Eliziane Gama diz que professores merecem mais respeito

Senadora lamentou que nas últimas décadas o Brasil não soube respeitar os seus professores e que a educação deixou de ser tema central das políticas públicas (Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado)

A líder do Cidadania no Senado, Eliziane Gama (MA), felicitou, nesta terça-feira (15), os professores brasileiros dizendo que a data inspira um momento de reflexão.

Ela lamentou que nas últimas décadas o Brasil não soube respeitar os seus professores e que a educação deixou de ser tema central das políticas públicas. Também criticou o fato de um professor ganhar dois salários mínimos e ser constantemente alvo de agressões dentro da sala de aula e na escola.

“Eu ainda peguei a fase do respeito solene de todos pelos professores. Eles eram reverenciados nas ruas, pois estavam na base da construção moral das famílias brasileiras, do País que sonhávamos, da ética que todos nós defendíamos”, ressaltou a parlamentar.

Para Eliziane Gama, é preciso dar um novo grito a favor da educação, como o fez Dom Pedro I pela independência do Brasil.

“Um novo grito, agora na República, por mais educação, por mais respeito a esses mestres que tiveram e têm grande contribuição nas nossas vidas. Parabéns aos professores e professoras de todo o Brasil”, disse.

Segundo dados do Inep ( Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), o Brasil conta com 2,5 milhões de professores, sendo que 345 mil deles se encontram na zona rural. A maioria da categoria tem entre 30 e 39 anos e 70% dos professores são mulheres.

Investir em educação é também investir no professor, diz Jorge Kajuru

Senador disse que a data deve ser comemorada por sua importância, chamando a atenção para a grave realidade vivida pelos professores brasileiros (Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)

O senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO) prestou homenagem nesta terça-feira (15) no plenário Casa aos professores, cujo dia foi comemorado nesta data. O parlamentar observou que a docência desempenha importante papel social e é umas das profissões mais importantes para o desenvolvimento de uma sociedade. Entretanto, prosseguiu, continua sendo uma categoria desvalorizada e que ganha “míseros salários”.

“Ocasiões como essa nos dão uma excelente oportunidade não só para homenagear, como também para cobrar das instâncias competentes a valorização do profissional do magistério, cujo desempenho a favor da sociedade não se traduz em benefícios palpáveis. Jamais poderemos esquecer que investir em educação é também investir no professor. E, quando digo isso, não me refiro apenas à questão salarial, que é, historicamente, o verdadeiro calcanhar de aquiles de nossos educadores, mas também à melhoria da infraestrutura de ensino, especialmente nas escolas públicas”, disse.

Kajuru disse que a data deve ser comemorada por sua importância, chamando a atenção para a grave realidade vivida pelos professores brasileiros, os quais enfrentam péssimas condições de trabalho, além da falta de investimentos em educação pública. O senador ressaltou que toda formação de uma sociedade depende dos profissionais da educação, pois muitos dos problemas nacionais derivam justamente da falta de informação e de educação da população em geral. (Agência Senado)

Cidadania vota a favor da redução da idade para aposentadoria de professor

A bancada do Cidadania na Câmara votou a favor da redução de idade para aposentadoria de professores da educação básica, objeto de destaque na votação da reforma da Previdência (PEC 06/2019).

A medida reduz para 52 anos para as mulheres e 55 anos para os homens, de acordo com o pedágio de 100% de contribuição, que passará a contar a partir da publicação da emenda constitucional. O destaque foi aprovado por 465 votos a 25.

Dessa forma, os professores de educação infantil e do ensino básico poderão se aposentar com cinco anos a menos que o exigido para os demais trabalhadores.

Na orientação do voto, o vice-líder do Cidadania, deputado federal da Vitória (ES), disse que a mudança no texto-base da reforma da Previdência que foi aprovado na quarta-feira (10) era necessária para fazer justiça aos professores.

“Sabemos da importância desses incansáveis profissionais, que trabalham muito e são responsáveis pela formação de nossas crianças e do nosso maior patrimônio, que é conhecimento”, afirmou.