Veja as manchetes e editoriais dos principais jornais hoje (23/10/2019)

MANCHETES

O Globo

Congresso aprova a mais ampla reforma da Previdência em 30 anos
Idade mínima é fixada em 65 (homem) e 62 (mulher)
Economia será de cerca de R$ 800 bilhões em dez anos
Bolsonaro: ‘Próxima reforma é a que for mais fácil de passar’
Supremo cogita prisão após recurso no STF
Joice aponta perfis falsos ligados aos Bolsonaros
Soltos pela Alerj, deputados querem retomar mandato
Bando que planejava invadir o Maracanã é preso

O Estado de S. Paulo

Um passo à frente – Senado aprova texto-base da Previdência
Eduardo anuncia que desistiu de embaixada
Comandante da Marinha compara óleo a bombardeio
Alerj manda soltar 5 deputados presos
Eleição boliviana vira crise e OEA convoca reunião
Presidente chileno pede perdão e anuncia pacote

Folha de S. Paulo

Congresso aprova a reforma da Previdência, que afeta 72 milhões
País cogita deixar Mercosul para ter abertura externa
Supremo condena Geddel a 14 anos por R$ 51 mi escondidos
Por liderança no PSL, Eduardo abre mão de embaixada
Assembleia do RJ libera deputados envolvidos no Caso Cabral
Pós-graduações serão avaliada por impacto e interação regional
Óleo chega a Morro de São Paulo; Marinha investiga 30 navios
Bolívia pede à OEA auditoria de votação que deu vitória a Evo
Mortes no Chile chegam a 15, e Piñera pede desculpas por crise

Valor Econômico

Senado inicia debate de novo projeto de Código Comercial
Empresários veem abertura com ressalvas
Embarcação de cabotagem terá tarifa zero
Aéreas fecham mais acordos para reduzir ICMS sobre o combustível
BC já tem um diagnóstico sobre concorrência e prepara ‘remédios’
Congresso aprova reforma da Previdência

EDITORIAIS

O Globo

Modernização da Previdência vence uma etapa

Reforma é avanço importante e precisa ser entendida como a primeira de algumas que virão

A aprovação final do texto-base da PEC da Previdência, ontem no Senado, representa uma etapa relevante na execução de reformas estruturais — além da previdenciária, a tributária e a do pacto federativo. São alterações estratégicas para atualizar legislações-chave relacionadas aos gastos públicos, à coleta de impostos, à forma como a receita tributária é distribuída na Federação, e também o peso do Erário sobre a sociedade.

É um trabalho extenso, mas que tem de ser feito para atualizar dispositivos e conceitos que vêm da Constituição de 88, ou inspirados nela, quando o mundo era outro.

Os números frios indicam uma frustração, porque o projeto original encaminhado pelo governo ao Legislativo era de uma economia de pouco mais de R$ 1 trilhão em dez anos, cifra podada para R$ 800 bilhões, depois da dita desidratação decorrente de negociações políticas feitas na Câmara e no Senado. Não há o que reclamar, pois se trata do jogo democrático. As falhas terão de ser consertadas à frente, quando o Congresso se convencer que errou.

Os R$ 800 bilhões, se estão aquém da “potência fiscal” desejada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, e pelo secretário Especial da Previdência, Rogério Marinho, encontram-se bem acima dos R$ 500 bilhões estimados como resultado final da proposta de reforma de Michel Temer, depois das inevitáveis desidratações. O número não foi confirmado, porque o projeto naufragou quando o presidente perdeu força política, devido à ética.

A reforma aprovada ontem tem, entre os méritos, o de haver incluído nas regras previdenciárias o conceito de idade mínima para o segurado se habilitar à aposentadoria. O parâmetro básico do tempo de contribuição para a obtenção do benefício, regra seguida por poucos países no mundo, causou a distorção de a idade média dos aposentados ser relativamente baixa no Brasil, na faixa dos 50 anos de idade. Como a sobrevida das pessoas a partir desta idade ultrapassa os 80 anos, mesmo em regiões menos desenvolvidas, os gastos crescentes com benefícios são financiados cada vez menos pelo que é arrecadado no INSS.

A reforma tem de ser encarada como a primeira de algumas. Pois a população continua a envelhecer enquanto diminui proporcionalmente a entrada de jovens no mercado formal de trabalho. O resultado negativo do confronto de gastos crescentes com receitas decrescentes vai continuar a aumentar. O déficit se alargará em velocidade mais baixa, o que já é um avanço.

As frustrações nesta reforma devem e podem ser revertidas nas próximas mudanças, nem que seja, como desta vez, sob pressão da vida real. Inclui-se neste caso a intenção de se reduzirem as disparidades entre os privilegiados servidores públicos e os assalariados que dependem do INSS. Estes têm como teto R$ 5,7 mil, enquanto no funcionalismo há aposentadorias de mais de R$ 20 mil. Fica para depois aprofundar a correção deste viés antissocial, rumo a um sistema previdenciário que atenda todos da mesma forma.

O Estado de S. Paulo

Águas turvas

A mancha de óleo se espalhou pelo litoral do Nordeste também como consequência da dificuldade do atual governo de tratar deste ou de qualquer outro tema de forma realista

O desastre ambiental causado pelo vazamento de óleo que atinge a costa do Nordeste desde o final de agosto vem sendo tratado pelo governo federal de maneira pouco transparente. A dimensão do problema exige o engajamento de um grande número de autoridades e especialistas, além de uma considerável mobilização de recursos, o que demanda o mais amplo compartilhamento de informações e uma liderança sólida no gerenciamento desse trabalho conjunto. Pouco disso se tem visto por parte da Presidência da República, do Ministério do Meio Ambiente e de outros órgãos federais envolvidos.

A Petrobrás e a Marinha mantêm em sigilo relatórios de investigação sobre o caso, ao mesmo tempo que o presidente da República, Jair Bolsonaro, reiteradas vezes vem lançando no ar suspeitas sobre a possível natureza criminosa do vazamento e insinuando que a Venezuela seria a responsável. Se o governo sabe de algo a esse respeito, deve dizer claramente, mostrando a íntegra dos documentos nos quais baseia suas conclusões. Do contrário, estaremos no terreno da fofoca, o que não condiz com a seriedade que se espera da administração federal, em especial diante de um grande desastre ambiental como esse.

Enquanto o governo parece mais empenhado em implicar a ditadura venezuelana no caso, o óleo se espalha – já atinge quase 140 pontos do litoral de nove Estados do Nordeste – e há uma clara descoordenação de esforços para enfrentar o problema.

Em primeiro lugar, o governo reagiu de forma tardia e atabalhoada. O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, informa que desde o dia 2 de setembro está em ação um grupo de acompanhamento formado pela Marinha, pelo Ibama e pela Agência Nacional do Petróleo. No entanto, o Plano Nacional de Contingência para Incidentes de Poluição por Óleo em Águas sob Jurisdição Nacional, estabelecido por decreto em 2013 para casos como esse, só foi acionado no dia 11 de outubro passado, mais de um mês depois. É esse plano de contingência que distribui responsabilidades entre os diversos órgãos envolvidos e estabelece os procedimentos e as ações em cada etapa.

Ao que parece, o problema nesse caso é que o comitê executivo responsável por acionar o Plano de Contingência foi um dos comitês extintos por Bolsonaro no começo do ano com o objetivo, segundo o presidente, de “reduzir o poder de entidades aparelhadas politicamente”. A área técnica do Ministério do Meio Ambiente chegou a sugerir o restabelecimento do comitê, mas foi ignorada.

Assim, o governo parece ter optado pelo improviso, sem uma resposta organizada. A última providência a denotar esse despreparo foi a convocação do Exército para atuar no recolhimento do óleo.

Como tem acontecido com lamentável frequência, o Exército tem sido chamado para atuar em situações para as quais seus integrantes não foram treinados, seja para combater incêndios na Amazônia, seja para garantir a segurança pública em capitais com altos índices de criminalidade. Agora, por força mais uma vez da incapacidade dos governos de enfrentar de maneira eficiente os problemas que só a eles cabe resolver, o Exército é acionado para atuar numa área que lhe é estranha. A justificativa dada pelo presidente em exercício, Hamilton Mourão, foi explícita: o governo precisava mostrar serviço. “A gente faz o trabalho e não está tendo visibilidade. Então vamos botar mais visibilidade nisso aí”, disse Mourão. Enquanto o governo faz campanha para tentar melhorar sua imagem nesse caso, as autoridades dos municípios atingidos pela mancha de óleo queixam-se de que a administração federal está tomando decisões sem ouvi-las, de forma desordenada.

Em resumo, a mancha de óleo se espalhou como consequência não apenas da enormidade do vazamento, mas também da dificuldade do atual governo de tratar deste ou de qualquer outro tema de forma realista, preferindo quase sempre atribuir os problemas a criativas conspirações. Para o presidente Bolsonaro, por exemplo, é natural questionar se o vazamento “poderia ser uma ação criminosa para prejudicar o leilão” de áreas do pré-sal, previsto para novembro. Enquanto se tenta entender o que uma coisa tem a ver com a outra, o óleo se espalha.

O Estado de S. Paulo

O drama de muitos jovens

Só na capital paulista há cerca de 30 mil cadastros de entregadores de bicicleta em empresas de entrega

É cada vez mais frequente deparar-se em São Paulo com ciclistas levando uma caixa térmica de 45 litros nas costas. São pessoas realizando o serviço de entrega para algum aplicativo, como Rappi, iFood e UberEats. Os números referentes a essa atividade impressionam. Só na capital paulista há cerca de 30 mil cadastros de entregadores de bicicleta nessas empresas de entrega.

Essa nova cena urbana revela não apenas demanda por comida em casa. Ou que a tecnologia proporciona facilidades no dia a dia do paulistano. Ela é também um sinal, entre outros, de um mercado de trabalho frágil, especialmente no que se refere aos jovens. Entre os entregadores de bicicleta, 75% têm entre 18 e 27 anos. “Uma crise tão prolongada deixa cicatrizes, e o desemprego entre os jovens talvez seja a maior delas”, disse Eduardo Zylberstajn, do departamento de pesquisa e inovação da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe).

Os dados do desemprego entre os jovens são preocupantes. Na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua relativa ao segundo trimestre, a faixa etária de 18 a 27 anos é a que mais sofre com a falta de trabalho. O desemprego atinge 5,15 milhões de brasileiros dessa idade, o que representa uma taxa de desemprego de 22,5%. Esse número está 10,5 pontos porcentuais acima da taxa de desemprego verificada entre a população de todas as idades. Há cinco anos tal diferença era de 6 pontos porcentuais.

Segundo a Pnad, 17,7 milhões de pessoas entre 18 e 27 anos estão ocupadas, das quais 7,3 milhões vivem de bicos ou sem carteira assinada. Entre os trabalhadores informais, estão os entregadores de bicicleta. A Associação Brasileira do Setor de Bicicletas realizou, em parceria com o Instituto Multiplicidade e o Laboratório de Mobilidade Urbana da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), um estudo sobre o perfil desse trabalho. Com uma dedicação média de 12 horas por dia, os entregadores obtêm uma renda média líquida de R$ 936 por mês.

Mais da metade dos ciclistas de aplicativo (60%) trabalha todos os dias da semana, sem folgas. “A gente não descansa”, disse Samuel Marques, que mora no Capão Redondo e trabalha com entregas de bicicleta na Vila Olímpia. “Não me lembro da minha última folga desde que comecei a trabalhar com isso, um ano atrás. Todas as vezes que sento para assistir à televisão em casa, penso que poderia estar pedalando e fazendo algum dinheiro”, disse ao Estado.

Além de refletir as agruras do mercado de trabalho, essa dedicação estafante a um trabalho informal é também sintoma de uma formação profissional deficitária. Por falta de educação formal minimamente satisfatória, parte considerável da população jovem não tem condições de realizar trabalhos mais qualificados, que possam proporcionar maior renda e melhor futuro. Talvez aí esteja o maior drama: a falta de perspectiva profissional para tantos jovens.

Diante de um país que dedica volumosos recursos à educação, é frustrante ver as novas gerações tendo que subsistir à base de pedaladas. É a troca de força física por algum dinheiro. Em vez de avançar, a impressão é de um profundo retrocesso social, com jovens vivendo de forma precária e vulnerável. Apesar de toda a tecnologia envolvida na sua atividade, não estão no século 21. Suas condições de vida estão com dois a três séculos de atraso.

Seria enganoso responsabilizar os aplicativos pela precariedade da situação de tantos jovens. “Sempre haverá um tipo de trabalho para quem está nas franjas da economia. Esse seria o caso do emprego para os trabalhadores ciclistas”, disse Clemente Ganz Lúcio, diretor técnico do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Há um problema social gravíssimo quando o País não consegue formar adequadamente as novas gerações, impondo-lhes um início de vida adulta nos limites da sobrevivência. É urgente adotar medidas para aquecer o mercado de trabalho. É urgentíssimo dar um novo horizonte educacional e profissional a todos os jovens.

O Estado de S. Paulo

A sociedade e o Supremo

Decisões judiciais não estão livres do escrutínio público, mas têm de ser respeitadas para nos livrar da barbárie

O julgamento do mensalão, em 2012, trouxe o Supremo Tribunal Federal (STF) para o cotidiano dos brasileiros. A partir de então, a notoriedade da Corte Suprema e dos 11 ministros que a compõem atingiu um patamar sem precedentes em sua história centenária. Acalorados debates acerca das decisões do STF, antes circunscritos ao meio jurídico, hoje são comuns nas ruas, escolas, universidades, empresas e, em especial, nas redes sociais. Não surpreenderá mais ninguém caso um cidadão seja capaz de citar os nomes dos 11 ministros do STF com a mesma desenvoltura com que cita os nomes dos jogadores do seu time de futebol.

Nada de mal há nessa aproximação da sociedade com o órgão que é a expressão máxima da Justiça no Brasil. Muito ao contrário, é uma proximidade institucionalmente saudável. Afinal, os mais graves temas nacionais, quase sempre, acabam no Plenário ou em uma das duas Turmas do STF. Decisões da Corte Suprema, colegiadas ou monocráticas, ditam a direção do País naquilo que tocam.

É compreensível, portanto, que a pressão da sociedade sobre os 11 ministros do Supremo tenha aumentado significativamente nos últimos anos, seja fruto da publicidade das sessões da Corte, proporcionada pela TV Justiça, seja motivada pelo pendor midiático de alguns de seus ministros. Fato é que, sempre que o STF se debruça sobre casos ou temas que aguçam o interesse público – quando não as paixões –, é natural que, dentro das regras democráticas e dos limites da civilidade, os cidadãos, individualmente ou em grupos organizados, manifestem-se ordeiramente, com a liberdade que a Lei Maior assegura a todos.

O que não seria natural é o STF se deixar levar por pressões outras que não o peso da Constituição e das leis. Sobretudo quando essa pressão é exercida por meio de ameaças, veladas ou explícitas, à Corte, aos ministros ou ao País.

Agora, o STF está às voltas com o julgamento de três ações que tratam da execução da pena após a condenação em segunda instância. O tema é um dos que despertam paixões, inclusive em virtude da notoriedade de alguns réus alcançados pela decisão, entre eles o ex-presidente Lula da Silva.

Um grupo de caminhoneiros partidários do presidente Jair Bolsonaro exacerbou essas “paixões” e divulgou uma série de vídeos ameaçando o País com novas paralisações caso o STF reveja sua jurisprudência sobre o tema e, assim, permita a soltura de Lula da Silva. Fará muito bem o presidente Bolsonaro se usar a influência que tem sobre o grupo, que tão útil lhe foi na eleição, para arrefecer os ânimos.

“Se vocês soltarem tudo que é ladrão (sic), principalmente o maior de todos eles, o Lula, vocês vão ver a maior paralisação que este país já teve. Fica esperto, Toffoli”, disse um caminhoneiro identificado como “Marcão”, dirigindo-se ao presidente do STF, ministro Dias Toffoli. “Já viram caminhão subindo rampa? Isso não é um recado, não. É uma promessa”, ameaçou outro caminhoneiro.

Evidente que boa parte dessas mensagens não passa de bravatas. Por prudência, órgãos de segurança e inteligência dos Poderes Executivo e Judiciário já atuam para separar ameaças sérias de meros arroubos. De qualquer forma, o País conhece bem a truculência de alguns grupos de caminhoneiros. Impressiona o desembaraço com que ameaçam o País quando lhes convém.

Espera-se que os ministros do STF mantenham a jurisprudência da Corte no sentido de autorizar o início da execução da pena após condenação em segunda instância, mas pelas razões constitucionais que a consubstanciam, e não pela imposição truculenta da vontade de grupos que se julgam capazes de fazer reféns a Nação e os Poderes constituídos.

O Direito é o pacto por meio do qual os cidadãos vivem em harmonia, não necessariamente em concordância. Por meio do Direito, abolimos a força bruta como método de resolução de conflitos. As decisões judiciais não estão livres do escrutínio público, mas têm de ser respeitadas por todos para que esse pacto que nos livrou da barbárie se mantenha válido.

Folha de S. Paulo

Contas melhores

Receita atípica e juro baixo favorecem Tesouro, mas não permitem elevar gasto

Perto do final de um ano em que severas restrições orçamentárias se misturaram a conflitos políticos, o governo Jair Bolsonaro (PSL) pode apresentar progressos no ajuste das contas do Tesouro Nacional.

Nem de longe se eliminou o desequilíbrio entre as despesas da máquina pública e as receitas, como havia prometido, sem nenhum conhecimento de causa, o ministro Paulo Guedes, da Economia. Mas o déficit tende, de fato, a ficar substancialmente abaixo do previsto.

Em vez dos R$ 139 bilhões fixados como meta para a administração federal, trabalha-se agora com valores abaixo dos R$ 100 bilhões. De cerca de R$ 33 bilhões em gastos bloqueados por falta de arrecadação, quase a metade já foi liberada.

De imediato, a relativa melhora reduz pressões sobre o Executivo. Há mais recursos para as demandas de parlamentares; graças a remanejamentos, o MEC recompôs as verbas das universidades federais —cujo contingenciamento, acompanhado de declarações hostis, motivou protestos de rua contra a gestão Bolsonaro.

Entretanto os resultados menos ruins não asseguram alguma folga no caixa nos próximos anos. Eles se devem, basicamente, à expectativa de receitas extraordinárias com leilões de petróleo. Não será possível, portanto, contar com novos ganhos dessa natureza.

Há, de todo modo, uma perspectiva mais favorável para a evolução da dívida pública —quanto menor o déficit orçamentário, menor o crescimento da dívida, que se aproxima do equivalente a 80% do Produto Interno Bruto.

Mais importante, a queda dos juros vem reduzindo as despesas financeiras do governo, que andaram na casa de 7% do PIB e hoje estão pouco acima dos 4%.

Ainda assim, estabilizar o endividamento levará tempo. Nos cálculos da Instituição Fiscal Independente, vinculada ao Senado, isso não acontecerá muito antes de meados da próxima década.

Até lá, os gastos devem permanecer sob rígido controle, até que o crescimento da economia e da arrecadação tributária equilibrem gradualmente as contas.

A melhor maneira de mitigar os sacrifícios no período será conter despesas obrigatórias, em especial com aposentadorias e salários elevados, de modo a abrir espaço para educação básica, saúde, assistência e outras prioridades.

Folha de S. Paulo

Vexame boliviano

Condução do pleito em que Evo Morales busca 4º mandato mancha instituições

As manobras do presidente da Bolívia, Evo Morales, para disputar um quarto mandato já haviam maculado a eleição geral do país antes mesmo de sua realização, no último domingo (20). O anúncio da vitória do mandatário, em meio a uma apuração conturbada, terminou por desmoralizá-la.

Eleito pela primeira vez em 2005, Morales combinou nos últimos 14 anos uma liderança pragmática, que rendeu bons resultados na economia, com um apego ao cargo típico do caudilhismo.

Exemplo eloquente desse traço deplorável foi a maneira como logrou concorrer ao pleito do fim de semana —desrespeitando tanto a Constituição aprovada em 2009 como o resultado de consulta popular realizada há três anos.

Depois de promover uma interpretação particular da Carta, que permite uma única reeleição, para disputar a Presidência pela terceira vez, Morales articulou um referendo com vistas a modificar esse artigo constitucional.

Perdeu por 51,3% a 48,7%, mas não se deu por vencido. Valeu-se então de um expediente casuístico, recorrendo ao artigo da Declaração Universal dos Direitos Humanos que assevera que todo cidadão tem o direito de concorrer a cargos públicos. O tribunal constitucional boliviano, subserviente, acatou a tese estrambólica.

O vexame da participação de Morales no pleito agravou-se com a maneira obscura com que se deu a divulgação de resultados.

Inicialmente, o órgão eleitoral utilizou um modo de contagem rápida, por meio de atas, mas suspendeu a transmissão dos dados na noite de domingo, após ter apurado 83% dos votos. Naquele momento, Morales vencia seu adversário, o ex-presidente Carlos Mesa, por 45,3% a 38,1%, diferença que levaria ao segundo turno.

Na manhã do dia seguinte, porém, o governo anunciou que esse método de contagem seria interrompido e valeria apenas o cômputo voto a voto. Horas mais tarde, porém, apuração rápida foi retomada e divulgou-se que o presidente vencera no primeiro turno.

Seguiram-se uma noite de protestos e uma crise de desfecho imprevisível. De garantido, apenas novas perdas para a credibilidade das instituições democráticas bolivianas.

Leia também

Derrota de Maduro pode repetir a de Pinochet

NAS ENTRELINHASMaduro recorre a todos os expedientes para conter...

Alex Manente oficializa candidatura a prefeito de São Bernardo dia 3 de agosto

O deputado federal Alex Manente, pré-candidato a prefeito de...

Um pouco da memória de Dilma não faria mal a Lula

NAS ENTRELINHAS A oposição está voltando à pauta de junho...

“Rocada” democrata é aposta multiétnica contra Trump

NAS ENTRELINHASKamala protagonizará um choque dramático entre dois Estados...

Dr. Samuel é confirmado candidato à Prefeitura de Socorro, em Sergipe

O deputado estadual Dr. Samuel foi confirmado neste fim...

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!