Eliziane Gama rechaça culto ao golpe de 64

A líder do Cidadania no Senado, Eliziane Gama (MA), rechaçou nesta terça-feira (26), no plenário, a determinação do presidente da República, Jair Bolsonaro, para que os quartéis comemorem a data em que os militares tomaram o poder no Brasil, em 31 de março de 1964.

Para Eliziane, a proposta é uma provocação à Nação brasileira e à luta histórica que levou o Brasil à democracia.

“É um período que nós queremos esquecer. O instituto da Anistia e a Constituição de 1988 foram um passo importante para o reencontro de toda a sociedade brasileira, tendo a democracia como fiadora”, disse.

A senadora criticou ainda tentativa do presidente Bolsonaro de cultuar um período que deixou dezenas de pessoas desaparecidas.

“Famílias não puderam enterrar seus parentes, foi um período de coação, de censura, de violência e de transgressão”, disse, ao defender que esse período fique apenas na história.

“Hoje precisamos de unidade e um ato desses divide a sociedade e coloca as Forças Armadas em uma posição ruim. E sabemos, aliás, que elas têm um papel preponderante na proteção das nossas fronteiras, na garantia territorial da Nação brasileira e é isso que nós precisamos enaltecer”, avaliou a senadora.

Segundo ela, “além da indignação com atos dessa natureza, fica a preocupação de ações que estão por vir por parte do presidente da República”.

Leia também

Há 23 anos Mariluz era palco de um crime político

Era inicio de 2001 e duas mortes ganharam repercussão...

Há 23 anos Mariluz era palco de um crime político

Era inicio de 2001 e duas mortes ganharam repercussão...

Relação de Lula com evangélicos tem duas dimensões

Presidente não consegue atrair o eleitorado pentecostal, embora tenha apoio de setores evangélicos. O fosso está nas questões do aborto e das relações homoafetivas.

IMPRENSA HOJE

Veja as manchetes dos principais jornais hoje (28/02/2024)

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!