Mariliz Pereira Jorge: A falácia da maioria

Jair Bolsonaro não entendeu, e tudo indica que isso jamais acontecerá, que foi eleito para cuidar de todos os brasileiros e não apenas daqueles que o elegeram. E, volta e meia, vem com a ladainha de que governa para a maioria. Difícil saber se ele acredita nisso ou é só caô para ver se cola. Do jeito que fala, parece um democrata interessado no que o povo, a maioria mesmo, quer.

Com a falácia de defender os interesses da maior parte das pessoas, ele apenas varre os números para baixo do tapete, mas vamos relembrar. Jair teve 39,24% dos votos, quase 58 milhões de eleitores, o que ele adora exaltar, num universo de 147 milhões. Juntando Fernando Haddad, brancos, nulos e abstenções temos cerca de 89,5 milhões de brasileiros que não se sentem representados. Somem-se a isso os decepcionados e os arrependidos. Quem mesmo é minoria?

Antes da eleição, Bolsonaro já dizia que elas, as minorias, teriam que se curvar às maiorias, em alusão às pautas relacionadas a grupos em desvantagens sociais. Desde então ficou claro que minoria para o presidente é todo mundo que não votou nele ou não apoia suas decisões.

Na semana passada, ele voltou a bater na tecla da “maioria” em dois episódios. Ao dizer que “cultura tem que estar de acordo com a maioria da população”, sem apontar qualquer dado que mostre o que essa tal “maioria” quer. O presidente também foi ao Twitter (oi?) perguntar se os seus seguidores concordavam com a volta dos radares móveis nas rodovias. Sua lógica é a de que, se a “maioria” não quer, o que importam os números que apontam aumento de mortes e feridos?

Bolsonaro ignora estatísticas, pesquisas e tendências e termina o primeiro ano de governo parecendo desdenhar do que grande parte dos brasileiros pensa, precisa e quer, apenas para satisfazer uma minoria fanática que endossa sua estupidez. Isso talvez explique parte de sua baixa popularidade. (Folha de S. Paulo – 19/12/2019)

Leia também

O trauma do aborto é um segredo das famílias brasileiras

Foi imediata a reação contrária da opinião pública, pelas redes sociais e nas ruas, à tentativa de criminalizar o aborto de crianças vítimas de estupro com penas de até 20 anos.

IMPRENSA HOJE

Veja as manchetes dos principais jornais hoje (17/06/2024)

Cidadania define critérios de distribuição do fundo eleitoral

A Executiva Nacional do Cidadania definiu neste sábado os...

Nota de repúdio – Não ao PL que criminaliza as vítimas de estupro

A Secretaria Nacional de Mulheres do Cidadania - M23...

M23 de Minas gerais realiza encontro neste sábado

O M23 Cidadania de Minas Gerais realiza neste sábado...

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!