Cristovam Buarque: O monstro da corrupção

Pouco adiante do discreto e quase escondido posto de combustíveis que deu origem ao nome da Operação Lava-Jato, está o monumental Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha, ostensivamente visível a quem circula na região. Os dois prédios estão ligados pelo título desse marcante livro intitulado muito oportunamente Crime.gov, dos policiais federais Jorge Pontes e Márcio Anselmo. Enquanto o posto representa, simbolicamente, a operação que desvendou a corrupção de bilhões de reais, desviados sob a forma de propina, o estádio é o monumento, a prova física do sistema de corrupção no Brasil.

Muito tem sido escrito sobre corrupção no Brasil e, especificamente, sobre a Operação Lava-Jato. Por isso, quando decidi ler o Crime.gov, achei que seria mais uma obra, sem novidades. Mas ele vai muito além, como seus autores indicam em certo trecho, ao dizerem que, a partir de um certo momento das investigações, eles perceberam que estavam diante do pedaço de uma enorme baleia: o sistema e as consequências da moderna corrupção brasileira.

Como notícias na mídia, outros livros descrevem prisões, delações, malas com dinheiro em salas ou carregadas em saídas de pizzaria, mas o Crime.gov mostra o sistema político corrupto que se consolidou com um comando central, ramificações precisas em consolidada promiscuidade entre políticos e empresários; não apenas cobrando e pagando propinas, mas usando também outras formas de beneficiamentos; integrando o braço político e eleitoral com o braço executivo governamental, na definição de obras; e agindo em todo o território nacional e no exterior, tanto em governos quanto em obras, nos mostra a maldita baleia do Estado corrupto. Por isso, é um livro que deve ser lido e divulgado para esclarecer a dimensão dessa tragédia imoral e para evitar interpretações que tentam diminuir a gravidade da corrupção ou justificá-la com o indecente argumento que seu fim afeta negativamente a economia, viciada na propina como um adicto em cocaína.

O livro ilustra e nos desperta para o fato de que mesmo a baleia que eles descobriram a partir das ações em posto de gasolina ainda é uma parte do monstro que não foi mostrado em sua totalidade. Citando o Augustine Rujanda, os autores lembram que a corrupção provoca desperdícios, persistência e exacerbação do subdesenvolvimento e da pobreza, distorção das decisões gerenciais e afugenta investimentos. Mas o livro nos desperta para ver o monstro ainda maior das consequências do roubo de dinheiro público, não apenas ao beneficiar políticos corruptos, mas também ao sacrificar o povo e o país.

O Mané Garrincha ainda seria uma corrupção, mesmo que nenhuma propina fosse desviada para o bolso de políticos. O desperdício de quase R$ 2 bilhões para construção desse estádio, com sua monumentalidade, para jogos na Copa do Mundo, e praticamente inoperante após, é roubo de dinheiro público que deveria ter sido utilizado em saneamento básico para milhares de famílias que moram a poucos quilômetros de distância dele, ou para equipar escolas degradadas no Distrito Federal, ou melhorar a saúde e a segurança. Independentemente da corrupção no comportamento de políticos propineiros, o Mané Garrincha e centenas de outras obras no Brasil representam a “corrupção nas prioridades” da política inconsequente e descomprometida com os interesses públicos.

Da mesma maneira, perto do Estádio Mané Garrincha, o prédio do Ministério Público Federal, apesar de não pesar sobre ele qualquer denúncia de “corrupção de comportamento” em sua construção, e abrigar um serviço fundamental para o país, inclusive na luta pela moralidade pública, representa uma forma de corrupção. Porque o uso de dinheiro público para construir prédios luxuosos no meio da pobreza, da falta de moradia, representa uma “corrupção da ostentação”, que faz parte da ideia de Crime.gov. O uso de mordomias é “corrupção dos privilégios”, que rouba recursos públicos que poderiam atender às necessidades do povo, no lugar de pagar ajuda de aluguel para quem tem casa própria enquanto o povo não tem moradia decente.

O livro Crime.gov é uma excelente contribuição para o entendimento da baleia da corrupção no comportamento dos políticos, mas precisamos de outros que mostrem todo o monstro que caracteriza o sistema público, não apenas político, brasileiro nas suas diversas formas de corrupção. A leitura da obra de Jorge Pontes e Márcio Anselmo fica como um excelente livro que nos esclarece, nos horroriza e nos desperta. (Correio Braziliense – 09/04/2019)

Cristovam Buarque, ex-senador, professor emérito da UnB (Universidade de Brasília)

Leia também

Estupros, a cultura que nasce dentro de casa

NAS ENTRELINHASA ideia de que mulher que se dá...

A Europa começa a respirar novamente

A Democracia dá sinais claros de resistência no Velho...

Atropelos em série

Lula está se dando conta de que o desafio ao ser eleito presidente não era bloquear a extrema direita bolsonarista: era fazer o País ingressar em outra rota.

Um alerta para o risco de estrangulamento fiscal

Pelo lado das receitas, as medidas aprovadas em 2023, surtiram efeito na arrecadação de 2024. No entanto, muitos dos resultados não se sustentam no futuro.

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!