Cidadania lamenta morte do ex-deputado federal Ivan Paixão

O presidente do Cidadania, Roberto Freire, divulgou nota de pesar (veja abaixo) pela morte do ex-deputado federal Ivan Paixão, 67 anos, neste sábado (1º), em Salvador. Ele foi filiado ao PPS, antecessor do Cidadania, e representou Sergipe na Câmara dos Deputados por dois mandatos, entre 1999 e 2007.

Uma grande perda

Morreu, nesta madrugada, aos 67 anos, o médico e ex-deputado federal sergipano Ivan Paixão, que passava por problemas sérios de saúde, estava internado há alguns dias, no Hospital São Raphael, na cidade de Salvador-BA e não resistiu à violência da sua grave enfermidade. Ele foi filiado ao nosso Partido e representou Sergipe no parlamento federal entre os anos de 1999 e 2007.

Como profissional da área da Saúde e como militante político, deixou uma marca em quem lhe conheceu pessoalmente e até mesmo em quem apenas conheceu seu nome e sua trajetória. Seu velório acontece neste sábado, a partir das 14h, no Cemitério Colina da Saudade, mesmo local onde será sepultado, às 17h, na cidade de Aracaju.

Formado em Medicina, pela Universidade Federal de Sergipe (1972-1977), fez pós-graduação em Cirurgia Gastroenterológica, no Colégio Brasileiro de Cirurgiões, no Rio de Janeiro (1990), onde se especializara em Cirurgia do Aparelho Digestivo (1978) em Cirurgia-Geral (1982), em Cirurgia Gastrointestinal e Cirurgia do Fígado, Vias Biliares e Pâncreas (1985), o que também ocorreu, em 1983, no Conselho Federal de Medicina, em Brasília, e em vários outros centros de especialização da Medicina, em todo o País.

Cidadão atento e compromissado, foi vice-presidente (1974), e, em seguida, presidente (1976) da Federação dos Estudantes de Sergipe; foi também presidente da Federação Sergipana de Voleibol (1984-1987), membro do Coletivo Brasileiro de Cirurgiões, com sede no Rio de Janeiro (1986); presidente do Conselho Estadual de Saúde de Sergipe (1995-1998), dentre outras atividades.

Suas atividades profissionais, como médico, se iniciaram no Estágio em Cirurgia-Geral (1977), e Residência Médica em Cirurgia-Geral (1978-1979), no Hospital Nossa Senhora da Conceição, de Porto Alegre-RS; tendo sequência como Médico Desportista na Subsecretaria de Esporte e Lazer de Sergipe e como Cirurgião Plantonista do Pronto-Socorro do Hospital de Cirurgia, de Aracaju (1980-1984); além de, entre outras, Estágio de Higiene, Segurança e Medicina do Trabalho, no SESI de São Paulo (1984), Cirurgião-Geral da Fundação Hospitalar de Sergipe, Cirurgião Plantonista, Médico-Chefe do Hospital Estadual Governador João Alves Filho em Aracaju; Médico do Trabalho, no TENENGE, em Aracaju (1990); Médico Perito da CEF, em Aracaju (1992-1993); Superintendente da LBA, em Aracaju (1993-1994).

Foi Secretário de Saúde de Sergipe (1995-1998), elegeu-se deputado federal, no pleito de 1998, tendo se licenciado do mandato para exercer o cargo de Secretário de Educação e do Desporto e Lazer de Sergipe (1999-2000).

Foi presidente do Diretório Estadual do PPS, nesse período, e membro do Diretório Nacional, vice-líder da bancada do PPS e do Bloco PDT/PPS na Câmara Federal, tendo destacada atuação em reuniões plenárias dela, assim como titular nas Comissões de Desenvolvimento Urbano; Direitos Humanos; Educação, Cultura e Desporto; e em Comissões Especiais como as do Código Civil; da Aposentadoria dos Magistrados; dos Direitos Sociais; da Política Nacional de Saneamento; do Estatuto da Igualdade Racial; e dos Agentes Comunitários da Saúde, e de tantas outras.

Fraternos pêsames à sua querida companheira e aos seus três amados filhos.

Brasília, 1º de junho de 2019

Roberto Freire
Presidente nacional do Cidadania

Leia também

Diplomacia do governo Lula tem dualidade insustentável

Uma política antiamericana no Brasil não tem a menor chance de dar certo, o que não significa apoio incondicional nem alinhamento automático aos EUA.

IMPRENSA HOJE

Veja as manchetes dos principais jornais hoje (21/02/2024)

As dívidas da democracia

Por sorte, dessa vez, o atentado da máfia golpista fracassou devido à incompetência e ao despreparo do líder, um militar da reserva que, por pouco, não foi expulso do Exército por indisciplina na década de 1980.

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!