Malu Molina: O vilão que veio para mostrar a importância da política e o peso das desigualdades sociais

O coronavírus expôs a importância da política para enfrentar problemas e salvar vidas. Mas será que a mesma união e mobilização contra a crise da covid-19 poderá se fortalecer e perpetuar para enfrentar outra crise tão antiga e urgente: nossas desigualdades?

Esta crise impactou diretamente a vida de todos, mas não da mesma forma. Apesar de unidos pelo cotidiano da quarentena e fragilidade diante do contágio, vivemos em uma das democracias mais desiguais do mundo, e o peso dessas desigualdades formam o que cientistas da OMS (Organização Mundial da Saúde) já alertaram ser o maior grupo de risco diante da pandemia: as pessoas pobres, negros e negras, que moram nas periferias.

São Paulo, a cidade mais rica da América Latina e epicentro da pandemia no Brasil, tem 3 milhões de paulistanos vivendo em favelas e loteamentos irregulares, segundo a SEHAB. Esse desafio condena a classe mais pobre, mas afeta toda a população, inclusive as pessoas socialmente mais privilegiadas Será que o coronavírus nos fará entender que não dá mais para milhares de pessoas viverem em situação tão vulnerável? Que uma sociedade equilibrada deve ser interesse de todos, e que temos recursos disponíveis, se melhor distribuídos e investidos, para atender a essa demanda?

O fato é que não podemos voltar ao normal, o normal está errado. O mundo pós-coronavírus acenderá a luz vermelha para líderes políticos, que não poderão realizar mais “mudanças para deixar tudo como está”, cometendo os mesmos erros que nos trouxeram até aqui. O erro de minimizar, e não enfrentar como poderiam nossos problemas sociais, não pode se repetir.

São Paulo precisa de um programa que vise o enfrentamento efetivo às desigualdades, e essa é a proposta do “Manifesto Pelas Vidas de São Paulo”. Manter a mesma união contra o coronavírus também contra as desigualdades, a partir de 4 metas a serem cumpridas nos próximos 4 anos, começando desde já. Medidas como estender a Renda Básica Cidadã para famílias em situação de vulnerabilidade da cidade, em um programa de cadastro que também inclua passe-livre integral no transporte público, por exemplo, podem começar a ser implementadas desde já.

Outras medidas importantes contra as desigualdades, como a urbanização de favelas e implementação de equipamentos públicos de saúde, educação e cultura em todos os bairros desassistidos, levam mais tempo, mas podem ser executadas em até 4 anos, se houver união, pressão social e vontade política. A esperança de mudança dependerá de todos nós, mas o espaço onde essa mudança ocorrerá, ou não, é na política – que pelas vidas de São Paulo, não pode voltar ao “normal”. (Publicado originalmente no Estadão em 28 de julho de 2020)

Malu Molina, cientista política e ativista no combate às desigualdades sociais.

Em gesto de aproximação, Tabata apoiará pré-candidatura de Malu Molina pelo Cidadania

Assessora política da deputada federal, Molina simboliza fortalecimento, renovação e aproximação do partido com a sociedade, diz Carlos Fernandes, presidente da legenda na cidade de São Paulo (Foto: Reprodução)

Anunciada neste sábado (4), a chegada da cientista política Malu Molina ao Cidadania, pelo qual disputará uma vaga de vereadora em São Paulo, marca o fortalecimento das bandeiras do partido na cidade. A avaliação é do presidente municipal do Cidadania, Carlos Fernandes, para quem a deputada estadual suplente “simboliza a renovação” que a legenda busca desde que se abriu a movimentos cívicos como RenovaBR e Agora.

Malu terá o apoio da deputada federal Tabata Amaral (SP), hoje no PDT, de quem é assessora política. O gesto é mais um passo na aproximação entre a parlamentar e o Cidadania, observa Fernandes.

“Esperamos, mais à frente, continuar o diálogo com a Tabata para o futuro. Por ora, estamos muito felizes em receber o reforço da Malu como candidata, uma demonstração de que somos competitivos e vamos ampliar o número de cadeiras em outubro”, comemorou Carlos Fernandes.

Cidadania em SP vai apoiar candidatura do prefeito Bruno Covas, diz Fernandes (Foto: YouTube)

Segundo ele, o Cidadania terá “chapa completa” em São Paulo em apoio à pré-candidatura do prefeito Bruno Covas (PSDB), com perspectiva positiva de ter na vice o ex-secretário de Cultura Alê Youssef, também recém-filiado ao partido.

“Estamos conversando com os partidos da aliança para lançá-lo a vice, mas é uma definição que será tomada mais à frente. Oferecemos a aliança, mas não impusemos nomes. O prefeito está concentrado agora no combate ao coronavírus”, diz.

Perfil

Nascida e criada na Vila Mazzei, extremo norte da capital paulista, Malu Molina, 26 anos, é cientista política e atua como coordenadora política no mandato da deputada federal Tabata Amaral. Ocupa o posto de segunda deputada estadual suplente, após disputar eleição pela primeira vez em 2018 e obter 17.721 votos.

É líder nos movimentos de renovação política Raps, RenovaBr e Acredito. Começou a trabalhar aos 15 anos com vendas e costura, o que a motivou a escolher o curso de moda. Com bolsa de estudos, foi a primeira de sua família a fazer faculdade, e ao sair da sua comunidade para estudar e trabalhar fora, se deparou com uma outra São Paulo: rica, cheia de oportunidades, mas extremamente desigual.

Emendou a faculdade de moda com a de ciência política com um único foco: estudar e trabalhar para reduzir as desigualdades. Foi pesquisadora do tema (CNPq), eleita para o Conselho Municipal Participativo da Prefeitura Regional de Santana/Tucuruvi/Mandaqui, trabalhou na Secretaria de Direitos Humanos do município, dentre outras experiências no setor privado.