Danielle Garcia: ‘Aracaju precisa passar a limpo o que foi feito nas últimas gestões’

Pré-candidata a prefeita do Cidadania diz em entrevista exclusiva ao “Jornal da Cidade” que propostas para a capital de Sergipe serão pautadas na “legalidade, na transparência, na moralidade e eficiência administrativa e, principalmente, no diálogo com os cidadãos” (Foto: Reprodução)

Jornal da Cidade

A afirmação é da delegada Danielle Garcia, e ao que parece este será um dos motes da sua pré-candidatura à Prefeitura de Aracaju. Seu nome foi confirmado pelo Cidadania para disputar o cargo. Logo após ela concedeu esta entrevista exclusiva ao JORNAL DA CIDADE, a primeira na condição de pré-candidata. Na conversa, Danielle garante que não pensou em buscar apoio político de Sérgio Moro (a quem elogiou) ou do presidente Bolsonaro.

Ela se mostrou disposta buscar alianças, mas fez ressalvas: “Não iremos dialogar com quem possui ficha suja, afetos às práticas ilícitas e interessados apenas no próximo mandato”. Por fim, a pré-candidata afirmou que irá acabar com o uso político da Secretaria de Saúde e que fará uma minuciosa avaliação das contas e dos contratos firmados pela prefeitura. Confira abaixo.

JORNAL DA CIDADE – Em nome de qual projeto a senhora se apresenta para disputar a Prefeitura de Aracaju?

DANIELLE GARCIA – O nosso projeto parte da premissa de que a nossa atuação esteja sempre, em todas as hipóteses, pautada na legalidade, na transparência, na moralidade e eficiência administrativa e, principalmente, no diálogo com os cidadãos. Há muito o que se fazer nas mais diversas áreas, mas as velhas práticas impedem o uso completo, racional e efetivo das verbas públicas e consequentemente impacta na entrega de serviços básicos. A prefeitura de uma capital como nossa Aracaju pode entregar muito mais para toda a população, e isso será possível quando tivermos uma gestão eficiente, com planejamento e ações construídas, com a participação da população, para atender às necessidades dos aracajuanos e aracajuanas, sem vínculo com as velhas práticas do sistema. Nossa prioridade é mudar a gestão, escutar a população, entregar os melhores serviços e cumprir a missão de fazer Aracaju avançar mais.

JC – Quem defende a sua candidatura hoje? Quais lideranças, partidos…?

DG – Nossa pré-candidatura foi construída coletivamente. O Bloco Unidos por Aracaju é a semente desse propósito de mudança. Além dos parceiros do Cidadania, senador Alessandro Vieira, os deputados estaduais Georgeo Passos, Kitty Lima, Samuel Carvalho e nosso ex-vereador de Aracaju Dr. Emerson, estamos construindo coletivamente com nossa amiga, a vereadora Emília Corrêa (Patriotas), e com o empresário Milton Andrade (Novo). Mas principalmente minha pré-candidatura foi confirmada pela voz da população. Uma missão que assumo feliz e confiante, porque o desejo de mudar nossa capital também é meu.

Pré-candidatura de Danielle foi lançada na última segunda-feira (Foto:Reprodução)

JC – Por que esse grupo definiu o seu nome para a disputa? Foi uma imposição do senador Alessandro? Como foi este processo?

DG – Nunca houve qualquer tipo de imposição, de quem quer que fosse. Essa é uma ilusão que tentam criar, mas sem respaldo. O senador Alessandro é meu amigo e colega da Polícia Civil, compartilhamos ideais e valores, trabalhamos juntos para combater a corrupção em nossa capital e em Sergipe. Ele sempre me apoiou como amigo, na vida profissional e incentivou minha participação na vida política. A decisão de colocar meu nome à disposição dos aracajuanos como pré-candidata a prefeita da cidade foi uma decisão interna minha. Senti o chamado para contribuir com a gestão da minha cidade. Tenho minha profissão e sou muito realizada nela, graças a Deus em quase 20 anos como delegada da Polícia Civil realizei meu trabalho com os melhores resultados e isso é reconhecido pelas pesquisas, quando escutamos a população. Agora chegou um novo momento, Aracaju pode mais, precisa passar a limpo o que foi feito nas últimas gestões e iniciar uma nova história. No Bloco Unidos Por Aracaju, o processo de escolha dos pré-candidatos partiu das análises das pesquisas realizadas e de discussões em grupo. Foi uma decisão tomada com muito cuidado, respeito e bastante discutida internamente.

JC – A senhora pretende ampliar o arco de alianças? Quais são os políticos e partidos que estão na mira?

DG – Estamos abertos ao diálogo, pois faz parte da essência da política, porém as alianças serão feitas com base nos princípios da ética e da legalidade e em concordância ao nosso programa de governo. Não iremos dialogar com quem possui ficha suja, afetos às práticas ilícitas e interessados apenas no próximo mandato, sem qualquer atenção com as necessidades dos aracajuanos. Essas são as principais restrições. Mas buscaremos sempre pessoas e grupos que estejam alinhados com o nosso propósito de fazer uma gestão pública transparente, focada em metas, baseada em evidências e com a participação da população.

JC – Há algum partido, grupo ou nome vetado, na busca por alianças?

DG – Como respondi na pergunta anterior, nossa construção é feita por pessoas com compromisso ético, não tem aliança com ficha suja, corruptos, afetos às práticas ilícitas e interessados apenas em se perpetuar no poder.

JC – Teremos uma chapa puro-sangue? Caso positivo, não há um prejuízo do ponto de vista da logística, fundo eleitoral?

DG – A melhor aliança, sem sombras de dúvidas, é com a sociedade, e temos diversos exemplos no Brasil e especialmente aqui em Sergipe, que quando a população quer mudar isso é possível. Temos criatividade, equipe e voluntários para fazer essa campanha acontecer.

JC – A oposição ao prefeito Edvaldo Nogueira poderá sair unida? Estão conversando com Valadares Filho, que recebeu o seu apoio na reta final da última campanha para o governo?

DG – Iremos dialogar com todos que queiram instaurar um novo tempo em Aracaju e passar a limpo tudo o que foi feito até aqui. Se houver alinhamento e concordância com a nossa proposta de governo, certamente haverá um caminho para estarmos juntos. Mas todas as relações precisam ser construídas.

JC – Como avalia o anúncio de que o PT terá candidato em Aracaju?

DG – Cada partido tem o direito de ter seus próprios candidatos.

JC – A senhora espera contar com o apoio do presidente Jair Bolsonaro e do ministro Sérgio Moro?

DG – Durante todo o processo de construção desse grupo, nunca pensamos em angariar apoio dessa natureza, porque imaginamos que as ideias e o projeto de trabalho já estão bem definidos. Com relação ao ministro Sérgio Moro, homem sério e abnegado, o que posso dizer é que serei eternamente grata pelo convite para trabalhar em Brasília, bem como por todo aprendizado durante esses últimos oito meses.

JC – Quais seriam hoje os dois principais problemas da capital e quais soluções a senhora apresentaria?

DG – O transporte público e a saúde precisam urgente de reformulações. Quanto ao transporte público, temos uma das tarifas mais caras do Brasil e um serviço de péssima qualidade, além de uma licitação que não sai do papel, totalmente contaminada. A saúde é uma tragédia, os postos não funcionam de forma adequada, temos um desperdício de materiais e a população insatisfeita com o atendimento. É preciso investir num plano de mobilidade urbana e realizar a licitação para melhorar o serviço. Quanto à saúde, vamos acabar com o uso político da Secretaria de Saúde, investir na saúde básica e no saneamento.

JC – Como prefeita, a senhora pretende ser também delegada, no sentido de comandar investigações de dentro da PMA? A senhora pretende esmiuçar as contas da prefeitura?

DG – Diria que a minha essência de investigadora não me permitirá fazer uma gestão sem uma minuciosa avaliação das contas e dos contratos firmados pela prefeitura, especialmente aqueles vigentes há anos e com preços que superam e muito os praticados no mercado. Com transparência, reformularíamos todas as contratações, de modo que não houvesse desperdícios de dinheiro público, que precisa ser bem aplicado nas áreas necessárias: educação, saúde, transporte, mobilidade urbana e tantas outras. Uma boa gestão passa necessariamente por uma atuação transparente, legal e pautada nas reais necessidades do povo.

Fonte: http://jornaldacidade.net/politica/2020/02/315361/danielle-garcia-aracaju-precisa-passar-a-limpo-o-que-foi-.html

Postagens Recomendadas

Nenhum comentário ainda, mostre que você tem voz!


Adicione um comentário