Eliziane Gama relata indicações dos embaixadores do Brasil em Angola, Mali e Costa do Marfim

“Nós tivemos um acúmulo de mais de 30 embaixadores e não poderíamos deixar isso parado” explica a senadora, acrescentando que o Brasil é conhecido internacionalmente pela sua postura conciliadora e o Congresso Nacional tem o dever de trabalhar pela manutenção desse posicionamento (Foto: Pedro França/Agência Senado)

A senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) foi relatora na Comissão de Relações Exteriores, nesta segunda-feira (21), das indicações dos embaixadores do Brasil em Angola, Mali e Costa do Marfim, na primeira sessão semipresencial do colegiado após seis sem atividades presenciais devido a pandemia do novo coronavírus.

Após a apresentação dos relatórios, os diplomatas Rafael de Mello Vidal (Angola), Carlos Eduardo de Ribas Guedes (Mali) e José Carlos de Araújo Leitão (Costa do Marfin) foram sabatinados pela comissão. Todos os nomes dos diplomatas aprovados serão submetidos agora ao plenário do Senado, em votação secreta.

Parte dos senadores compareceu ao plenário da comissão, como a senadora Eliziane Gama. A outra parte, participou de forma remota das deliberações.

Para a parlamentar do Cidadania, o trabalho da Comissão de Relações Exteriores foi feito sob todos os cuidados exigidos pela pandemia, mas era fundamental que fosse feito esse retorno excepcional.

“Nós tivemos um acúmulo de mais de 30 embaixadores e não poderíamos deixar isso parado” explicou a senadora, acrescentando que o Brasil é conhecido internacionalmente pela sua postura conciliadora e o Congresso Nacional tem o dever de trabalhar pela manutenção desse posicionamento.

Ao todo, foram analisados nomes de 32 diplomatas, indicados para chefiar embaixadas e escritórios brasileiros em 43 países e em 2 organismos internacionais.