Bruno Boghossian: No Peru, desgraça política vira desculpa para fragilizar democracia

Crise turbinada por corrupção facilita ataque a instituições e medidas autoritárias

Ao ordenar o fechamento do Congresso peruano, o presidente Martín Vizcarra disse que aquela era “uma solução democrática” para os problemas do país. São remotas as chances de que ele tenha confundido o adjetivo. A frase revela, na verdade, como o enfraquecimento das instituições fertiliza o terreno para medidas autoritárias.

A bagunça na qual se meteu o Peru nos últimos dias é a soma de um megaescândalo de corrupção, uma política dramaticamente fraturada, um Congresso que tenta salvar a própria pele e um presidente disposto a aproveitar crises para concentrar poder. Semelhanças com outros casos da região não são coincidências.

Vizcarra assumiu o poder em 2018, quando Pedro Pablo Kuczynski renunciou sob acusação de envolvimento com esquemas da Odebrecht. A revelação da bandalheira jogou no lixo os resquícios de credibilidade da classe política daquele país.

Disposto a surfar na fúria do povo, o presidente passou a trabalhar para reformar o sistema político e, de quebra, diluir o poder de um Congresso dominado pela oposição.

Os parlamentares reagiram: atuaram para retaliar Vizcarra e proteger a si próprios. Enquanto os congressistas barravam planos de reduzir seu direito à imunidade, o presidente usava a população como escudo e sugeria antecipar eleições para se livrar de rivais no Legislativo.

Nos últimos dias, os dois lados começaram a disputar também o aparelhamento da corte suprema. O último golpe aconteceu na segunda (30). Vizcarra dissolveu o Congresso, e os parlamentares responderam com a suspensão de seu mandato.“Em sua ansiedade por confronto, o presidente confunde seus adversários políticos com as instituições que eles representam”, disse Carlos Meléndez, especialista em política peruana, ao New York Times.

Turbinada por um escândalo de corrupção, a crise é um exemplo acabado de como a desgraça política pode ser explorada por aproveitadores e abrir caminho para fragilizar a própria democracia. (Folha de S. Paulo – 02/10/2019)

Bruno Boghossian, jornalista, foi repórter da Sucursal de Brasília. É mestre em ciência política pela Universidade Columbia (EUA).

Leia também

O trauma do aborto é um segredo das famílias brasileiras

Foi imediata a reação contrária da opinião pública, pelas redes sociais e nas ruas, à tentativa de criminalizar o aborto de crianças vítimas de estupro com penas de até 20 anos.

IMPRENSA HOJE

Veja as manchetes dos principais jornais hoje (17/06/2024)

Cidadania define critérios de distribuição do fundo eleitoral

A Executiva Nacional do Cidadania definiu neste sábado os...

Nota de repúdio – Não ao PL que criminaliza as vítimas de estupro

A Secretaria Nacional de Mulheres do Cidadania - M23...

M23 de Minas gerais realiza encontro neste sábado

O M23 Cidadania de Minas Gerais realiza neste sábado...

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!