Comercialização de remédios à base de cannabis dará maior qualidade de vida para quem precisa, diz Fabiano Tolentino

O deputado do Cidadania de Minas Gerais defende a urgente aprovação do projeto (Foto: Robson Gonçalves)

O deputado federal Fabiano Tolentino (Cidadania-MG) defendeu, nesta quarta-feira (20), a urgente aprovação do projeto que permite a comercialização de medicamentos feitos à base de cannabis (PL 399/2015). Para o parlamentar, que tem um irmão com problema de saúde e precisa do tratamento, a venda legal do produto, desde que seja feita com critérios rigorosos, “pode dar uma qualidade de vida muito melhor para quem precisa”.

Na visão do deputado, a Câmara Federal deve levar em consideração o ponto de vista das instituições policiais brasileiras, para regulamentar o comércio de forma responsável.

“O plantio de qualquer jeito talvez não traga o bem que precisamos. Mas temos que buscar o resultado concreto, porque tem muitas pessoas que precisam e elas estão buscando o produto no mercado negro”, disse.

A proposta, que altera a política nacional antidrogas (Lei 11343/2006) e permite a comercialização de medicamentos que contenham extratos, substratos ou partes da planta cannabis sativa em sua formulação, está sendo analisada pela comissão especial criada pelo presidente da Casa, deputado federal Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Caso seja aprovada, segue para análise do plenário e depois será votada no Senado, antes de ser encaminhada para sanção presidencial.

Precisamos colocar na cadeia aqueles que lesaram o País, diz Fabiano Tolentino

O deputado criticou o “voto de Minerva” do presidente do Supremo, Dias Toffoli, que decidiu pela prisão depois do trânsito em julgado (Foto: Robson Gonçalves)

O deputado federal Fabiano Tolentino (Cidadania-MG) disse, nesta segunda-feira (11), que o debate em torno da prisão em segunda instância tem que ser centrada em princípios e na ética.

“Às vezes a justiça não está na lei, mas nos princípios éticos, que é o que a maioria dos deputados busca nesta Comissão. Precisamos colocar na cadeia aqueles que lesaram  o nosso patrimônio, a nossa pátria e nos roubaram”, argumentou.

Ao analisar a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal), Tolentino disse que a maioria dos ministros decidiu como se o Brasil fosse um país do Primeiro Mundo.

“Aqui não é a Dinamarca ou a Suécia, onde a Justiça funciona”, analisou.

Ele questionou o “voto de Minerva” do presidente do Supremo, Dias Toffoli, que decidiu para que as prisões só aconteçam depois do trânsito em julgado.

“Aí vem o voto de Toffoli para acabar com a prisão em segunda instância. Logo ele, que foi indicado por Lula. Então, tem algo por trás disso aí. As pessoas já estão sendo soltas”, afirmou.

No final da fala, Fabiano Tolentino disse que o 7 de novembro, dia em que o STF mudou a interpretação sobre o assunto, será lembrado, com tristeza, pela sociedade.

“Nós temos tido no Brasil dias bons e dias ruins. Mas este 7 de novembro ficará marcado como Dias Toffoli, o pior da história recente deste País”, afirmou.