Silêncio de Bolsonaro sobre ataques a STF soa como anuência, diz líder do Cidadania

O líder do Cidadania na Câmara dos Deputados, Arnaldo Jardim (SP), disse nesta segunda-feira (15) que, depois de mais de 24 horas desde o último ataque promovido contra o Supremo Tribunal Federal por apoiadores bolsonaristas, o presidente da República ainda não se manifestou sobre o episódio.

Nenhuma nota pública foi distribuída pela assessoria do presidente da República. Também não houve nenhuma postagem feita pelo próprio Jair Bolsonaro sobre o assunto nas redes sociais.

Um grupo de manifestantes retirados de um acampamento montado na Esplanada dos Ministérios causou tumulto e aglomeração, na noite do último sábado (13) em Brasília. Depois efetuaram disparos de fogos de artifício em direção ao prédio do STF (Supremo Tribunal Federal).

“O silêncio do presidente do presidente do país, diante do grave ataque a um Poder da República, é ensurdecedor. Soa como anuência. Eu gostaria de ver a manifestação de repúdio do chefe do Executivo Federal contra aquilo que é gravíssimo e que foi promovido por sua própria rede de apoio”, diz o parlamentar do Cidadania.

Arnaldo Jardim lembrou que Bolsonaro, diante das câmeras, prega o respeito às instituições, mas que nada tem feito para conter os insistentes ataques ao Judiciário e ao Congresso Nacional.

“Há uma minoria de desordeiros, apoiadores do bolsonarismo, que insiste em desafiar a lei, a Constituição e a democracia. Antes, este grupo lançava ofensas de todo tipo a ministros, parlamentares e outros chefes de poderes, mas neste fim de semana resolveram lançar rojões contra o prédio onde fica a sede do STF. Essa escalada nas agressões é grave e o presidente da República nada faz para contê-la”, acrescentou o deputado.

Cidadania se solidariza com STF após ataques de bolsonaristas à Corte

O presidente Nacional do Cidadania, Roberto Freire, manifestou solidariedade neste domingo (14), em nome do partido, ao Supremo Tribunal Federal, alvo de ataques na noite de sábado (13) perpetrados por bolsonaristas, que, em frente à sede da Corte, em Brasília, soltaram fogos e dirigiram xingamentos e ameaças aos ministros Cármen Lúcia, Rosa Weber, Dias Toffoli, Ricardo Lewandovsky e Gilmar Mendes.

“Patrocinados pelo presidente e por seus asseclas, essa turba de bolsonaristas se comporta como seu chefe, sem um mínimo de dignidade e nenhuma capacidade de entender como funciona uma democracia e como viver em sociedade. A tarefa de interpretar e guardar a Constituição cabe à Corte. Uma meia dúzia de milicianos em busca de holofotes não irá mudar isso”, disse Freire.

Ele elogiou nota publicada hoje pelo presidente do STF, Dias Toffoli, em defesa da instituição.

Leia abaixo o texto de Toffoli.

Nota oficial do Presidente do STF

Infelizmente, na noite de sábado, o Brasil vivenciou mais um ataque ao Supremo Tribunal Federal, que também simboliza um ataque a todas as instituições democraticamente constituídas.

Financiadas ilegalmente, essas atitudes têm sido reiteradas e estimuladas por uma minoria da população e por integrantes do próprio Estado, apesar da tentativa de diálogo que o Supremo Tribunal Federal tenta estabelecer com todos, Poderes, instituições e sociedade civil, em prol do progresso da nação brasileira.

O Supremo jamais se sujeitará, como não se sujeitou em toda a sua história, a nenhum tipo de ameaça, seja velada, indireta ou direta e continuará cumprindo a sua missão.

Guardião da Constituição, o Supremo Tribunal Federal repudia tais condutas e se socorrerá de todos os remédios, constitucional e legalmente postos, para sua defesa, de seus Ministros e da democracia brasileira.

Ministro Dias Toffoli

Presidente do Supremo Tribunal Federal e do Conselho Nacional de Justiça