Fátima Romar, pré-candidata em Maceió, defende renovação política pra mudar a capital alagoana

A professora e pré-candidata do Cidadania à prefeitura de Maceió, Fátima Romar, defendeu, em live realizada nesta quinta-feira (9) pelo ex-presidente da OAB de Arapiraca, Hecto Martins, que o eleitor precisa apostar em novos nomes comprometidos com mudanças significativas e reais para as suas cidades. Martins é pré-candidato do partido a prefeito de Arapiraca, a segunda maior cidade alagoana.

“Temos que mudar a realidade das nossas cidades. O cidadão deve acreditar na política. Ele precisa entender que apenas o novo de verdade possui essa capacidade de oferecer mudanças reais. Esse suposto novo que hoje dirige nossas cidades vem do velho que ninguém quer mais. Hoje, vemos no poder a terceira geração da velha política. São os netos que chegam. Até quando iremos com isso? Eles não resolvem nada. É preciso mudar tudo isso aí e por esse motivo temos de mostrar a cara. Dar a cara à tapa sem medo. O Cidadania vem para fazer a diferença nesse sentido. Temos que incomodar”, defendeu Romar.

Ao concordar com a colocação de Fátima Romar, Martins afirmou que é necessário mobilizar homens e mulheres de bem como protagonistas das mudanças. 

“Vamos sair da zona de conforto. É possível sim realizar essas mudanças que todos esperam, mas, para isso, cada um de nós deve fazer a sua parte. A sociedade, sobretudo com o isolamento devido à pandemia, está mais atenta em relação aos problemas enfrentados pelo País. Observa com maior atenção os problemas enfrentados na Saúde e a precariedade da Educação. Não seremos salvadores da pátria, mas, somando forças, conseguiremos trazer a sociedade para dentro da gestão pública. Uma gestão democrática e descentralizada”, propôs. 

A professora destacou no encontro virtual os diversos problemas enfrentados pela capital alagoana como a educação precária, o transporte público caótico e a falta de planejamento estratégico para o Turismo. Ela lembrou que, em toda eleição, os mesmos políticos realizam promessas, as quais nunca são cumpridas. Ela também criticou a banalização da compra de votos no estado.

“Falta vontade de fazer. Por que não podemos trazer uma visão política diferente para cá? A cidade está cheia de buracos, com lixo para todo lado. Nosso Turismo não é sustentável. Por que não pegamos essa garotada do segundo grau, por exemplo, e os inserimos em cursos técnicos voltados para essa área? A Educação, totalmente sucateada e sem o menor estímulo ao professor. Agora, pergunta se essa política velha que conhecemos quer fazer essas mudanças? Não quer. E sabe por quê? Porque aqui a compra de votos é algo cultural. Líderes comunitários, para a velha política, só servem pra garantir votos”, lamentou.

Em live do Cidadania-AL, Cristovam Buarque defende criação de Fundeb permanente

O ex-governador e ex-senador Cristovam Buarque (Cidadania-DF) afirmou nesta quarta-feira (8) que o cenário para a Educação brasileira é preocupante e defendeu a criação de um processo de recuperação de escolas, professores e alunos, além de uma política de longo prazo para o sistema educacional brasileiro. Ele pediu que os parlamentares transformem o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) em política permanente.

“Temos que aprovar no Congresso Nacional o Fundeb permanente. O Fundo por si só não resolve, mas sem ele será um desastre. Veremos prefeitos fechando escolas. Precisamos também, apesar de tudo, pensar em um projeto de longo prazo. Definir uma estratégia não apenas para sanar a crise causada pela pandemia, mas para darmos um salto de qualidade. Para que, daqui a 30 anos, tenhamos escolas realmente boas”, defendeu. 

As declarações foram feitas ao ex-presidente da OAB de Arapiraca-AL e pré-candidato do Cidadania a prefeito da cidade alagoana, Hector Martins. Ao concordar com Buarque, Martins disse que o cenário da educação nacional já estava “atrofiado” mesmo antes da pandemia. Para ele, muitas escolas já não conseguiam desenvolver atividades adequadas por falta de estrutura e estão ainda mais despreparadas para a nova realidade, presas ainda a quadro e giz. 

Ele criticou as gestões municipais passadas de Arapiraca, que, em sua avaliação, focaram apenas na estrutura física e deixaram de equipar as unidades de ensino e aperfeiçoar o corpo docente.

“Aqui se esquece do próprio aluno e dos profissionais que interagem com eles e estão inseridos no contexto da escola. Já temos dois anos que esses profissionais não recebem reajuste salarial. Muitos tentam se reinventar sem o suporte do Poder Público e veêm desmotivados. A nossa Educação aqui ainda é muito precária. Precisamos de um olhar humano para tocar a alma dos professores e alunos ou não conseguiremos entrar no século 21”, sustentou. 

Em resposta, Cristovam Buarque defendeu a federalização do ensino fundamental do País como forma de solucionar os problemas enfrentados pelas cidades brasileiras. Segundo ele, a questão não é apenas falta de recursos, mas de falta de vontade política. 

“Não se faz educação em curto prazo. É preciso estar disposto a realocar recursos para isso. Se a ideia surge, pobres, ricos e políticos embarcam. Tecnicamente é fácil resolver. Não é falta de dinheiro em si e sim de gente. Então minha ideia é fazer uma estratégia para que possamos ir federalizando aos poucos e não ao mesmo tempo. Cada ano um pouquinho”, propôs.

Cristovam ponderou que não adianta culpar apenas o presidente e os políticos se a própria sociedade não estabelece o ensino de qualidade como prioritário. “O eleitor não vota em quem fala de estratégia de 20 anos para a Educação e muito menos tem vontade de tirar dinheiro de um lugar para colocar nessa área. Infelizmente, não é prioridade da sociedade”, concluiu.

Freire: comportamento de Bolsonaro faz sociedade desconfiar do diagnóstico de Covid-19

O presidente nacional do Cidadania, Roberto Freire, afirmou nesta terça-feira (7) que a desconfiança que Jair Bolsonaro gerou com os exames anteriores para Covid-19 levaram a sociedade a receber com descrédito o anúncio de que o presidente está com a doença. A única certeza, avalia ele, é de que o comportamento dele não mudará.

“Alguém pode acreditar que por estar infectado ele vai mudar? Não. Se ele sair bem disso, é capaz de dizer que a doença não é nada, embora tenhamos 67 mil mortos, brasileiros que não tiveram dele nenhuma empatia. Algo desumano”, apontou, ao compará-lo com o primeiro-ministro britânico Boris Johnson, que entendeu não se tratar de invenção ao contrair o vírus.

As declarações foram feitas em live no Instagram com o advogado Hector Martins, pré-candidato do Cidadania à Prefeitura de Arapiraca, Alagoas. Na conversa, Freire lamentou que Bolsonaro tenha partidarizado todo o combate à pandemia, optando por guerrear com governadores quando o papel de um líder deveria ser de levar tranquilidade à sociedade.

Essa postura, avalia, trará dificuldades para o pós-pandemia. “Esse governo pode nos levar a tragédia ainda maior por absoluta incapacidade de dar as respostas adequadas. Podemos deixar a pandemia com tremendas dificuldades. Esse desastre terá de ser enfrentado, Brasil já vinha de um pibinho, com uma equipe econômica e um ministro [Paulo Guedes] que não disseram a que vieram”, criticou.

Cidadania e Arapiraca

Ao ser questionado sobre polarização e a velha dicotomia esquerda-direita, o presidente do Cidadania disse que essa questão está superada e o partido busca aproximação com os movimentos de renovação justamente “porque a representação politica dessa nova sociedade não é a mesma da sociedade industrial”.

“Pretendemos como Cidadania imaginar esse mundo do futuro. Saber que ele já chegou e não tentar impedir que avance. Não pode ser mais o Estado burocrático, tem de ser o Estado digital, que nos integre e se abra à participação popular. Isso é de esquerda ou de direita? Essas contradições não mais existem. Guerra Fria acabou. Estamos trazendo algo de social-democracia junto com os liberais. Se aliarmos esses campos, seremos vitoriosos”, analisou.

Para ele, o pré-candidato em Arapiraca representa essa síntese e foi uma grande aquisição para o Cidadania ter um quadro de relevo na segunda maior cidade de Alagoas. Martins disse que está fazendo um grande trabalho de conscientização com homens e mulheres em Arapiraca sobre a importância de participarem da política e dos rumos da gestão do município.

“Homens e mulheres de bem tendem a se afastar da política, em razão da politicagem. Mas é possível fazer o bem na política, contribuir para o desenvolvimento da sociedade. Arapiraca, por exemplo, sofre com ausência de políticas públicas, ficamos num jogo de empurra empurra e ninguém fez nada. A cidade estrá no coração do Estado, sempre teve comércio muito vivo, mas falta o básico. Quero unir forças por um movimento de renovação”, disse.

Em conversa com Hector Martins, Regis Cavalcante defende a renovação para superar a crise política

Para presidente do Cidadania-AL, país precisa de novos quadros que dialoguem com a sociedade

O presidente do Cidadania em Alagoas, Regis Cavalcante, falou sobre a situação da saúde no país durante live com o pré-candidato a prefeito do município de Arapiraca (AL), Hector Martins, nesta segunda-feira (6). Ele elogiou o Sistema Único de Saúde (SUS) e reconheceu que é preciso fortalecê-lo.

“O SUS é um sistema que funciona. Outros países não têm um sistema público de saúde e um nível de organização como o nosso, mesmo com todas as dificuldades que conhecemos. Precisamos ajustar o SUS a uma realidade de atendimento pleno, a um sistema que chegue a nível de qualidade da dignidade humana”, afirmou.

Na avaliação de Cavalcante, mesmo com um sistema eficiente, a pandemia do coronavírus revelou a deficiência na saúde em muitos estados brasileiros.

“Essa pandemia mostrou a escolha terrível que os profissionais de saúde realizam nos hospitais para definir quem vai viver ou não. É importante ter hospitais, mas também ter a manutenção. Essa pandemia mostrou leitos e equipe médica insuficientes, falta de insumo, mostrou a deficiência de gestão na questão da saúde”, apontou.

Hector Martins criticou a falta de aquisição de respiradores pelo governo do estado de Alagoas.

“As pessoas que precisam ser hospitalizadas, boa parte necessita de um cuidado especial. Você cria uma maquiagem, uma estrutura faraônica para dizer que montou hospital de campanha, mas falta eficiência, faltam equipamentos que fazem com que as pessoas que estão precisando possam reverter o quadro”, condenou.

O presidente do Cidadania em Alagoas concordou e disse que esse é um problema verificado em todo o país.

“É o oportunismo. Tivemos alguns casos de governadores querendo ganhar dinheiro em cima da miséria humana. Precisamos tratar essas questões de forma transparente e coletiva na sociedade. Essa eleição tem ramificações com essas questões, quem se envolveu com essas situações, principalmente nessa questão cara da saúde. Haverá uma mudança profunda nessas eleições porque a população está acordando”, sustentou.

Educação

Os dois também debateram as deficiências na área de Educação, ainda mais evidentes agora na pandemia. Cavalcante lembrou que cerca de 76 mil crianças em Maceió estão fora da escola. “Isso é um caos, uma irresponsabilidade. Educação é base para tudo. Não se investe no saber nesse país. Por isso que acredito na renovação da política, de quadros, para que a gente possa incrementar políticas públicas que sirvam ao público e não a meia dúzia”, assinalou.

Para o pré-candidato do partido em Arapiraca, também nesta área há clara deficiência de gestão. Martins disse que a Educação transforma e o investimento na área não pode ficar apenas no discurso de campanha.

“Nossa educação pública poderia ser a melhor do mundo, mas infelizmente nossos gestores, muitos que inclusive se elegem com a bandeira da educação, quando têm o poder da caneta fecham os olhos e infelizmente isso continua da mesma forma de antes”, alertou.

Como ex-presidente da Ordem dos Advogados do município, Martins falou ainda da escolha do Cidadania para a entrada na política. “O propósito do partido coincide com a minha visão de mundo. Tinha muito medo de errar, de entrar numa sigla e me arrepender por ser algo contrário às minhas ideias. Me senti muito acolhido e em casa”, elogiou.

Hector Martins é lançado por Roberto Freire pré-candidato à Prefeitura de Arapiraca (AL)

Advogado recém filiado ao partido demonstrou que está se preparando para representar o partido nas eleições municipais de outubro (Foto: )

Presidente nacional do Cidadania lança Hector Martins como pré-candidato a prefeito de Arapiraca

A filiação do ex-presidente da OAB/Arapiraca ao Cidadania 23 foi sobrescrita pelo ex-ministro Roberto Freire

Após praticamente um ano de especulações, Hector Martins despiu o terno da advocacia e vestiu a camisa de possível candidato às eleições municipais. A filiação do ex-presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil/Arapiraca ao Cidadania23 foi sobrescrita pelo ex-ministro Roberto Freire, presidente nacional do partido, e pelos presidentes dos diretórios estadual e municipal, Régis Cavalcante e Pedro Pires, respectivamente, em uma cerimônia festiva na noite de quinta-feira (30) no auditório do Sesi.

Martins demonstrou que está se preparando para representar o partido nas eleições municipais e afirmou, durante seu discurso, que manteve conversas com prefeitos do Cidadania do Sudeste e Sul em busca de inovações que podem solucionar problemas de Arapiraca e que devem fazer parte do projeto político de sua candidatura.

Hector Martins aponta soluções inovadoras para Arapiraca (Foto: Cidadania-AL)

“Em conversa recente com o prefeito de Vitória do Espírito Santo mudei por completo a minha visão de gestão pública. Lá, um simples aplicativo revolucionou a Saúde, eliminando as filas do SUS [Sistema Único de Saúde]. Se um morador de Vitória precisa fazer uma consulta ou um exame, pode marcar com a ajuda de um telefone. Se a pessoa não tem telefone, certamente o filho ou um vizinho tem e ele consegue marcar. Imagina se isso fosse colocado à disposição de Arapiraca e de outros lugares”, afirmou o pré-candidato, apontando ainda soluções inovadoras que podem ser aplicadas na segurança pública e Educação, que são aplicadas com sucesso em municípios administrados por prefeitos do Cidadania.

Para o presidente nacional do partido, Roberto Freire, que além de ministro da Cultura no governo Temer também foi deputado federal e senador por Pernambuco, Hector Martins representa o novo perfil político buscado pelo Cidadania.

Freire: Partido terá maior número de candidatos jovens nas próxima eleição (Foto: Cidadania-AL)

“O partido está experimentando agora algo que não tínhamos nas eleições de 2016, que é um número maior de candidatos com algumas características mais interessantes, mais jovens. E esse processo tem muito a ver com a renovação que a sociedade está pedindo neste momento político. Nesse contexto, o Cidadania se coloca como uma alternativa democrática e Hector, em Arapiraca, é uma representação disso. Estou muito satisfeito de estar aqui em Alagoas, experimentando essa renovação. Cidadania é futuro”, afirmou.

De acordo com Régis Cavalcante, que preside o diretório estadual da legenda, Arapiraca, assim como Alagoas, vem sendo administrada por grupos políticos dominantes que se alternam no poder.

Régis Cavalcante: O Cidadania defende a alternância de poder (Foto: Cidadania-AL)

“A possibilidade de ter alternativas na política acrescenta e aumenta o aprofundamento da democracia, que é, entre outras coisas, a convivência entre os contrários. O Cidadania defende a alternância de poder e Hector tem hoje uma enorme missão, que é fazer de Arapiraca uma cidade mais feliz, mais agradável, que tenha importância para o Estado e para o Brasil. Hector representa esse sangue novo na política, que realmente quer e tem as condições para fazer as transformações que o município precisa”, declarou. (Site Sete Segundos)

Roberto Freire participa em Arapiraca (AL) do ato de filiação de Hector Martins ao partido

Roberto Freire (à esquerda) e Hector Martins, em Brasília (Foto: Reprodução)

O presidente do Cidadania, Roberto Freire, participar nesta quinta-feira (30) do ato de filiação do ex-presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) de Arapiraca (AL), Hector Martins, ao partido.

No encontro que vai reunir lideranças do Cidadania no estado, como presidente do partido em Alagoas, Régis Cavalcante, Hector deve ser confirmado como pré-candidato à Prefeitura da cidade nas eleições municipais de outubro.

O ato de filiação será realizado às 19h, no auditório da Unidade Sesi/Senai (Rua Eng. Camilo Collier, 520 – Primavera).