Eliziane Gama diz ser preciso reverter retrocesso na política ambiental

A líder do Cidadania no Senado, Eliziane Gama (MA), disse nesta quarta-feira (11) que vai atuar na CMMC (Comissão Mista de Mudanças Climáticas) do Congresso Nacional para reverter o retrocesso da política ambiental no País.

“Vários avanços que tivemos nos últimos 10 anos estão retrocedendo. Só neste ano, em apenas oito meses, tivemos um aumento de 83% nas queimadas. Como se vê, o Brasil está caminhando na contramão do anseio internacional, que é a proteção do meio ambiente com equilíbrio social e sustentabilidade”, disse, ao participar da reunião da CMMC que apreciou o plano de trabalho do colegiado.

O foco principal da comissão, que deveria ter sido instalada no começo do ano, será as queimadas na Amazônia e seus impactos no Brasil e no mundo. A senadora lamentou o atraso na instalação e início dos trabalhos da CMMC, mas disse que agora o momento é de união.

“Muito embora o País estivesse enfrentando diversos focos de queimadas na Amazônia e retrocessos na política ambiental brasileira, assim como na condução dos principais órgão do setor por pessoas sem compromisso, a comissão é instalada no momento em que é necessário o encaminhamento de ações para que o governo junto com sociedade possam se unir para dar uma alternativa e esta questão”, defendeu.

Ela disse ainda que vai propor à comissão que sejam realizadas visitas aos locais das queimadas, e debate com especialistas para a busca de alternativas e mecanismos visando a proteção ambiental no País.

“A comissão terá grande protagonismo no Congresso”, afirmou.

Leia também

Pautas contraditórias

A pauta dos eleitores perdeu sintonia com a pauta...

Caso Juscelino acende a luz vermelha no Supremo

As “emendas Pix” ou “emendas cheque em branco” foram criadas para dificultar o rastreamento do dinheiro do Orçamento destinado às bases eleitorais dos parlamentares.

IMPRENSA HOJE

Veja as manchetes dos principais jornais hoje (18/06/2024)

O trauma do aborto é um segredo das famílias brasileiras

Foi imediata a reação contrária da opinião pública, pelas redes sociais e nas ruas, à tentativa de criminalizar o aborto de crianças vítimas de estupro com penas de até 20 anos.

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!