Um #Top10 contra a censura no #ProgramaDiferente

Toda essa polêmica sobre o especial de Natal do Porta dos Fundos para a Netflix (pouco assistido mas muito criticado, atacado, censurado e enfim liberado) traz à tona dois temas que nos tocam profundamente: liberdade religiosa e censura.

Foram pautas recorrentes do #ProgramaDiferente nestas cinco temporadas, sobretudo em 2019, após a posse do presidente Jair Bolsonaro e o acirramentodas ações de ódio, intolerância e perseguição incentivadas pela milícia bolsonarista nas redes sociais.

Vamos lembrar aqui alguns dos principais episódios envolvendo esses assuntos, num #Top10 em defesa das liberdades de expressão e de pensamento:

1) Programa 185 (29 de janeiro) – Contra a hipocrisia e o falso moralismo que, como cantou Ney Matogrosso, ficam escondidos debaixo dos panos, e ainda pra lavar a alma nessa entrada de 2019, tem início com ânimo renovado a nossa 5ª temporada. Tá todo mundo nu! #MandaNudes CENSURADO Por menos vergonha alheia e mais liberdade de expressão. Por menos contemplação e mais reflexão. Nudez na internet, por meio de aplicativos e das redes sociais. Nudez nas artes, como contestação, profissão, diversão ou filosofia de vida. Desafiando regras e padrões sociais, inibições, proibições e obscenidades. A diversidade de corpos, raças, sexo e gênero, numa época em que tabus e preconceitos dos anos 70 e 80 do século passado voltam à tona com ranço antidemocrático. Censura? Aqui não!

2) Programa 186 (3 de fevereiro) – O programa registra os 60 anos da Revolução Cubana, numa época em que “Vai pra Cuba” virou xingamento típico contra qualquer ação ou pensamento de esquerda no Brasil. Ao completar o primeiro mês do governo Bolsonaro, expressão mal acabada da nova direita brasileira e desse extemporâneo anticomunismo, parece emblemático e oportuno fazer uma análise política e sociológica desta que é a ofensa genérica mais repetida pelo direitista chucro padrão. Vai pra Cuba, carregando Fidel, Che, Lula, Fernando Morais, os médicos cubanos e quem mais você quiser levar pra Ilha. Enquanto isso, seguimos por aqui traçando um inusitado paralelo histórico desses acontecimentos.

3) Programa 188 (17 de fevereiro) – O programa fala das liberdades de religião, de expressão e de pensamento. Há exatos 30 anos, em 1989, no Irã, o líder Aiatolá Khomeini oferecia uma recompensa de 3 milhões de dólares a quem assassinasse o escritor angloindiano Salman Rushdie, por entender que seu trabalho “Versos Satânicos” ofendia o islamismo. No Brasil, a Constituição garante o Estado laico, a inviolabilidade de consciência e de crença, e a livre manifestação da fé. Mas a verdade é que ainda existe muita perseguição religiosa. Morre gente pelo ódio, pelo preconceito e pela intolerância contra religiões. Por isso também lembramos do papel fundamental de Jorge Amado pela liberdade de culto religioso, que muita gente desconhece, nestes 18 anos da morte do escritor baiano.

4) Programa 190 (3 de março) – O programa celebra os 40 anos do Programa Abertura, da extinta TV Tupi, ação emblemática e pioneira da época na televisão brasileira contra a censura e a ditadura. Discutia a abertura política no início do governo Figueiredo, o último presidente do regime militar, no exato momento em que esse processo ganhava espaço e dava os primeiros sinais do renascimento da democracia. Ligado ao pensamento de esquerda, discutiu questões fundamentais como anistia, pluripartidarismo e eleições diretas. E fez escola. Passadas quatro décadas, e depois de o brasileiro eleger democraticamente seus presidentes em oito eleições consecutivas, seguimos modestamente a mesma linhagem.

5) Programa 198 (28 de abril) – Em meio a um ruidoso episódio de censura a veículos de mídia pelo Supremo Tribunal Federal, revogada após a péssima repercussão pública que teve o caso, e um inquérito que promete apurar a origem de notícias e opiniões ofensivas aos ministros do STF, o programa trata do tema: Fake news e liberdade de imprensa.

6) Programa 207 (30 de junho) – O programa celebra os 50 anos do icônico e provocativo jornal alternativo brasileiro “O Pasquim”, editado entre 26 de junho de 1969 e 11 de novembro de 1991, que viveu seu auge durante a ditadura militar, como oásis de liberdade, de talento, de humor e de criatividade da contracultura em meio à repressão. Por incrível que pareça, meio século depois seguem atuais temas como censura, liberdade de imprensa, polarização entre esquerda e direita, e a oposição irreverente de artistas e jornalistas a um governo autoritário no Brasil, inclusive com alguns dos mesmos personagens daquela época.

7) Programa 211 (29 de julho) – Enquanto o meme que virou presidente se mostra saudoso da censura e da ditadura, em sua cruzada moralizadora fake e uma campanha extemporânea contra o filme “Bruna Surfistinha”, o programa, cheio de nostalgia, relembra dos tempos da pornochanchada. Será que éramos felizes e não sabíamos? Toda uma geração cresceu assistindo a “Sala Especial”, na TV Record, ou indo escondido ao cinema, com RG falsificado. Não existia essa mordomia de internet, com sites de relacionamento, portais e aplicativos para o jovem assistir filmes proibidos. Mas o que foi, afinal, a época da pornochanchada no cinema brasileiro?

8) Programa 213 (11 de agosto) – O programa desta semana traz o tema “Como Nossos Pais”, reunindo o espírito das duas grandes celebrações deste domingo, 11 de agosto (Dia dos Pais e Dia da Juventude), com o aniversário de 50 anos do Festival de Woodstock, considerado o maior festival de rock´n roll de todos os tempos, e os ideais do movimento hippie (será que ainda resistem hoje em dia?).

9) Programa 215 (25 de agosto) – Os 40 anos da Lei da Anistia e a volta do irmão do Henfil. Em uma época que tem muita gente que pretende reescrever a História do Brasil, emplacando a narrativa mais conveniente à sua ideologia, é importante reverenciar a democracia e rever os fatos como eles realmente ocorreram. Em 28 de agosto de 1979, o então presidente João Baptista Figueiredo concedeu o perdão tanto aos perseguidos políticos (que a ditadura militar chamava de subversivos) quanto aos agentes da repressão. A Lei da Anistia possibilitou o retorno de diversos exilados, entre eles Herbert de Souza, o Betinho, eternizado como “o irmão do Henfil” na canção “O Bêbado e a Equilibrista”, de João Bosco e Aldir Blanc, gravada por Elis Regina.

10) Programa 229 (1º de dezembro) – O maravilhoso mundo da música brega. O que é brega? O que é chique? Por que cantores românticos como Reginaldo Rossi, Waldick Soriano, Odair José, Nelson Gonçalves, Falcão, Ovelha, Sidney Magal, Luiz Caldas, Nelson Ned, Wando, Agnaldo Timóteo e Cauby Peixoto, entre outros, são ídolos tão populares, atemporais e fazem tanto sucesso? Artistas execrados pela crítica e adorados pelo público ao explorar a dor de cotovelo e desafiar até a ditadura e a censura.