Governo ‘não deu a menor atenção’ à reforma Previdência, diz Alessandro Vieira

André Siqueira –  Revista Veja

Ao rejeitar regras mais duras para o abono salarial, o plenário do Senado impôs uma derrota à equipe econômica liderada pelo ministro Paulo Guedes e enviou um “recado político” às lideranças do governo Bolsonaro, que terão trabalho nos bastidores para evitar um revés na votação do segundo turno da reforma da Previdência.

Na terça-feira 1º, depois da aprovação do texto-base da proposta que altera as regras de aposentadoria, os senadores passaram a analisar os destaques, entre eles o que discutia mudanças nos critérios para concessão do abono salarial, uma espécie de 14º salário pago a trabalhadores de baixa renda com carteira assinada.

O Senado manteve o critério atual, segundo o qual tem direito ao benefício quem recebe até dois salários mínimos, cerca de 2 mil reais – o governo propunha uma redução para aproximadamente 1,3 mil reais. Com a decisão, a estimativa de economia foi reduzida em 76,4 bilhões em dez anos.

Ao final da votação, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), criticou a articulação do governo e disse que as lideranças precisam “se organizar”. Diagnóstico semelhante faz o senador Alessandro Vieira, do Cidadania, partido que propôs o destaque que excluiu do texto as mudanças sobre o abono salarial.

Para Vieira, a reforma está “totalmente abandonada” e o governo “não deu a menor atenção” ao assunto.

“Só há o Rogério Marinho [Secretário de Previdência e Trabalho] correndo de um lado para o outro tentando esclarecer dúvidas, trazer informações e assumir compromissos sobre eventuais mudanças no texto. Isso, obviamente, foi criando uma dificuldade para a tramitação da proposta”, disse a Veja o senador.

Fonte: https://veja.abril.com.br/politica/governo-nao-deu-a-menor-atencao-a-previdencia-diz-alessandro-vieira/

Leia também

IMPRENSA HOJE

Veja as manchetes dos principais jornais hoje (24/06/2024)

Equilíbrio fiscal: um desafio global

A IFI - Instituição Fiscal Independente brasileira participou do...

Universidade não é fábrica

A greve pode ser legítima, mas não é compatível...

O supremacismo branco disfarçado na política

Uma das causas é a dificuldade dos candidatos negros de acessarem recursos para suas campanhas eleitorais e, consequentemente, se elegerem.

Toffoli embanana julgamento do porte de maconha

Presidente do Supremo, Barroso fez questão de esclarecer que o STF considera, “tal como a legislação em vigor”, que o porte e consumo pessoal de drogas são atos ilícitos.

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!