Bruno Boghossian: Ex-comandante deixa claro que Exército tentou intimidar STF em 2018

A cúpula do Exército trabalhou por dois dias para redigir um par de tuítes que seria divulgado pelo general Eduardo Villas Bôas em 3 de abril de 2018. Naquela noite, o então comandante publicou mensagens que falavam em “repúdio à impunidade” e que ficaram marcadas como uma pressão sobre os ministros do STF que julgariam um habeas corpus do ex-presidente Lula.

Segundo Villas Bôas, o texto foi escrito por “integrantes do Alto Comando” e recebeu sugestões de “comandantes militares de área”. Da trama que envolveu a cúpula da Força, saíram 74 palavras que citavam um Exército “atento às suas missões institucionais”, num aceno óbvio a defensores de uma intervenção militar.

O ex-comandante narrou o caso como se descrevesse os caminhos burocráticos de um memorando pelos escaninhos do Exército. Numa entrevista ao pesquisador Celso de Castro para o livro “General Villas Bôas: conversa com o comandante”, ele tentou revestir a mensagem de boas intenções, mas o relato não escondeu a intimidação ao Supremo.

Villas Bôas afirmou que, na véspera do julgamento que poderia deixar Lula fora da cadeia, o Exército tinha preocupação com o “extravasamento da indignação” de grupos que pediam uma intervenção militar. Disse ainda que o “público interno” da Força tinha “ansiedade semelhante” e acrescentou que o objetivo dos tuítes era “um alerta, muito antes do que uma ameaça”.

Faltou explicar a diferença entre uma ameaça e um alerta feito pelo comandante de tropas armadas. Além disso, se a intenção era acalmar militares irritados e os golpistas que ele mesmo já definiu como tresloucados, não faria sentido mandar nenhum alerta. O depoimento mostra que aquelas mensagens eram uma advertência com endereço certo: os 11 ministros do Supremo.

Páginas à frente, Villas Bôas comenta a eleição de Jair Bolsonaro e diz que o Exército tinha “preocupação de que a política voltasse a entrar nos quartéis”. Faltou ao general emitir um segundo “alerta” em 2018. (Folha de S. Paulo – 11/02/2021)

Bruno Boghossian, jornalista, foi repórter da Sucursal de Brasília. É mestre em ciência política pela Universidade Columbia (EUA)

Postagens Recomendadas

Nenhum comentário ainda, mostre que você tem voz!


Adicione um comentário