Na busca por vacina para Covid-19, Cidadania articula acordo para destinar R$ 60 mi para ciência

O líder do Cidadania na Câmara dos Deputados, Arnaldo Jardim (SP), articulou um acordo na sessão do Congresso Nacional, realizada nesta quinta-feira (20), para que a União destine R$ 60 milhões para a área da ciência. A promessa de injeção de recursos para pesquisa vem em boa hora, já que estamos num momento em que o mundo busca uma vacina para combater a Covid-19.

Pelo acordo, o dinheiro deverá vir por meio de uma medida provisória. A negociação foi possível porque Arnaldo Jardim articulava a aprovação de emendas de sua autoria ao PLN 8. As propostas do parlamentar previam recursos para pesquisa no âmbito da Fiocruz, para a Capes e uma outra para fomento a projetos institucionais para pesquisas no setor de Saúde.

Durante a sessão do Congresso, o parlamentar ressaltou a importância de maior investimento na área.

“São recursos a mais para instituições que vão aprofundar o conhecimento na busca para descobrir a vacina contra o coronavírus”, disse Jardim.

Todas as emendas do líder do Cidadania têm o objetivo de dar condições aos órgãos atendidos de implementar ações de combate à Covid-19, em especial no que tange às pesquisas para a obtenção de vacina e tratamento contra o vírus.

A líder do partido no Senado, Eliziane Gama (MA), também participou das negociações na busca de soluções para incrementar os recursos para a área da saúde e pesquisa.

Cidadania quer derrubar veto de Bolsonaro que bloqueou verbas para pesquisa

“Toda vez que se interrompem os repasses de verbas para pesquisa e inovação, se corre o risco de perder tudo aquilo que foi investido”, diz o líder do partido na Câmara, Arnaldo Jardim (Foto: Reprodução)

O líder do Cidadania na Câmara, deputado federal Arnaldo Jardim (SP), disse que a bancada do partido na Casa quer derrubar o veto à emenda de sua autoria que proibiu que o governo bloqueasse verbas para pesquisa, reunidas no Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico e que são destinadas à Embrapa, Fiocruz, Ipea e IBGE.

Na justificativa do veto, o Palácio do Planalto alegou que não seria possível elevar o nível das despesas obrigatórias e reduzir os gastos discricionários, em que o governo gasta como quer.

“Vamos agir para derrubar o veto do presidente da República”, diz o deputado (Foto: Robson Gonçalves)

“Toda vez que se interrompem os repasses de verbas para pesquisa e inovação, se corre o risco de perder tudo aquilo que foi investido. Agora vamos agir para derrubar o veto do presidente da República e garantir que as verbas para esses setores não sejam suspensas”, afirmou o parlamentar.

O Congresso Nacional – deputados e senadores – se reúne nesta terça-feira em sessão para analisar este e os demais vetos presidenciais.

A emenda de Jardim garantia a continuidade dos investimentos em pesquisa e inovação para setores como a agropecuária, que é a atividade que apresenta mais alta taxa de retorno para o País. Cada real investido significa uma restituição de R$ 12 e R$ 16, segundo o líder do partido na Câmara.