Em reunião da Executiva, parlamentares defendem renda básica e saúde como bandeiras nas eleições municipais

Líderes das bancadas da Câmara e Senado debateram importância de reafirmar essas pautas na disputa e fizeram balanço da atuação do partido

O líder do Cidadania na Câmara, deputado federal Arnaldo Jardim (SP), participou nesta quinta-feira (30) da reunião da Executiva Nacional do partido e apresentou um panorama das iniciativas da bancada na Casa. “Neste momento de pandemia, o Cidadania tem atuado de forma coesa e com protagonismo”, afirmou.

Além do auxílio emergencial, Jardim disse que o esforço está voltado para a proposta da renda básica. “Devemos incorporar esses como uma bandeira importante do partido”, apontou. O deputado também comentou o apoio do Cidadania às empresas, garantindo crédito para as pequenas e médias. “Ontem, votamos um projeto de lei que amplia o Pronampe para profissionais liberais. Mais uma conquista”, comemorou.

O deputado afirmou ainda que a bancada da Câmara trabalha para derrubar os vetos do presidente Bolsonaro ao Marco Legal do Saneamento. Outro ponto levantado por Jardim durante o debate foi o pedido de convocação do ministro da Justiça, André Mendonça, para explicar as investigações sigilosas contra professores universitários e policiais supostamente identificados como integrantes de movimento designado como antifascista.

Sobre a saída do DEM e MDB do chamado Centrão, Jardim acredita que o cenário de reeleição passa a ser um pano de fundo importante. “Achamos decisivo que emerja um movimento e uma articulação que estaremos participando, que reúne partidos como o DEM, PSDB, MDB, Podemos e mais o bloco de oposição, para buscarmos uma alternativa que mantenha a independência da Câmara”, anunciou. 

Em relação às eleições municipais, Arnaldo, que também é presidente do partido em São Paulo, se disse animado. “Educação, geração de emprego,sustentabilidade e renda básica são bandeiras, diretrizes principais para nossos candidatos”, propôs.

Durante a reunião, a líder do Cidadania no Senado, Eliziane Gama (MA), mencionou as conversas com o Ministério da Economia sobre a execução orçamentária nesse momento de pandemia. 

“O partido tem feito uma defesa mais profunda da investigação porque tivemos uma baixa, menos de 10% de execução orçamentária dos recursos pra combate à Covid-19. Estamos fazendo essa defesa da ampliação da execução orçamentária, o percentual foi muito baixo. Tudo o que aprovamos até o momento é algo em torno de 8% do PIB. Temos alguns países que estão fazendo investimento da ordem de até 20% do seu PIB em ações voltadas para o combate à pandemia”, alertou. 

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), que também é vice-presidente da Frente Parlamentar Mista da Renda Básica, falou da PEC que apresentou no Senado – e, na Câmra, pelos deputados Tábata Amaral e Felipe Rigoni – que trata do benefício focalizado na infância. 

“Temos feito um trabalho bastante técnico e maduro nesse ponto da renda básica, sem nenhum tipo de loucura fiscal, sem necessidade de romper o teto. É possível desenhar um programa robusto de transferência de renda com orçamento equivalente a algo como 3 ou 4 vezes o que hoje é destinado para o Bolsa Família”, reforçou.

Vieira disse que a bancada do Senado também tem atuado na defesa da democracia e no combate à pandemia e lembrou sua bandeira pessoal, que também se estende ao partido, no combate à corrupção, algo que deve ter maior visibilidade nas próximas semanas, avaliou, diante dos ataques que a Lava-Jato vem sofrendo.

Sobre o processo eleitoral, Vieira afirmou ter expectativa positiva para as eleições municipais de novembro e que, apesar do pouco tempo de partido, já conseguiu fazer uma mudança profunda na legenda em Sergipe.

“Escolhi pelo perfil do partido e das pessoas que integram o partido. Todos os compromissos assumidos pela direção foram cumpridos de forma exemplar e já fizemos uma transformação do partido em Sergipe. Tinha uma atuação inexpressiva do ponto de vista de ações políticas e candidaturas competitivas. Hoje estará presente pelo menos em 26 municípios com candidaturas majoritárias, que correspondem a 75% do eleitorado sergipano. É um trabalho de construção com objetivo de garantir ao Cidadania a condição de partido mais relevante no cenário sergipano”, garantiu.

Na avaliação da deputada federal Carmen Zanotto (Cidadania-SC), a área de saúde será o principal eixo nessas eleições porque impacta na educação, na economia e no desenvolvimento do país. Ela também elogiou a atuação da Fiocruz. 

“Talvez o Brasil seja um dos primeiros países que no mundo distribuindo a vacina de forma gratuita pela rede pública a um custo que estamos estimando a 10% do que está prevendo os Estados Unidos por dose. O fortalecimento das nossas estruturas, do nosso ensino, pesquisa e extensão, mais do que nunca, se faz necessário. E nós, do Parlamento, temos de brigar por isso e garantir o orçamento necessário para o estímulo da pesquisa”, defendeu.

Já o vice-presidente do Cidadania, deputado federal Rubens Bueno (PR) falou da importância dos cursos de formação política para pré-candidatos como forma de consolidar as bandeiras do partidos e prepara-lo para as eleições de novembro.

“Concluímos a décima quarta e última etapa do curso para vereadores e atingimos 2.163 pré-candidatos. Na próxima segunda-feira (3), iniciamos o primeiro módulo do curso para os pré-candidatos a prefeitos e vice. Temos candidaturas nas principais cidades e isso nos anima muito. Acredito que vamos cumprir mais um papel importante”, disse.

Postagens Recomendadas

Nenhum comentário ainda, mostre que você tem voz!


Adicione um comentário