Marcelo Calero: Iphan está mais uma vez na mira de especuladores e inescrupulosos

Deputado federal criticou nomeação de ex-assessor de Geddel Vieira Lima para a chefia de gabinete da autarquia ligada ao Ministério do Turismo

O deputado federal Marcelo Calero (Cidadania-RJ) afirmou nesta quinta-feira (28) que vê na atual gestão do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) a mesma tentativa do governo anterior de interferir politicamente no órgão com interesses obscuros.

Calero foi ministro da Culutra no governo Michel Temer, quando reagiu a pressões do então ministro da secretaria-geral de Governo, Geddel Vieira Lima, para liberar um empreendimento de interesse do emedebista. Ele criticou a nomeação de um ex-assessor de Vieira para a autarquia.

“Parece inacreditável. Mas não é. O governo Bolsonaro nomeou ex-assessor de Geddel para o Iphan, justamente o órgão no qual o ex-ministro, junto com seus comparsas, queria minha intervenção para liberar uma obra usada em seu esquema de lavagem de dinheiro. É a nova política. Só que não”, ironizou.

A informação sobre a nomeação de Marco Antonio Ferreira Delgado como chefe de gabinete do Iphan foi publicada hoje pelo jornalista Bernardo Mello Franco, do jornal O Globo. A decisão do Ministério do Turismo chocou servidores do órgão, segundo o jornalista.

Quando pressionou Calero, Geddel queria que o Iphan liberasse a construção de um edfício em uma área tombada em Salvador, Bahia, estado natal do emedebista, condenado por improbidade administrativa recentemente em razão do episódio. Calero vem lutando contra o aparelhamento do Iphan.

Em ação popular, o parlamentar fluminense pediu que fosse suspensa a nomeação de Larissa Rodrigues Peixoto Dutra para o cargo de presidente da autarquia. “Como no caso Geddel, o Iphan está mais uma vez na mira de especuladores e inescrupulosos”, apontou Calero, ao comentar que o Ministério Público se manifestou na ação contra a indicação de Larissa.

“A nomeação de pessoa sem qualificação ou experiência na área, para cargo técnico de alta responsabilidade, como é o caso da presidência do IPhan, parece evidenciar finalidade distinta daquela para a qual a Instituição federal foi criada”, afirmou o MP.

Os procuradores ainda registram, em sua manifestação, a reunião ministerial do dia 22 de abril, divulgada por decisão do Supremo Tribunal Federal, na qual o presidente Jair Bolsonaro cita obras suspensas do empresário Luciano Hang em razão de dificuldades de licenciamento junto ao Iphan.

Postagens Recomendadas

Nenhum comentário ainda, mostre que você tem voz!


Adicione um comentário