É preciso retomar o auxílio e aprimorar medidas de combate à Covid-19, diz Eliziane Gama

‘Milhares de pessoas tiveram a vida desestruturada por conta da pandemia do cornavírus e dependem desse recurso para comer, para sobreviver’, afirma a senadora (Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado)

Com o acirramento da crise da Covid-19 e as incertezas quanto ao fornecimento regular de vacinas, a líder do Bloco Parlamentar Senado Independente, senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA), disse nesta terça-feira (02) que a retomada do auxílio emergencial ‘é urgente’, mas sem ‘sacrificar de forma permanente os recursos para a saúde e para a educação’.

“É urgente hoje a volta do auxílio emergencial. Milhares de pessoas tiveram a vida desestruturada por conta da pandemia do coronavírus e dependem desse recurso para comer, para sobreviver. Mas também nós não podemos sacrificar de forma permanente os recursos para a saúde e a educação, porque seria uma enorme irresponsabilidade aprovar uma PEC Emergencial nos termos que foi apresentada pelo governo”, diz a parlamentar.

A PEC Emergencial que começa a ser apreciada hoje (02) pelo Senado cria mecanismos de ajuste fiscal para a União, estados e municípios.  Diferentemente da proposta inicial do governo que previa a redução de pisos mínimos a serem aplicados em saúde e educação, os senadores devem introduzir no texto um protocolo de responsabilidade fiscal e uma “cláusula de calamidade” para que o governo possa pagar o auxílio emergencial sem ultrapassar o teto de gastos.

“Hoje, o mais importante no Brasil é retomar o auxílio emergencial e aprimorar as medidas de combate à Covid-19”, defende Eliziane Gama.

Descompasso

A líder disse que a carta dos secretários estaduais de Saúde divulgada nesta segunda-feira (02), com sugestões de medidas urgentes contra o iminente colapso das redes pública e privada de saúde diante do aumento dos casos de Covid-19, mostra o descompasso entre o Palácio do Planalto e as demais unidades da Federação e aponta para novas atitudes.

“Certamente, nesse cenário a tramitação da PEC Emergencial será impactada. O governo quer fazer ajuste fiscal e não combater de frente a Covid-19. E hoje o mais importante é o auxílio e medidas para o vírus não se espalhar ainda mais. Além de se exigir do governo federal arcar com partes dos custos de UTI”, disse Eliziane Gama.

Postagens Recomendadas

Nenhum comentário ainda, mostre que você tem voz!


Adicione um comentário