Luiz Sérgio Henriques: A luta hegemônica, hoje

Vivemos em primeira pessoa um dos paradoxos mais agudos da democracia, que é o de permitir que antidemocratas às vezes triunfem

Um diagnóstico expressivo sobre situações de crise estrutural, dessas que nos dão a impressão de se arrastarem indefinidamente e trazem só a certeza de que, depois de se estabilizarem, nada será como antes, chama a atenção para o perigoso interregno entre o velho, que já está morto, e o novo, que ainda não nasceu ou mal se deixa entrever. Esse interregno – diz o diagnóstico formulado nos anos 1930 por intelectual da esquerda marxista – estará povoado de fatos e ações incompreensíveis, movimentos fora dos padrões “normais” e até fenômenos patológicos, dotados, por isso mesmo, de carga explosiva.

Naqueles anos, áreas reducionistas da esquerda supunham que fantasmas e assombrações surgiam só de um lado. Vivia-se, segundo o esquema mais simples, a era da transição entre modos de produção radicalmente antagônicos e a reação contra esse horizonte revolucionário é que entorpeceria a razão e geraria monstros como o fascismo e o nazismo. Correntes mais atentas às lições da História passaram progressivamente a entender que o século das massas, agrupadas em partidos e sindicatos, não seria necessariamente um tempo de revoluções catastróficas, podendo constituir, ao contrário, rara oportunidade de ampliação e mudança do mundo liberal, com o enriquecimento da pauta original dos direitos civis com novos direitos sociais e econômicos.

Ao contrário do que pensavam os autoritários dos anos 1930, aquilo que por convenção chamamos Ocidente político, com sua sociedade civil rica e diversificada, iria afirmar-se nas décadas “gloriosas” do pós-guerra como um modelo que contém em si elementos de universalidade. Nesse Ocidente não haveria, por exemplo, lugar para o choque frontal de adversários irredutíveis, uma vez que todos – indivíduos e grupos sociais – têm sempre algo valioso a perder. Por exemplo, a ideia de produtividade do conflito. Longe de dilacerar o tecido social e arruinar os países, esse conflito, balizado por regras institucionais, seria antes sinal de vitalidade, renovação e progresso. O caos aparente das democracias, sua vida muitas vezes conturbada constituíam a razão básica da atração praticamente universal que irradiavam – atração que nós, brasileiros, pudemos muito bem sentir nos longos períodos de autoritarismo.

A política como hegemonia, não como força bruta, foi o que então propuseram mais ou menos explicitamente as correntes de esquerda identificadas com o Ocidente político. E, note-se bem, hegemonia não de classe ou de partido, o que só disfarçaria antigas taras autoritárias nelas também presentes, mas, sim, de algumas ideias-base suscetíveis de serem aceitas e apropriadas por todos. A dignidade de cada ser humano. A reconversão ecológica da economia, em face da crise do clima que a ciência afirma e se desenvolve sob nossos olhos.

A emancipação da mulher e o surgimento de novas subjetividades, contra toda forma de discriminação. E se de esquerda falamos, não caberia esperar que renunciasse à tradição igualitária, o que seria de todo modo uma perda, mas que associasse a essa tradição a afirmação convicta da liberdade – e liberdade até, e sobretudo, para os que pensam diferente.

Nesse plano “superestrutural”, que deixa de lado deliberadamente a redefinição em curso da economia pela globalização, o específico da crise contemporânea parece consistir em que demasiados atores, em diferentes latitudes, abandonaram a política como luta hegemônica que supõe todos os valores do liberalismo clássico, a começar pelo pluralismo. Sob o rótulo discutível, mas eficaz, de populismo, surgiram à esquerda e à direita vozes do atraso que ora fazem referência direta à força (à “borduna”), ora apregoam um simulacro de luta hegemônica, apelando para (des)valores arcaicos de um passado ideal e, a rigor, falsificado.

O campo fica assim aberto para os fenômenos patológicos do nosso tempo, de cuja condenação ninguém se pode eximir. Ao lado de nós, a Venezuela de Chávez e Maduro protagoniza uma das maiores tragédias da América Latina, rivalizando com o general Pinochet ou, a bem da verdade, superando-o em crueldade e capacidade de destruição, como atestado por Michelle Bachelet, alta comissária da ONU para os Direitos Humanos. A Europa do compromisso social-democrata, que tenta há décadas uma inédita arquitetura supranacional que relegue aos manuais escolares sangrentas rivalidades seculares, vê-se assediada por demagogos que se agarram a uma noção medievalizante de pátria, inimiga de refugiados e imigrantes.

Como a linguagem dos nacionalismos é feita de ficções e simulacros mais ou menos globais, um pouco por toda parte – na Rússia de Putin ou nos Estados Unidos de Trump – vê-se a instrumentalização grosseira das religiões, mobilizando-as de modo espúrio para legitimar modos de crença e comportamento que ignoram a ciência, o iluminismo e a ética dos modernos. É como se sociedades internamente estilhaçadas por desigualdades crescentes pudessem ser reunidas num céu de religiosidade duvidosa, manipulada por figuras como um ex-agente secreto de regime totalitário ou um milionário cercado de acusações de estupro, cujas biografias nem de longe sugerem o odor de santidade que lhes atribuem seguidores fanáticos.

Não é preciso muito esforço de imaginação para notar que, hoje, o Brasil oficial está enganchado nesse trem de ideologias fantasmas. Segundo o ministro Celso de Mello, aliás, trevas dominam o poder de Estado ou ameaçam dominá-lo. Vivemos em primeira pessoa um dos paradoxos mais agudos da democracia, que é o de permitir que antidemocratas às vezes triunfem. Mas os democratas, sem abdicar dos próprios meios legais e pacíficos, saberão travar a luta hegemônica, que agora é, em essência, luta por difusão e enraizamento de valores civilizatórios comuns. Por isso, o triunfo dos outros será sempre provisório. (O Estado de S. Paulo – 15/09/2019)

Luiz Sérgio Henriques, tradutor e ensaísta, é autor de ‘Reformismo de esquerda e democracia política’ (Fundação Astrojildo Pereira, 2018)

Leia também

Lira teme efeito Orloff ao deixar comando da Câmara

NAS ENTRELINHASO presidente da Câmara se tornou uma espécie...

IMPRENSA HOJE

Veja as manchetes dos principais jornais hoje (19/04/2024) MANCHETES DA...

Cidadania de Goiás se prepara para as eleições de 2024

Em um encontro na quarta-feira (17), o Cidadania de...

Manaus: Nova pesquisa confirma Amom na liderança com 29,3%

David Almeida tem 27,5%, Alberto Neto 9,1%, Roberto Cidade...

Comissão aprova projeto de Manente que amplia isenções para faculdades

A isenção valerá desde que a instituição cumpra as...

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!