PF no Maranhão conclui inquérito sobre a morte de líder indígena Paulinho Guajajara

Segundo investigação, indígena morreu em confronto com caçadores após furtar a moto deles. Já os índios afirmam que madeireiros teriam feito uma emboscada (Foto: Reprodução)

Jornal Nacional – TV Globo

A Polícia Federal no Maranhão concluiu o inquérito sobre a morte de um líder indígena.

A versão da PF discordou da versão dada pelos índios de que madeireiros teriam feito uma emboscada. De acordo com a PF, o líder indígena Paulo Paulino Guajajara, morto no confronto do dia 1º de novembro de 2019, e o índio Laércio Guajajara, que sobreviveu, danificaram três motos que estavam escondidas na mata e teriam furtado uma outra que pertencia a caçadores de animais silvestres que entraram na terra indígena sem autorização.

Houve confronto quanto os caçadores tentaram reaver a moto.

Segundo a perícia, um dos caçadores, Márcio Greik Moreira Pereira, morreu atingido por um tiro disparado pelos próprios colegas.

A PF indiciou os quatro sobreviventes. Dois caçadores por homicídio, porte ilegal de armas e caça ilegal. Um terceiro não foi envolvido no homicídio porque fugiu na hora do tiroteio. O índio Laércio Guajajara também foi indiciado por porte ilegal de arma, além de furto e dano, por causa das motos.

Em nota, o Conselho Indigenista Missionário repudiou a conclusão da Polícia Federal e exigiu uma investigação que considere as identidades e que acabe com a impunidade dos que matam e mandam matar os povos indígenas.

No entendimento de defensores dos direitos dos índios, a Polícia Federal não levou em consideração que os homens estavam caçando ilegalmente numa área indígena e que os dois índios envolvidos eram do grupo Guardiões da Floresta, criado justamente para inibir a presença de invasores na área.

“Eu entendo que a autoridade policial deixou de levar em consideração o que era principal num tipo de conflito como esse, que é o contexto envolvendo a cultura indígena. A gente está falando de um conflito histórico na região, que envolve indígenas e não indígenas, e aquilo é mais um capítulo desse conflito”.

Nesta sexta-feira (10), uma comissão de parlamentares visitou a reserva indígena Araribóia. Ainda sem saber o resultado do inquérito, os índios disseram que vivem com medo.

Postagens Recomendadas

Nenhum comentário ainda, mostre que você tem voz!


Adicione um comentário