Regras eleitorais: Eliziane Gama e Alessandro Vieira dizem que projeto continha retrocessos e distorções

O Senado recuou de afrouxar as regras eleitorais para as eleições de 2020 e aprovou, em votação simbólica, nesta terça-feira (17), apenas a parte do projeto (PL 5.029/2019) que garante o financiamento do fundo eleitoral. Assim, os senadores confirmaram o acordo de líderes e a decisão da CCJ (Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania) de rejeitar todas as mudanças polêmicas do projeto e manter apenas a garantia de que o fundo não será aumentado e terá para as eleições de 2020 o mesmo montante das eleições de 2018, ou seja, R$ 1,7 bilhão. A proposta volta agora para nova votação na Câmara dos Deputados.

A líder do Cidadania na Casa, senadora Eliziane Gama (MA) disse que o texto da Câmara continha retrocessos em diversos avanços conquistados pelo País nos últimos anos nas regras eleitorais e de campanhas. O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) comemorou o resultado por entender que o projeto original reduzia a transparência e a fiscalização dos partidos.

“Se tivéssemos levado a cabo a iniciativa anterior em aprovar o projeto da forma como se pensava aqui no Plenário, íamos retroceder numa luta que, aliás, não começou de hoje nem começou nesse processo eleitoral”, disse Eliziane, para quem o “financiamento público é importante para o equilíbrio e para uma melhor isonomia entre aqueles que querem concorrer a um cargo eleitoral”.

“Evoluímos com o financiamento público, é importante o fundo eleitoral. Não podemos ser hipócritas nesse sentido. O Cidadania tem responsabilidade pública, com o gasto público e com o anseio da população brasileira”, completou a senadora maranhense.

Alessandro Vieira fez questão de relatar em plenário o processo que resultou na modificação do projeto para evitar distorções.

“Na quarta-feira passada, estávamos, neste mesmo plenário, fazendo obstrução, porque nós tínhamos apto para votação um projeto muito ruim, um projeto eivado de vícios, um projeto que atacava a democracia, que reduzia muito a transparência e a fiscalização dos partidos”, afirmou.

O senador destacou que a bancada do Cidadania encaminhou o voto sim a “proposta que foi relatada, com muita humildade, com muita correção, pelo colega Weverton Rocha [PDT-MA], abrindo mão das suas convicções em prol de um acordo que valoriza e engrandece o nome do Senado da República”.

Substitutivo

O texto aprovado que mantém as atuais regras eleitoriais foi o substitutivo apresentado pelo senador Weverton (PDT-MA) após acordo com as lideranças partidárias em reunião com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP). O substitutivo retirou praticamente todo o texto aprovado pela Câmara dos Deputados e manteve apenas um dispositivo que altera a Lei das Eleições (Lei 9.504, de 1997), garantindo o fundo eleitoral para o ano que vem.

O valor de R$ 1,7 bilhão, igual ao disponibilizado para as eleições de 2018, ainda terá de ser incluído na LOA (Lei Orçamentária Anual) para 2020. O presidente da CMO (Comissão Mista de Orçamento), senador Marcelo Castro (MDB-PI), disse que fará de tudo para que o acordo seja respeitado, mas cobrou empenho também dos líderes partidários para convencimento de deputados e senadores.

Pontos rejeitados

O texto original do projeto previa exceções ao limite de gastos de campanhas; estabelecia novos itens nos quais podem ser usados recursos do Fundo Partidário; definia critérios para análise de inelegibilidade; e autorizava o retorno da propaganda partidária semestral. Também alterava regras relacionadas à gestão de partidos políticos.

Ampliava, ainda, as possibilidades de uso dos recursos do Fundo Partidário por parte das legendas, com a permissão para contratação de serviços de consultoria contábil e advocatícia, inclusive em qualquer processo judicial e administrativo de interesse ou litígio que envolva candidatos do partido, eleitos ou não, relacionados ao processo eleitoral, ao exercício de mandato eletivo ou que possa acarretar reconhecimento de inelegibilidade.

A proposta permitia o pagamento de passagens aéreas com recursos do Fundo Partidário para uso por parte de pessoas não filiadas ao partido, segundo critérios próprios do partido, desde que para congressos, reuniões, convenções e palestras. Alterava, ainda, regras relativas à prestação de contas partidária. Tratava também de regras para inelegibilidades.

Contras

Mesmo com o acordo, diversos senadores posicionaram-se contra o projeto e o substitutivo por entenderem que a Câmara dos Deputados poderá restaurar o texto original, não respeitando a decisão do Senado. Entre eles, os senadores Antonio Anastasia (PSDB-MG), Reguffe (Podemos-DF), Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Fabiano Contarato (Rede-ES), Plínio Valério (PSDB-AM), Rodrigo Cunha (PSDB-AL), Styvenson Valentim (Podemos-RN), Lasier Martins (Podemos-RS), Major Olimpio (PSL-SP), Juíza Selma (PSL-MT), Soraya Thronicke (PSL-MS), Leila Barros (PSB-DF), Luis Carlos Heinze (PP-RS), Jorginho Mello (PL-SC), Oriovisto Guimarães (Podemos-PR) e outros.(Com informações da Agência Senado)

Leia também

IMPRENSA HOJE

Veja as manchetes dos principais jornais hoje (24/06/2024)

Equilíbrio fiscal: um desafio global

A IFI - Instituição Fiscal Independente brasileira participou do...

Universidade não é fábrica

A greve pode ser legítima, mas não é compatível...

O supremacismo branco disfarçado na política

Uma das causas é a dificuldade dos candidatos negros de acessarem recursos para suas campanhas eleitorais e, consequentemente, se elegerem.

Toffoli embanana julgamento do porte de maconha

Presidente do Supremo, Barroso fez questão de esclarecer que o STF considera, “tal como a legislação em vigor”, que o porte e consumo pessoal de drogas são atos ilícitos.

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!