Reinaldo Azevedo: Entre Moro e Bolsonaro, escolho a Constituição

Sob o pretexto de caçar corruptos contingentes, escolheu-se a corrupção permanente

O Papol (Partido da Polícia) —que reúne braços do MPF (e associados locais), da PF, da Receita, do Coaf (rebatizado de UIF) e do Judiciário— entrou em colapso. O lance mais estrepitoso da turma é a renúncia coletiva dos procuradores da Lava Jato lotados na Procuradoria-Geral da República.

A pressão não é feita sobre Raquel Dodge, que está saindo. É endereçada a Augusto Aras, que vai assumir a PGR. A operação manda um recado ao próprio Bolsonaro: “Cuidado, pode haver rebelião!”.

Mas pode? A ver. Na coluna da semana passada, escrevi logo nas primeiras linhas: “Duas concepções de Estado policial que viveram um enlace amoroso que se pretendia duradouro estão em choque: a da Lava Jato e a do presidente Jair Bolsonaro”.

O dito “Mito” percebeu logo nos primeiros dias de governo que ou deglutia Sergio Moro ou seria deglutido por ele. Na primeira leva de diálogos divulgados pelo site The Intercept Brasil, os colegas de Deltan Dallagnol constataram que Sergio Moro assumiria o Ministério da Justiça com poderes inéditos.

Adicionalmente, havia a declarada intenção do ex-juiz de levar a Lava Jato para dentro do governo, o que ele considerava uma evolução do modo como resolveu levar adiante a suposta luta contra a corrupção. Nota à margem: por que “suposta”? Não se combateram os malfeitos? Também. Mas uma corrupção maior, no sentido agostiniano –de Santo Agostinho–, se consolidou: a da ordem legal.

Sob o pretexto de caçar corruptos contingentes, nefastos e sempre presentes nas sociedades –e têm de ser combatidos–, escolheu-se o caminho da corrupção permanente, que é aquela que toma as instituições e nos empurra para um jogo sem regras.

Braços do Estado brasileiro, aqueles a que me refiro no primeiro parágrafo, aderiram a práticas escancaradamente criminosas sob o pretexto de que não se fazem omeletes sem quebrar ovos –metáfora que não é de autoria de Stálin, pesquisem.

Retomo o fio. Nós, os católicos, temos um compromisso moral –na esfera pessoal– e ético, voltado para a causa pública, com o mal menor. Mas é preciso ficar atento. Pode haver momentos em que inexiste o menor dos males. Aí resta atravessar o deserto, com todas as suas agruras.

Como não quero rivalizar com Carlucho, que deu ultimamente para exercitar o estilo das metáforas apocalípticas, vou ao “é da coisa”. Qual Estado policial eu escolho: o de Sergio Moro ou o de Jair Bolsonaro? Respondo: nenhum!

Atravesso o deserto. Nesse caso, inexiste o mal menor. Resisto às tentações agarrado à “Palavra”. Qual? A de Deus? Prefiro deixá-Lo fora disso. Não! À dos homens mesmo, herança ainda do tempo em que quase todos éramos bípedes. Refiro-me à Constituição.

Bem mais popular do que seu chefe, segundo o Datafolha, Moro agora exercita o charme do mártir acuado e do profeta traído. É mesmo? Ainda que me veja tentado a ficar comovido, obrigo-me a lembrar que este é o senhor que pretende introduzir no Código Penal, por meio de alterações nos Artigos 23 e 25, ampla licença para matar.

Se as coisas se derem como ele anteviu, poderemos nos tornar a única democracia do mundo a usar o medo como pretexto para perdoar execuções sumárias.

E não! Tal enormidade não vem envolvida pela casca de suspeição, e por bons motivos, que recobre tudo aquilo que vem de Bolsonaro, dado seu apreço pela truculência, pela tortura e pela barbárie. Os 54% de “ótimo e bom” de Moro estão a indicar que mesmo os estratos mais informados ainda identificam o ogro do Estado de Direito como um demiurgo apto a resolver as nossas aflições.

Não obstante, foi ele a mover as peças, de maneira meticulosa, para construir um Estado paralelo. Os diálogos revelados pelo The Intercept Brasil fazem dos procuradores —inclusive dos agora demissionários— meros soldados de uma causa de que era ele o general inequívoco.

Moro crestou e salgou a terra da política, o que resultou em Bolsonaro, e ousou imaginar que este seria apenas personagem de passagem do verdadeiro advento, cuja personagem central seria, ora vejam!, ele próprio. Deu tudo errado.

“Moro ou Bolsonaro?”

A Constituição. (Folha de S. Paulo – 06/07/2019)

Reinaldo Azevedo, jornalista, autor de “O País dos Petralhas”

Postagens Recomendadas

Nenhum comentário ainda, mostre que você tem voz!


Adicione um comentário