Roberto Freire vê esforço do ex-presidente Lula para convencer STF a anular sentenças da Lava Jato

Em entrevista, presidente do Cidadania diz que “insensatez” de rever decisões já referendadas por tribunais superiores instalaria “insegurança jurídica” no país

O presidente nacional do Cidadania, Roberto Freire, afirmou em entrevista à Rádio Mundial nesta terça-feira (8) que o ex-presidente Lula está fazendo um “esforço tremendo” para se manter relevante no cenário nacional e convencer o Supremo Tribunal Federal, por meio de uma de suas turmas, a iniciar um processo de anulação em série de setenças da Lava Jato que acabe beneficiando o líder petista.

“Ele está fazendo um esforço tremendo pra ver se o STF comete a insensatez de instalar a insegurança jurídica no país com sentenças que foram referendadas por tribunais superiores, inclusive pela Corte, e que podem agora não valer nada. Quem acha que Lula é inocente fica imaginando que isso pode acontecer”, criticou o ex-parlamentar.

Lula foi condenado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do Triplex no Guarujá e pelos mesmos crimes o caso do sítio em Atibaia, São Paulo. O Supremo analisa habeas corpus do ex-presidente em que ele pede a suspeição do ex-juiz Sério Moro, o que poderia levar à anulação de suas condenações.

Na avaliação de Freire, Lula impede o PT de avançar para outra pauta que não a sua própria defesa. “O PT está prisioneiro do passado e nós não podemos voltar a momentos de roubalheiras como as investigadas na Lava Jato. Pra derrotar Bolsonaro, precisamos deixar pra trás todo esse passado”, defendeu.

Ditaduras de sinal trocado

Questionado sobre o discurso de Lula no 7 de setembro, Freire argumentou que a relevância da fala do petista está no fato de ter bases democráticas e que, ainda que Lula e o partido defendam regimes autoritários de esquerda, não apelam à barbárie, como faz Bolsonaro, que, no mesmo dia, exaltou a ditadura brasileira de 1964.

O presidente do Cidadania voltou a dizer que escolher lulismo ou bolsonarismo significaria um pacto com o retrocesso e sustentou que se não houver impeachment do atual presidente será necessário concentrar esforços somente na construção de uma alternativa democrática a ambos.

“Teremos de saber quem pode ser uma boa alternativa a Bolsonaro e a Lula, que é menos grave porque não representa a barbárie, embora seja tão antidemocrático quanto. Mudam apenas o sinal. Bolsonaro elogia a ditadura de Pinochet, a de 1964 no Brasil e outras de direita e Lula, as de Cuba, Nicarágua, Venezuela e outras de esquerda”, comparou.

Ele reiterou que a alternativa com a qual o partido trabalha é a candidatura do apresentador Luciano Huck em 2022. “A presença que ele tem junto aos setores mais vulneráveis, ele já andou por esse Brasil, tem boa formação política, é empresário de sucesso, sabe que o mundo é pós-industrial”, elogiou.

Segundo Freire, mesmo sem ser candidato, Huck sofre ataques de bolsonaristas e lulistas, que “têm medo, porque sabem que ele pode vir a representar o polo democrático”. Ele ainda observou que permanece a necessidade de unir as oposições no enfrentamento de Bolsonaro, mas que isso não significa união para as eleições deste ano ou de 2022.

Postagens Recomendadas

Nenhum comentário ainda, mostre que você tem voz!


Adicione um comentário