Para Fernando Lyra, Bolsonaro perdeu a chance de se fazer respeitar com discurso na ONU que envergonhou o País

“Lyra diz ainda que o ministro Ernesto Araújo se vale de dados distorcidos, de números escolhidos a dedo e errados sobre a situação ambiental no Brasil (Foto: Jorge William)

“Bolsonaro teve – e perdeu – a chance de se fazer respeitar com o discurso de abertura da Assembleia Geral das Nações Unidas. Repleta de fatos distorcidos e visões de mundo extremistas, a fala do presidente brasileiro envergonhou o País perante o mundo”.

A crítica é do articulista político Fernando Lyra, em artigo de sua autoria publicado na revista Política Democrática online (veja aqui), produzida e editada pela FAP (Fundação Astrojildo Pereira), vinculada ao Cidadania 23.

De acordo com Lyra, o mesmo presidente da República que abriu a AGNU (Assembleia Geral das Nações Unidas) não se dispôs a perfilar-se, no dia anterior, junto a outros chefes de Estado, para expressar as visões e ambições do Brasil em relação ao tema que, globalmente, é o que mais tem mobilizado cidadãos, empresas e governos em todo o mundo: a mudança do clima.

“Melhor assim: não haveria muito o que falar. Há poucos dias, seu chanceler, Ernesto Araújo, que antes de tomar posse já havia descrito a mudança do clima como um dogma, explicitou em discurso num centro de estudos conservador norte-americano o que o novo governo pensa: não acredita no aquecimento global como resultado da ação humana; as queimadas e alertas de desmatamento no Brasil são superdimensionados e a mudança do clima é um pretexto para a ditadura e a perda da soberania nacional”, diz o articulista no artigo.

A fórmula, de acordo com Lyra, tem sido a mesma em todos os encontros.

“O ministro se vale de dados distorcidos, alguns números escolhidos a dedo e outros simplesmente errados. Se a ideia era esclarecer a verdade sobre a atual política ambiental brasileira, pode-se considerar a missão do ministro um sucesso: ninguém acredita nele”, afirma.

De acordo com o autor, até mesmo os insuspeitos órgãos conservadores de imprensa que o entrevistaram, escolhidos a dedo, apresentaram reportagens demolidoras em que contrastavam as falas do ministro com a realidade que hoje o mundo inteiro conhece. Ele lembra que a reportagem da agência Associated Press, após entrevista com o ministro, ironizou, apontando que, em julho, Bolsonaro descartou preocupações globais sobre incêndios na maior floresta tropical do mundo, dizendo que a Amazônia é do Brasil, não sua.

“Agora, o governo do presidente de extrema direita tem nova mensagem: está tudo bem e a floresta tropical está aberta para investimentos privados”, escreveu.

A ironia não é gratuita, segundo o autor do artigo. Ele acentua que, durante a mesma viagem, o ministro do Meio Ambiente relatou à imprensa, após encontro no BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), a futura criação de um novo fundo, a ser operado pelo banco, sem oferecer qualquer tipo de detalhes sobre países ou entidades doadoras, recebedoras, valores ou prazo para entrar em funcionamento. (Assessoria FAP)

Postagens Recomendadas

Nenhum comentário ainda, mostre que você tem voz!


Adicione um comentário