Bancada do Cidadania na Câmara vota a favor de saques no FGTS e da criação da Polícia Penal

Líder do partido na Casa diz que o texto sobre o FGTS não era o ideal, mas considerou que houve avanço no relatório da proposta (Foto: Agência Câmara)

A bancada do Cidadania na Câmara votou a favor da Medida Provisória 889, que trata do saque de parte do FGTS no mês de aniversário do trabalhador, aprovada nesta quarta-feira (06) pelo plenário da Câmara.

O líder do partido na Casa, deputado federal Daniel Coelho (PE) ressalvou que o texto do relatório do deputado federal Hugo Mota (Republicanos-PB) não era o ideal, pois mantinha o monopólio da Caixa Econômica Federal na administração dos recursos, o que gera uma rentabilidade abaixo da inflação, que penaliza o trabalhador, dentre outros problemas.

“Mas há avanços, houve melhora com o relatório”, disse o parlamentar. Ainda na sessão desta noite, a Casa aprovou, em segundo turno, a PEC [Proposta de Emenda à Constituição] que cria a polícia penal.

Na comissão especial do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço), a proposta de emenda de Daniel Coelho previa o fim do monopólio da Caixa, deixando a decisão do trabalhador soberana para definir o investimento, possibilitando maior rentabilidade.

O dinheiro do FGTS seria transformado em títulos do governo a ser negociado por taxas atrativas. O governo, se quisesse utilizar esses recursos, como faz atualmente, em saneamento ou moradias de baixa renda, deveria pedir autorização ao Congresso Nacional. Na votação, o líder do Cidadania encaminhou voto a favor do destaque do PT, que estabelecia mais liberdade para o saque do FGTS.

Polícia Penal

Por 385 votos a favor e apenas 16 contrários, o plenário chancelou o segundo turno da PEC que cria a Polícia Penal. Desde a primeira votação, a grande maioria dos deputados votou pela inclusão da nova força na Constituição. Os atuais agentes penitenciários serão os primeiros novos policiais penais. A categoria, que já tem autorização para portar armas, exerce funções de segurança. Com a aprovação da matéria, esses profissionais terão carreira regulamentada.

A deputada federal Carmen Zanotto (SC) saudou a “conquista longa” aos agentes penitenciários que estavam nas galerias.

A competência da polícia penal é, além da segurança dos presídios, fazer a escolta dos presos, liberando as polícias civis e militares para outras tarefas.

Da Vitória comemora aprovação da PEC que cria a Polícia Penal

“Precisamos dar condições de identidade para esses profissionais que trabalham para tornar possível a ressocialização”, diz o parlamentar capixaba (Foto: Robson Gonçalves)

A PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que cria a Polícia Penal, englobando os agentes penitenciários, foi aprovada nesta quarta-feira (9) pela Câmara dos Deputados. O deputado federal Da Vitória (ES), vice líder do Cidadania, comemorou a aprovação, lembrando que o País precisa equacionar melhor os cuidados com os presidiários e definir a carreira dos agentes penitenciários. Votação foi em primeiro turno e beneficia agentes penitenciários.

“Precisamos dar condições de identidade para esses profissionais que trabalham para tornar possível a ressocialização e a volta daqueles que cumprem suas penas ao convívio da sociedade”, disse Da Vitória.

O deputado federal Fabiano Tolentino (Cidadania-MG) encaminhou a votação pelo partido. Ele lembrou que votou favorável ao uso de armas pelos agentes penitenciários quando era deputado estadual.

Atualmente, esses servidores sofrem restrições no exercício de suas funções porque com elas se choca, muitas vezes, a atuação da Polícia Militar. É ela que é chamada para resolver problemas dentro do presídio ou para fazer escolta. A PEC, que foi aprovada por 402 votos a 8, será votada ainda na Câmara em segundo turno.