Roberto Freire condena ataques de bolsonaristas e fundamentalistas ligados a Damares à criança vítima de estupro

Para presidente do Cidadania, é preciso cobrar punição para o estuprador, que está foragido, e investigar como nome, foto e dados clínicos da menina foram parar na mão dos extremistas

O presidente nacional do Cidadania, Roberto Freire, condenou nesta segunda-feira (17) os ataques de fundamentalistas ligados à ministra Damares Alves, que deveria responder no governo por ações a favor da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, à criança de 10 anos que engravidou após ser estuprada pelo tio desde os 6 anos de idade.

“Fundamentalistas religiosos ligados a Damares, muitos remunerados por seu ministério, continuam sem falar do estuprador pedófilo. Eles preferem atacar a dignidade da criança de 10 anos que foi violentada e cuja gravidez colocava sua vida em risco. Quem vazou seus dados? E o pedófilo, não cobrarão a prisão do criminoso?”, censurou Freire, que vem apontando, em seu perfil no Twitter, a gravidade da atuação e a leniência de bolsonaristas diante do crime.

A menina, que mora no Espírito Santo, teve de viajar para Pernambuco a fim de interromper legalmente a gestação, o que Freire também considerou grave. “A omissão e a desumanidade do Hospital das Clínicas capixaba impôs sofrimento adicional à criança. Nem mesmo tentaram encontrar quem pudesse fazer o procedimento no estado, obrigando a vítima a buscar socorro a quilômetros de distância”, lamentou.

Conforme registra o presidente do Cidadania, extremistas como Sara Giromini, que já foi funcionária de Damares no ministério, divulgaram nome, foto e dados clínicos da criança, do médico responsável pelo procedimento e o endereço do hospital onde ele seria realizado. Muitos ficaram na porta da unidade de saúde gritando ofensas contra a vítima, que já enfrentava a dor da violência praticada por quem deveria denfendê-la.

Em defesa da vítima

Freire criticou os “arruaceiros” e cobrou que o Ministério Público Federal exerça seu papel e atue no caso para defender os direitos da criança e as determinações legais.

“Vamos dar nome aos bois. Quem foi para a porta do hospital atormentar a família e explorar politicamente a dor da criança estuprada pelo tio é defensor de pedofilia e abuso infantil. Esqueceram o estuprador. Inacreditável haver propósito divino na violência. Desde 1940, a lei permite o aborto em casos de estupro e risco de morte da mãe. E a Constituição confere competência ao MP pra defender direitos e interesses difusos da cidadania”, apontou.

Ele lamentou, ainda, que deputados por Pernambuco, seu estado, estivessem entre os exploradores políticos do caso e elogiou a atuação das mulheres pernambucanas que foram ao Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros (Cisam) defender a vida da vítima.

“Bolsonaristas, seguidores do mito, as damares, saras, deputados joeis colocam em marcha um projeto que é contra a mulher e a favor do estupro e da violência infantil. Em vez de respeitar a lei, queriam perpetuar o sofrimento que o estuprador impôs a uma criança por longos 4 anos. Parabéns às dignas mulheres que a defenderam, ao CISAM, em especial o diretor e sua equipe, que cuidaram da lei e, mais importante, da vida de uma criança de 10 anos”, finalizou.

Postagens Recomendadas

Nenhum comentário ainda, mostre que você tem voz!


Adicione um comentário