Claudia Safatle: A recessão é inevitável

Preocupação é salvar vidas e preservar o maior número possível de empresas

A grande preocupação do governo, nesse momento em que a disseminação da covid-19 assume proporções dramáticas, é preservar vidas e salvar o maior numero de empresas possível para que haja uma estrutura na economia capaz de reagir quando o coronavírus for se enfraquecendo. Recessão se mostra inevitável, sobretudo a partir do segundo trimestre, mas também ainda neste primeiro trimestre o Produto Interno Bruto já poderá vir negativo.

O tamanho do tombo na economia vai depender da duração, do tempo em que o coronavírus estiver se multiplicando. Segundo os gráficos abaixo, na China a situação se estabilizou em um tempo relativamente rápido. A curva da pandemia é côncava.

Para a atividade econômica, a situação é terrível. “É um fosso sem piso”, diz Silvia Matos, economista coordenadora do Boletim Macro do Ibre/FGV, cuja missão, agora, é recalcular todos os indicadores macroeconômicos para este ano. Ela está trabalhando em casa, assim como toda a sua equipe. “É uma situação de guerra mesmo! Não tem como pensar em economia funcionando. A economia real não é no home office!”

Nesse ambiente, o que vai acontecer com a política fiscal, com a inflação ou com o endividamento do setor público, parece questões fúteis. Ao Estado cabe cuidar das pessoas, dar-lhes alimentação e acesso à saúde.

O voucher de R$ 200 por mês para os trabalhadores informais é pouco para enfrentar os próximos dois a três meses, mas o principal, agora, é fazê-lo chegar ao destinatário.

Para isso, o Cadastro Único, que reúne praticamente 30 milhões de famílias, é o ponto de partida. O governo vai utilizar casas lotéricas e caixas eletrônicos para dar acesso a esses recursos.

Diante da inevitabilidade de aumento do desemprego, o governo edita medida provisória para regulamentar a suspensão temporária do contrato de trabalho (“lay off”). O empregado receberá pelo seguro-desemprego, e a MP deverá retirar a intermediação dos sindicatos para que haja uma negociação direta entre patrões e empregados. Lá na frente, quando a situação se normalizar, a lei determina que o trabalhador volte ao seu emprego.

O governo federal diferiu por 180 dias o recebimento do Simples, mas poucos Estados e municípios estão acompanhando essa medida, adiando também o pagamento dos tributos estaduais e municipais do sistema.

Até agora somente a prefeitura de Belo Horizonte e o Estado de Alagoas aderiram. Os demais estão exigindo contrapartidas do governo federal, segundo alta fonte da área econômica. Essa mesma fonte diz: “Estamos fazendo o que estamos vendo. O que vamos ver mais adiante, faremos também”.

Outro passo dado pela área econômica refere-se ao capital de giro das empresas, mas sabe-se bem que o sistema financeiro doméstico não gosta de operar com pequenas e médias empresas. Eles emprestam, na melhor das hipóteses, para as maiores do grupo das pequenas.

Essa vai ser a terceira área de atuação do governo, disse uma outra fonte, sem especificar exatamente em que direção. Se, por exemplo, se usaria dos bancos públicos federais, como o BNDES, para prover essas empresas de capital de giro.

Estamos em guerra e não é hora de seguir dogmas nem de politizar o coronavírus. É hora, sim, de tentar minimizar o que já é, por si, uma catástrofe social e econômica. (Valor Econômico – 20/03/2020)

Claudia Safatle é diretora adjunta de Redação e escreve às sextas-feiras – E-mail: claudia.safatle@valor.com.br

Postagens Recomendadas

Nenhum comentário ainda, mostre que você tem voz!


Adicione um comentário