Coletivo da Bancada do Livro é novo modelo de construção de políticas públicas, diz Eliseu

A pré-candidatura coletiva da Bancada do Livro para a Câmara Municipal do Rio de Janeiro é experiência importante para a democracia brasileira e apontará novos caminhos para a construção de políticas públicas no país. Quem afirma é Eliseu Neto, coordenador do Cidadania Diversidade, psicanalista e integrante da chapa que reúne outros sete nomes.

Para Neto, a concepção de uma pré-candidatura coletiva para vereador permite trazer novos atores para a política com objetivos comuns e focados “no fomento à leitura, ao livro, à cultura e à educação”.

“A grande novidade é que a pré-candidatura coletiva não representa um viés voltado ao poder e sim para defender um projeto em comum. A Bancada do Livro surgiu após a tentativa do [Marcelo] Crivella [atual prefeito do Rio de Janeiro] de censurar uma HQ por conta de um beijo gay. A pré-candidatura coletiva conta com pessoas voltadas ao campo literário. O Cidadania aceitou participar do projeto, pois defendemos uma causa em comum e lutamos e lutaremos por ela quando eleitos”, explicou.

A pré-candidatura coletiva é encabeçada por Vanessa Daya e composta ainda por Eliseu Neto, José Couto Junior, Paloma Maulaz, Caroline Guedes, Ygor Lioi, Eliza Moreno, Gledson Vinícius e Neliana Aparecida da Silva.

A iniciativa atraiu a atenção de diversos artistas, apresentadores, políticos, entre outros, incluindo o apresentador Luciano Huck e a advogada Gabriela Prioli, que elogiaram a experiência em uma live no Instagram. No Twitter, Huck também comentou a pré-candidatura coletiva, ousada e inspiradora, segundo ele. 

“Livros e educação andam juntos. A educação é a ferramenta mais poderosa para gerar oportunidades e combater desigualdades. A renovação política precisa inovar. Por isso, essa proposta de mandato coletivo pra defesa dos livros me parece positiva. É uma mistura ousada e inspiradora”, publicou.

Segundo o apresentador é preciso experimentar “coisas novas na política”, como a proposta pela Bancada do Livro. “Achei legal essa defesa do livro. Precisamos desconstruir o modelo que temos. Fui para a Coreia do Sul e a transformação por lá se deu por meio da Educação. O país asiático era muito parecido com o Brasil décadas atrás. Hoje, o professor coreano é motivo de orgulho familiar por lá. Para renovar a política, é preciso apoiar quem quer participar da política. Se não empoderarmos a nossa geração teremos sempre esse vácuo”, defendeu.

Todos pela Educação

O presidente do Cidadania, Roberto Freire, também elogiou a iniciativa e reforçou a necessidade do grupo conquistar votos.

“Vocês fazem algo muito importante, diria, inédito ao trazerem para a questão do livro para a pauta política. Nós, do Cidadania, vemos a proposta como algo significativo. Agora precisamos transformar essa bela ideia em votos. Essa é a grande caminhada que precisa ser concretizada. Não sou da Bancada, mas um admirador e quero ser participante desse sucesso”, afirmou.

Um dos idealizadores da Bancada, Gledson Vinícius explicou que o objetivo do grupo é pensar políticas públicas voltadas para o livro e a educação. “Construir coletivamente não é tão simples. Romântico sim, mas difícil. Porém, extremamente importante. Acredito em uma cidade feita por cidadãos que entendam o seu lugar e suas responsabilidades”, apontou.

Também na avaliação da presidente do Todos Pela Educação, Priscila Cruz, a iniciativa reforça a necessidade de lutar por um País mais justo por meio da educação e da leitura.

“Sofremos um ataque à cultura e à educação. Parabenizo a iniciativa e podem contar comigo. Precisamos, nessa grande roda de leitura e democracia, fazer um país melhor. Todos que podem servir de resistência a esse momento retrógrado em que vivemos têm a obrigação de fazer um Brasil melhor. A iniciativa me anima bastante”, sustentou, no lançamento da pré-candidatura.

Para a jornalista e apresentadora, Rachel Sheherazade, a proposta da Bancada do Livro deve ser saudada e defendida diante a importância da educação e cultura em um momento político tão conturbado no Brasil.

“Adorei a ideia. Acho importante a criação de grupos organizados na política que representem e defendam essa que é uma das pautas mais importante no País, a Educação. Se hoje temos em nossos parlamentos bancadas como a do boi, da bíblia e da bala – o que acho um absurdo apesar de respeitar e saber que isso faz parte do jogo político e democrático –, por que não criarmos uma bancado do livro em nossos parlamentos? As pessoas precisam muito mais de livros do que de armas. Os brasileiros precisam de educação e cultura”, pontuou.

A Bancada do Livro mantém importantes conversas para a construção do projeto com personalidades como Lázaro Ramos, Fábio Porchat, Guta Stresser, Flavia Oliveira, Juca Kfouri, José Trajano, Carmem Luz, Clementino Jr, Bernardo Gurbanov, Pedrinho Salomão entre outros.

No comment yet, add your voice below!


Add a Comment