#ProgramaDiferente: 35 anos da Cidade Tiradentes, modelo do caos urbano e do erro de planejamento

O bairro de Cidade Tiradentes, no extremo da zona leste paulistana, completou 35 anos neste domingo, 21 de abril. Com dezenas de favelas, centenas de loteamentos irregulares e milhares de unidades habitacionais, a maioria delas construídas na década de 1980 pela Cohab (Companhia Metropolitana de Habitação de São Paulo), é o símbolo do caos urbano e da falta de planejamento daquilo que consideramos hoje “cidades inteligentes” (veja abaixo).

Distante cerca de 35 km do centro e idealizada como “cidade dormitório”, consome de parcela significativa da sua população cerca de 5 horas diárias apenas no deslocamento para o local de trabalho. Com escassas opções de lazer, baixo padrão de qualidade de vida e desassistida pelo poder público nas suas necessidades mais básicas, merece toda nossa atenção para um reordenamento das cidades, que reaproxime moradia e emprego, e reocupe as regiões centrais.

A pedido de Alex Manente, Câmara cria subcomissões de mobilidade urbana e de saneamento

Por iniciativa do deputado federal Alex Manente (Cidadania-SP), a Câmara dos Deputados criou nesta quarta-feira (27) as subcomissões de mobilidade urbana e de saneamento. Os dois colegiados funcionarão no âmbito da Comissão de Desenvolvimento Urbano.

A Subcomissão de Saneamento discutirá o modelo institucional do setor, de modo a superar os graves índices hoje observados no Brasil.

“Não é necessário ressaltar a importância e a urgência de se avançar, e muito, na questão do saneamento básico no país. Cerca de 35 milhões de brasileiros não têm acesso à água tratada, e em torno de 104 milhões de pessoas não tem acesso à coleta de esgoto. Além disso, do esgoto coletado, apenas 42% é tratado”, justificou o deputado de São Paulo.

Manente afirma que, “além da precariedade no atendimento à população, é preciso enfrentar problemas estruturais ligados à operação e manutenção desses serviços”.

Mobilidade

Já a subcomissão de mobilidade urbana terá como atribuição discutir e aprimorar iniciativas que promovam o melhor uso dos espaços públicos, com o objetivo de contribuir para a valorização e revitalização de áreas da cidade

“Com o alto crescimento populacional das últimas décadas, os centros urbanos enfrentam uma série de desafios, sendo um deles planejar a mobilidade urbana, que compreenda a melhoria do transporte coletivo e individual, as condições das calçadas, das ciclovias, das hidrovias, o controle do impacto de novas construções na cidade, o planejamento de bairros autossuficientes, a criação de corredores que integrem diferentes  meios de transporte, os horários de entrada e saída do trabalho, a logística para reduzir a quantidade de caminhões, dentre outros fatores”, diz um dos trechos do requerimento que criou a subcomissão.

A Subcomissão deverá discutir ainda as formas de mobilidade que priorizem o transporte coletivo e equânime, combinado com um planejamento urbano que garanta moradia, emprego e acesso aos bens e serviços em centralidades.