Raul Jungmann: achar que Forças Armadas têm poder moderador é “total despautério”

Em conversa com Mônica Bergamo, na BandNews TV, ex-ministro da Defesa diz que Supremo Tribunal Federal tem palavra final sobre Constituição e que intepretação equivocada do artigo 142 é infeliz e introduz confusão

Em conversa com a jornalista Monica Bergamo, no programa Ponto a Ponto, da BandNews TV, o ex-ministro Raul Jungmann classificou de “total despautério” a interpretação de alguns juristas ligados ao presidente Jair Bolsonaro, segundo a qual as Forças Armadas exerceriam uma espécie de poder moderador. Segundo ele, além de uma “infelicidade”, seria uma forma de “introduzir confusão”.

“O poder moderador é a Constituição e quem dirime os conflitos que porventura existam é o Supremo Tribunal Federal. Isso é básico, é bê-a-bá. É uma infelicidade, um desserviço e um desrespeito ao país. Inadmissível que juristas que conhecem o artigo 142 venham a exarar opinião como essa. Não faz sentido. Essa hermeneutica não tem solidez”, sustentou.

Questionado pela jornalista, o ex-ministro da Defesa e da Justiça afastou qualquer possibilidade de “desvio autoritário” por parte dos militares. “Não vejo nenhum risco. O que existe e causa grande confusão é que você tem generais palacianos que atuam politicamente. As pessoas acham que estão falando pelas Forças Armadas. Não estão. Elas estão compromissadas com a Constituição”, assegurou.

Lembrado da nota do general Augusto Heleno, ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), segundo quem eventual apreensão do celular do presidente traria “consequências imprevisíveis”, Jugmann disse que, na democracia, “as consequências são previsíveis e constitucionais” e que, mesmo o endosso dado pelo ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, foi posteriormente revisto.

Protagonismo não é bom

“A manifestação do ministro da Defesa foi feita numa entrevista. Num primeiro momento, diz que apoia. Depois recua e dissocia sua manifestação das forças armadas. O problema é que sempre, quando é general, colocamos antes do ministro a sua patente. É inadequado. Eles são essencialmente ministros políticos.Você alguma vez disse o ministro médico Mandetta? Isso não existe”, argumentou.

Apesar de ponderar que, exceto por um ou outro militar da ativa, Aeronáutica, Marinha e Exército não estão fazendo política, Jugmann avaliou que “não é bom pras forças terem esse protagonismo”. “Se você abrir os jornais de hoje e os principais sites, lá estão os generais palacianos no centro das políticas, mas a instituição é de Estado. A política trabalha com o conflito, escolhas e oposição. Instituições estatais trabalham com o conjunto”, opinou.

Por fim, Jugmann ainda afirmou que o que observa de mais preocupante a respeito da participação ou não dos militares na vida pública é a alienação dos civis de seu papel de supervisão e regulamentação. Segundo ele, mais grave do que militares ocupando postos nos ministérios é que não haja especialistas ou analistas de defesa civis no Ministério da Defesa por falta de concurso.

“Nós, civis, temos a competência, a atribuição de definir qual é a polÍtica das Forças Armadas. Você revisa a politica de defesa nacional de 4 em 4 anos. Ela foi votada na Câmara sem que os líderes se manifestassem. No Senado, a mesma coisa. São os mais altos documentos para as mais altas decisões sobre as Forças Armadas. Eles querem que seja dada essa direção”, atestou.

Postagens Recomendadas

Nenhum comentário ainda, mostre que você tem voz!


Adicione um comentário