pedro Hallal. Sob gestão de Pazuello, aquele que “apenas” obedecia a Bolsonaro, mais de 260 mil brasileiros perderam a vida. Marcelo Queiroga, pelas declarações que deu, reza pela mesma cartilha.

Se o ministro da Saúde, como ele diz, apenas executa a política de governo – essa mesma política que tornou o Brasil o epicentro mundial da Covid -, então é preciso mudar o governo. E isso começa pela instalação da CPI da Pandemia.

É urgente que o Supremo Tribunal Federal acolha nosso mandado de segurança para garantir o direito da minoria e mande o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), ler o requerimento de CPI, que tem como primeiro signatário o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), seguido por 31 colegas dos mais diversos partidos, incluindo o Cidadania.

Pazuello precisa responder por ter deixado o Brasil sem vacinas, Manaus sem oxigênio e a doença sem controle. Bolsonaro precisa responder pelo patrocínio a essa política de morte cujos únicos beneficiários são alegres fabricantes de cloroquina e ivermectina e alguns financiadores de campanha.

Ou o legado do novo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, serão outros 260 mil brasileiros mortos pela Covid.

Roberto Freire
Presidente Nacional do Cidadania

Postagens Recomendadas

Nenhum comentário ainda, mostre que você tem voz!


Adicione um comentário