Carmen Zanotto defende fortalecimento de políticas de proteção ao parto

A deputada federal Carmen Zanotto (Cidadania-SC) defendeu, nesta quarta-feira (21), o fortalecimento das políticas públicas para a proteção do parto. A parlamentar disse que muitas deficiências intelectuais e múltiplas são provocadas pela assistência negligenciada na hora do nascimento da criança.

A fala de Carmen Zanotto ocorreu na aberturar da Semana Nacional da Pessoa com Deficiência Intelectual e Múltipla na Câmara dos Deputados. O evento contou com a participação dos ministros da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, e da Mulher, da Família e Direitos Humanos, Damares Alves.

“Estão equivocados aqueles que acham que o parto pode ser feito com apenas um profissional médico. O parto natural é o normal, mas muitas vezes a mãe precisa de assistência completa, com pediatra, obstetra, anestesista e equipe de enfermagem”, afirmou a presidente da Frente Parlamentar Mista da Saúde.

Segundo a deputada catarinense, é preciso que os gestores públicos tenham um “olhar diferenciado” para a que as mães brasileiras tenham também uma gestação com assistência de qualidade.

“Que a gente tenha este olhar, ministra Damares, junto com o ministro Mandetta [da Saúde]. É necessário que todas as gestantes tenham acolhimento de qualidade nas unidades de saúde”, reforçou.

Carmen Zanotto enalteceu ainda o trabalho das Apaes (Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais) e demais instituições que, em sua avaliação, fazem um trabalho “extraordinário ” na afirmação dos direitos das pessoas com deficiência intelectual e múltipla no País.

Leia também

Pautas contraditórias

A pauta dos eleitores perdeu sintonia com a pauta...

Caso Juscelino acende a luz vermelha no Supremo

As “emendas Pix” ou “emendas cheque em branco” foram criadas para dificultar o rastreamento do dinheiro do Orçamento destinado às bases eleitorais dos parlamentares.

IMPRENSA HOJE

Veja as manchetes dos principais jornais hoje (18/06/2024)

O trauma do aborto é um segredo das famílias brasileiras

Foi imediata a reação contrária da opinião pública, pelas redes sociais e nas ruas, à tentativa de criminalizar o aborto de crianças vítimas de estupro com penas de até 20 anos.

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!