Mulheres do Cidadania aprovam moção de solidariedade à deputada Talíria Petrone

O 1º Encontro de Mulheres Jovens do Cidadania aprovou por unanimidade, neste domingo (30), em Brasília, moção de solidariedade à deputada federal Talíria Petrone (PSOL-RJ) pelo governo do Rio Janeiro ter negado escolta policial à parlamentar, vítima de ameaças de morte.

Em abril deste ano, a Polícia Federal obteve informações de conversas captadas na chamada “dark web”, segundo as quais um plano contra a vida da parlamentar estaria sendo elaborado desde 2018. Desde então, ela está sendo acompanhada por agentes da Polícia Legislativa em todos os lugares nos quais circula em Brasília.

“Repudiamos a inércia do Governo do estado do Rio de Janeiro, também manifestamos nosso sincero apoio e desejamos que as medidas cabíveis sejam tão logo tomadas pelo poder Executivo estadual”, diz a nota que segue abaixo.

MOÇÃO de SOLIDARIEDADE Nº 1 DO I ENCONTRO DE MULHERES JOVENS DO CIDADANIA 23 – DESENVOLVIDO ENTRE A SECRETARIA NACIONAL DE MULHERES DO CIDADANIA 23 (M23 – NACIONAL) E A JUVENTUDE DO CIDADANIA (J23 -NACIONAL)

Nós, MULHERES DO PARTIDO CIDADANIA, presentes no I ENCONTRO DE MULHERES JOVENS DO PARTIDO CIDADANIA manifestamos, a partir desta moção de solidariedade, nosso apoio a Deputada Federal TALÍRIA PETRONE do PSOL que diante da negligência do Governo Estadual do Estado do Rio de Janeiro vê-se impossibilitada de cumprir suas agendas políticas em virtude de ameaças de morte sofridas nos últimos meses, ameaças estas comprovadas e comunicadas pela Polícia Federal à parlamentar.

Para nós, Mulheres do partido Cidadania, o fortalecimento das instituições democráticas deve ser recepcionado enquanto um princípio republicado e portanto, nenhuma parlamentar pode ser ameaçada sem que haja uma premente resposta por parte das instituições democráticas, qual seja do poder Executivo, principalmente quando a resposta assegura a vida de uma congressista.

No início de 2019, dois ofícios foram enviados pela Câmara dos Deputados, o primeiro pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), em 23 de abril e que foi posteriormente negado pelo Governador Wilson Witzel (PSC). O segundo foi enviado pelo partido da Deputada Talíria Petrone, em 10 de maio de 2019, no entanto, até a presente data não há resposta.

Entendemos, portanto, que a negação da escolta policial da Deputada Federal Talíria Petrone por parte do Governo do Estado do Rio de Janeiro significa uma investida contra a democracia, repudiamos a inércia do Governo do estado do Rio de Janeiro, também manifestamos nosso sincero apoio e desejamos que as medidas cabíveis sejam tão logo tomadas pelo poder Executivo estadual.

Brasília, 30 de junho de 2019.