Em live com Freire e Soninha, Cidadania lança candidatura da líder indígena Silvana Terena em Campo Grande

Em live nesta sexta-feira (9), com a participação de diversos outros nomes do Cidadania, a líder indígena Silvana Terena lançou sua candidatura à vereadora da cidade de Campo Grande, Mato Grosso do Sul. Artesã, 45 anos, militante há 12 anos e há 5 à frente Subsecretaria de Políticas Públicas para População Indígena do Mato Grosso do Sul, Silvana Terena vê a candidatura como passo necessário e natural para que a população indígena esteja no centro da construção de políticas públicas.

“São 12 anos de caminhada colocando indígenas para sonhar com protagonismo na nossa historia política. São 5 anos de gestão no governo em que povos indígenas protagonizaram, elaborando o Plano Estadual de Políticas Públicas para a População Indígena. Precisamos ocupar mais os espaços, colocar o índio pra fazer leis que possam contemplar nosso povo. É por direitos que estamos lutando, pra ter voz, agora a voz de mulher”, discursou.

A estimativa é de que cerca de 73 mil índios de 8 etnias vivam em Mato Grosso do Sul – a maior população indígena do Brasil –, sendo 15 mil em Campo Grande. Silvana, que sempre monta seus comitês dentro da própria comunidade, disse que fez uma opção por representatividade. “Estamos aqui e quero ficar aqui mesmo eleita. É uma satisfação estar junto ao meu povo e mostrar que, se eu consigo, você consegue, nós conseguimos”, explicou.

A proposta é fazer, caso eleita, um mandato coletivo. “De construção, itinerante, que não fique dentro do gabinete, mas vá pra comunidade construir os projetos de interesse do nosso povo”, avisou. Ela aproveitou a ocasião para elogiar a parceria com o presidente municipal do Cidadania, Roberto Athayde, que foi vereador por quatro mandatos, e de quem ela foi assessora. “Ele entendeu que nós precisávamos aprender a arte da politica e nos ouvía atentamente”, destacou.

Soninha Francine, vereadora, candidata à reeleição

Vereadora do Cidadania e candidata à reeleição em São Paulo, Soninha Francine participou da live e disse compreender quem não gosta de política, mas ponderou que é preciso “amar política” porque ela é que permite a transformação social. Ela disse ter orgulho de dividir a caminhada com Silvana Terena.

“É na política que a gente tem poder. Entrei para ter mais poder do que tinha como jornalista, militante, ativista, poder pra transformar as coisas. E na politica a gente não tem poder sozinho, então a gente procura pessoas com quem a gente queira militar junto. E eu tenho muito orgulho de fazer parte da caminhada com Silvana Terena”, elogiou.

Coordenadora do Núcleo Mulheres 23 no estado, Marcia Ledesma disse que a história que o Cidadania quer construir na política passa pelo protagonismo das mulheres:

Ricardo Maia, presidente do Cidadania-MS, e Tereza Vitale, coordenadora nacional do M23

“Queremos construir o protagonismo e ele tem de chegar às mulheres indígenas, negras e ribeirinhas. Silvana tem a força de mãe, avó e mulher indígena”.

Tereza Vitale, coordenadora nacional do M23, foi na mesma linha. “Não só por ser mulher indígena, mas mulher indígena com a noção de toda a diversidade das mulheres, independentemente de raça, orientação sexual, idade, porque a maior parte dos nossos problemas está na violência contra a mulher,  no acesso a mercado de trabalho, no transporte publico. E a nossa luta é por todas”, ressaltou.

Presidente nacional do partido, Roberto Freire foi deputado constituinte e argumentou que a candidatura de Terena é uma afirmação de que o avanço da Constituição não ficou apenas na letra da lei.

“A grande referência que pode surgir é essa sua vitória aí. A dimensão e a importância de uma representação sua na Câmara Municipal serão imensas para os povos indígenas, para os vereadores da capital, para o Cidadania e para a política nacional. Você nos engrandece”, apontou.

Ricardo Maia, presidente estadual do Cidadania-MS, também sustentou que a candidatura significa que o partido entendeu o momento político que o país está vivendo.

O presidente Nacional do Cidadania, Roberto Freire

“Nada melhor do que a Silvana pra representar a autodeterminação dos povos indígenas. Representa essa bandeira da cidadania dos povos que foram oprimidos e que estão se colocando na politica pra transformar a politica e transformar nosso município, nosso estado, nosso pais”, comemorou.

Athayde Nery, presidente municipal do partido em Campo Grande e ex-vereador, também falou da importância da candidatura.

“Esse bairo aqui, que abriga o comitê Casa da Cidadania, é o Marçal de Souza, que foi grande liderança guarani e foi assassinado em Ponta Porã. Silvana mora aqui, no primeiro bairro da comunidade indígena urbana do país, um celeiro de lideranças indigenas. Conseguimos formar aqui o primeiro conselho municipal indígena, primeira coordenação indígena foi da Silvana, fizemos o plano. Essa nossa caminhada de formação é algo que estamos colocando na prática. Estamos confiantes na vitória”, finalizou.

Carmen Zanotto, Tânia Eberhart, Dra. Mayra e Nina Singer: mulheres do Cidadania nas eleições de 2020

Com cerca de 100 candidatas disputando as eleições para o Executivo municipal de suas cidades, o Cidadania busca garantir o protagonismo feminino com forte presença em cidades com mais de 100 mil habitantes. O partido tem nomes experientes na área de Saúde, um diferencial para os desafios do pós-pandemia. Entre elas está uma das parlamentares mais atuantes no Congresso Nacional: a deputada federal Carmen Zanotto (SC), candidata à Prefeitura de Lages, em Santa Catarina.

Carmen Zanotto, candidata do Cidadania à Prefeitura de Lages (SC)

Reconhecida nacionalmente por sua luta em defesa da saúde pública brasileira, contra a pobreza e injustiças sociais, a ex-vereadora e deputada federal por dois mandatos reúne a experiência necessária para levar um novo olhar para a administração da cidade. 

“Tenho trabalhado intensamente na Câmara, propondo leis que beneficiaram a vida não só dos catarinenses, mas de muitos brasileiros. Agora chegou a vez de fazer ainda mais pelos lageanos e serranos. Como prefeita, quero unir a experiência adquirida ao longo de uma vida pública de 30 anos com novas ideais e soluções”, afirma Carmen Zanotto, que é enfermeira de profissão e já foi secretária municipal e estadual de Saúde.

A candidata diz que, se for eleita em novembro, vai colocar em prática uma gestão moderna e enxuta para melhorar a qualidade da saúde em Lages e fomentar a geração de emprego e renda, aliada à projetos de assistência social no pós-pandemia. Também quer desenvolver a infraestrutura, o turismo e o meio ambiente.

“Meu propósito é desenvolver, ainda mais, a cidade onde nasci. Venho para inovar e trazer novas oportunidades para Lages. É preciso movimentar a economia local, colocando em prática toda a minha experiência e conhecimento”, comenta.

Joinville (SC)

Ainda em Santa Catarina, o Cidadania desponta com mais um nome importante na disputa da prefeitura de Joiville, a ex-vereadora Tânia Eberhart. Ex-secretária de Saúde de Santa Catarina, a candidata é idealizadora de diversas políticas públicas e acredita que apenas por meio da política é possível fazer as mudanças na administração municipal exigidas pela sociedade.

“O que me faz disputar a prefeitura é o amor que tenho pela minha cidade e o aprendizado que tive durante durante toda a minha vida pessoal e política. Apenas a política tem o potencial de transformar o mundo. Como sei que todo o saber técnico não pode fazer muito sem a política, é preciso estar nesse processo com o objetivo de impulsionar o desenvolvimento do município”, diz.

Tânia Eberhart, candidata à Prefeitura de Joinville (SC)

Entre as suas principais propostas, estão a reimplementação e reformulação das creches em período integral na cidade, a criação de oficinas nas escolas para crianças e adolescentes em vulnerabilidade, e o fortalecimento da cultura e do turismo local. 

“Vamos fazer o que foi feito por nós na década de 1960, que é implementar creches no município. Ao longo dos anos elas foram transformadas em jardins de infância de meio período. Somos uma cidade industrial e, por conta disso, muitas mulheres trabalham fora. Outra questão é o período integral. Lugar de criança é na escola”, aponta.

Um das propostas é criar oficinas no contraturno em vários bairros para crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade.vgt  A cultura e turismo também são fundamentais e trazem recursos para a cidade. Queremos voltar a estimular os dois setores. Além disso, enfrentamos um grande problema de mobilidade urbana que também merece uma atenção especial”, afirmou.

Limeira (SP)

Já em Limeira, o Cidadania disputará a prefeitura com a candidata Dra. Mayra Costa. Médica de profissão e vereadora em segundo mandato, a parlamentar acredita que a sua atuação profissional e no Legislativo municipal permitirá a construção de uma gestão inovadora na administração pública da cidade. 

Dra. Mayra Costa, candidata do Cidadania à Prefeitura de Limeira

“Os oito anos na vida pública, como vereadora e com a experiência adquirida nessa atuação política, me permitem ter um olhar mais cuidadoso. Hoje, compreendo as principais demandas da população. Isso possibilita a criação de uma nova experiência para o Executivo municipal, com uma forma nova de governabilidade”, ressalta.

Mayra Costa defende, dentre outras propostas de campanha, uma completa modernização da administração pública de Limeira.

“Queremos inovar e modernizar a administração pública municipal. Administrar cada vez melhor os recursos públicos, para proporcionar uma gestão eficiente e de qualidade. Modernizar os serviços públicos e desburocratizar a máquina. Focaremos nas prioridades exigidas pela população”, destaca.

São José dos Pinhais (PR)

Em São José dos Pinhais, o partido terá como candidata à prefeitura a assistente social Nina Singer. Sua atuação profissional em defesa dos menos favorecidos possibilitou conquistas significativas para a população da cidade nos últimos anos.

Nina Singer, candidata do Cidadania à Prefeitura de São José dos Pinhais

“Mais do que querer mudar, é preciso entender o que a sociedade precisa. Apenas com isso é possível planejar e moldar as ações que devem ser executadas. A premissa da nova gestão será trazer mudanças, pois nosso País passa por grandes transformações. Por isso, precisamos reafirmar nossa luta pela população e seus direitos sempre pautados em um planejamento estratégico”, sustenta.

Uma das principais bandeiras da candidatura de Nina Singer é a defesa de investimentos nas políticas voltadas ao bem estar da sociedade. 

“É preciso entender a fundo as necessidades da população e, a partir disso, desenvolver um plano de ação que, de fato, resolva e atinja de maneira positiva a vida das pessoas. O trabalho terá investimento em políticas de prevenção, desenvolvimento social, tecnológico e agrícola, englobando diversas áreas e especialidades que o município possui”, explica.

João Viana, jovem candidato do Cidadania em São Bernardo do Campo, é destaque no Estadão

Com apenas 20 anos, o estudante João Viana, um dos mais jovens candidatos do Cidadania nas eleições de novembro, foi destaque em reportagem do jornal O Estado de São Paulo desta segunda-feira (28). O texto aborda a chegada da chamada geração Z (nascidos após 1995) às urnas como candidatos.

“A gente pensa que o jovem é o futuro, mas o futuro se faz agora. O jovem é o presente”, diz ele, que disputará um mandato de vereador em São Bernardo do Campo, São Paulo.

Integrante do movimento cívico Acredito e formado na escola de renovação política RenovaBR, João Viana foca nas redes sociais e no voto jovem para alcançar o sonho de ser o mais jovem vereador da cidade. No Instagram, criou um projeto para mostrar o funcionamento da Câmara Municipal de São Bernardo chamado João e Câmara Secreta, uma referência ao universo de fantasia dos livros de Harry Potter, um imenso sucesso não apenas entre a geração Z.

Nas redes, ele conta que a ideia surgiu em 2018, quando ia à Câmara pra “aprender um pouco mais sobre a politica municipal, o que um vereador pode ou não fazer”.

“Mas o que aconteceu foi que eu cheguei lá e não me senti representado por nenhum dos vereadores. Pior do que isso, eu não me senti representado por nenhuma das práticas que havia lá dentro. Foi aí que eu decidi que eu queria mudar essa realidade”, avalia.

Para ele, a candidatura representa um passo na direção de aproximar “representantes e representados” e renovar as práticas políticas a partir de novas ideias. “Nas eleições de 2016, São Bernardo teve mais de 700 candidatos e só um deles tinha 20 anos de idade. A juventude está preparada pra assumir seu compromisso com o futuro. Mas isso não vai acontecer enquanto o vereador mais jovem da cidade tiver por volta de 40 anos”, observa.

“Não basta a gente reclamar da ineficiência dos políticos. A saída para os problemas das cidades, dos estados e do nosso país é pela política. Precisamos agir para eleger políticos que realmente sejam competentes e tenham compromisso com uma política cada vez mais conectada com as pessoas”, completa.

Acredito

João conta que no início discutia política e debatia a cidade nas redes, mas sentiu necessidade de transformar o ativismo digital em “ação política de fato”. Foi quando entrou no Acredito e começou a militar, inclusive cobrando os vereadores por redução na tarifa de ônibus, que sofreu aumentos em 2018 e 2019.

Mais recentemente se engajou na cobrança pela redução dos salários dos vereadores a fim de custear ações de combate à pandemia de Covid-19. Defende, ainda, quebra de privilégios de políticos, a conexão entre universidades e a Câmara de Vereadores, educação política para cidadãos comuns e ações como o IPTU Verde, que incentiva a adoção de práticas sustentáveis, como energia solar, por meio de descontos no imposto.

Sobre o Cidadania, ele diz que escolheu o partido pelo compromisso da legenda com a renovação política. “A boa política deve conter tanto o diálogo quanto a abertura pra renovação. E, no Cidadania, a gente vê desde o seu estatuto uma preocupação em equilibrar pautas sociais e pautas econômicas. Não tem como a gente pensar a economia sem pensar nas pessoas. São pautas complementares e não excludentes”, aponta.

Clique abaixo para ler a matéria do Estadão:

Forjada na instabilidade política, Geração Z estreia em eleições no Brasil

Débora Arenhart, Yula, Loreny e Samara Benício: forças do Cidadania nas eleições de 2020

O Cidadania terá grande protagonismo feminino nas eleições municipais neste ano, com quase 100 candidatas que disputarão o pleito para prefeita. Uma das vozes femininas que representarão o partido é a candidata a prefeita por Blumenau (SC), Débora França Arenhart. 

Débora Arenhart, candidata do Cidadania à Prefeitura de Blumenau (SC)

Há 18 anos, atua nas causas voltadas às mulheres, crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade, uma de suas bandeiras que dará continuidade, caso seja eleita. 

“Temos aqui em Blumenau uma parcela grande de pessoas vulneráveis e entendemos que a sociedade começa na criança, mas não podemos nos esquecer das mães que sofrem junto. Nossa bandeira é de luta pela pessoa, para lhes dar dignidade”, destaca Arenhart. 

Além de defender também a atenção à gestante, a candidata de Blumenau ressalta que uma de suas propostas é capacitar as mulheres para que possam conquistar autonomia financeira. “Assim não precisam mais depender de quem as agride moral e fisicamente”, defende. 

Para a candidata a prefeita de Poços de Caldas (MG), Yula Merola, saúde, educação e geração de emprego e renda são três eixos que devem ser trabalhados no pós-pandemia. 

Yula Merola, candidata do Cidadania à Prefeitura de Poços de Caldas

Na área da Saúde, uma das prioridades será zerar filas, por meio de mutirões de urgência, além de reduzir a mortalidade materna e infantil, com a ampliação de leitos de UTI adulto e neonatal. Para a Educação, Merola defende o uso da tecnologia, com acesso à internet a 100% das crianças, tanto na escola como em suas casas. No contexto da geração de emprego e renda, a candidata do Cidadania disse que pretende priorizar o setor de turismo. 

“Acreditamos em um modelo de gestão com foco em instrumentos de planejamento estratégico municipal respaldado por um diagnóstico preciso, monitorado por indicadores e metas. Este será o ponto que antecede a apresentação de soluções para a cidade em prazos médio e longo. Nosso horizonte é elevar Poços de Caldas a uma condição compatível com a importância de sua tradição histórica, cultural e econômica”, sustenta.

Loreny Roberto, candidata do Cidadania à Prefeitura de Taubaté

Em Taubaté (SP), a candidata a prefeita Loreny Roberto aposta na transparência para uma boa gestão. Ela, inclusive, é autora de uma lei que obriga a Prefeitura de Taubaté a divulgar a lista de pacientes que aguardam por consultas com médicos especialistas, exames e cirurgias na rede pública de saúde.

“Tento fazer as pessoas entenderem o orçamento, a qualidade do gasto do dinheiro do povo, que é de todos nós. Com cidadãos mais conscientes e exigentes é mais fácil termos serviços públicos de melhor qualidade e proporcionar uma vida melhor para eles. Precisamos de uma cidade mais justa, democrática, e esparramar cidadania pelo Brasil”, avalia.

Loreny também defende aproximar o cidadão de discussões que envolvem gastos públicos, para que elas possam cobrar serviços de melhor qualidade para a cidade.

“Consegui vencer o prefeito no Supremo Tribunal Federal, em que a ministra Carmen Lúcia julgou constitucional a minha lei, já que ele estava questionando na tentativa de não cumpri-la. A transparência ajuda a evitar o jeitinho, gente passando na frente, favorecimentos e a política do jeito errado, o que discordamos”, explica. 

Samara Benício, candidata do Cidadania à Prefeitura de Açailândia

Já a representante do Cidadania em Açailândia (MA), Samara Benício, pretende continuar trabalhando em prol das pessoas em situação de vulnerabilidade. “Sempre lutei para garantir os direitos dessas famílias”, diz a candidata, que carrega na bagagem profissional três anos como coordenadora do Centro de Referência de Assistência Social (Cras) no município.

Samara também fundou o instituto Força Mulher, que já capacitou mais de 9 mil mulheres para o mercado de trabalho com cursos profissionalizantes.

“Meu objetivo sempre foi garantir oportunidade, ensinar a população de Açailândia a empreender, garantindo a independência financeira. Como candidata a prefeita pelo Cidadania, teremos a oportunidade de fazermos mais pela nossa gente”, propõe.

Eleições 2020: Cidadania de Rondônia dá o exemplo e mulheres são maioria na chapa de vereadores em Porto Velho

A formação da chapa de vereadores do Cidadania de Porto Velho envia um recado a todo o país e aproxima o partido de uma maior representatividade da sociedade brasileira. A avaliação é da coordenadora do setorial de Mulheres do partido, Tereza Vitale. Na capital de Rondônia, 14 dos 25 nomes na disputa por uma vaga na Câmara Municipal são mulheres, entre elas, uma mulher trans, Renata Evans.

“Há aquela visão equivocada de que mulher não gosta de política. Taí a prova de que gostamos sim, só precisamos ser acolhidas pelos partidos”, aponta Tereza.

As mulheres também marcam presença na chapa que disputa a prefeitura da capital, com a tenente da Polícia Militar Heline Braga na vice do advogado Vinicius Miguel, que preside o Cidadania estadual.

“O partido entendeu que é necessário percorrer caminhos diferentes para chegar em lugares diferentes. E não teria como fazer isso sem contemplar a diversidade e a pluralidade”, elogia Anne Cleyanne, que coordena o setorial de Mulheres no estado.

Anne sustenta que foi preciso consolidar o setorial e mostrar que as mulheres participavam do processo decisório para elas “entenderem que existia um espaço que era delas de direito, para elas e por elas, que não tinham que se esforçar e provar o dobro para ser delas”. “O resultado não poderia ser melhor, foi formada uma plataforma de candidaturas espontâneas femininas, um bazeiro de sororidade”, resume.

Tereza vai na mesma linha e cita o lema já comum das mulheres, o de que o lugar da mulher é onde ela quiser.

“Abrimos o partido para os movimentos. Elas aprenderam que política é para homens e para mulheres. A questão mais importante nessa chapa é a da visibilidade. Porto Velho deu espaço e as mulheres superaram. Não precisa nem chegar a tanto. O que queremos é paridade. Aí, sim, teremos democracia verdadeira”, observa.

Igualdade e democracia

O candidato a prefeito do Cidadania na capital diz que a participação feminina no Estado foi parte da estratégia de renovação em consonância com o discurso de equidade que faz parte do programa do partido.

“Nós colocamos a mulher como prioridade, superando o modelo tradicional de que candidaturas femininas são apenas pra cumprir formalidade legal. Temos a igualdade como ponto central da democracia”, explica Vinicius Miguel.

A coordenadora nacional do setorial de Mulheres ainda vê esse sucesso, contudo, como conjuntural e diz esperar que essa abertura amplie definitivamente a participação feminina na política.

“Esperamos que perdure e chegue a 2022 levando mais mulheres para o Parlamento. Temos uma pauta enorme pra fazer jus aos nossos direitos, fora as questões universais para as quais estamos igualmente talhadas, como Economia, Segurança e Educação”, conclui Tereza.

Confira abaixo a lista de candidatas do Cidadania à Câmara Municipal de Porto Velho:

Em ampla aliança, João Vitor Xavier é o nome do Cidadania na disputa pela prefeitura de Belo Horizonte

Um dos mais queridos nomes do jornalismo esportivo mineiro, o deputado estadual João Vitor Xavier, conhecido por sua atuação na Rádio Itatiaia e na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, é a cara do Cidadania na disputa pela Prefeitura de Belo Horizonte, capital do estado. Com amplo leque de alianças, o parlamentar terá como vice o empresário Leonardo Bortoletto, do DEM, e o maior tempo de televisão entre os candidatos.

“É possível construir uma Belo Horizonte melhor. Depois da chuva vem o arco-íris. Podemos construir uma cidades mais alegre, menos carrancuda e menos arrogante. Uma [cidade] mais próxima, afetuosa e carinhosa. Essa é a cidade que cresci, que amo e que vivo. É a cidade que temos que devolver ao belo-horizontino”, defende ele, para quem, o Brasil e as relações sociais mudaram e, com elas, também o voto.

João Vitor espera que essa mudança se expresse também na vitória do Cidadania em novembro. Além do DEM, estão na chapa do parlamentar PSB, PSL, PL, PMN e PTB, numa demonstração de força logo na largada do processo eleitoral. Com esses partidos, buscará bater nas urnas o candidato à reeleição Alexandre Kalil (PSD), que toca a gestão, na avaliação dele, de forma ineficiente e sem fazer os investimentos necessários na cidade.

Como o momento é de crise, o candidato diz ser possível fazer Parcerias Público-Privadas (PPPs) que permitam maiores investimentos do setor privado desonerando a prefeitura de gastos, possibilitando, assim, alocar recursos em outras áreas deficitárias. A iniciativa garantiria a geração de empregos e o aquecimento da economia da cidade, aumentando, dessa forma, a arredação municipal.

Ele também pretende atrair fundos de investimento internacionais para projetos a curto, médio e, sobretudo, longo prazos. João Vitor criticou a falta de vontade do atual prefeito em aprofundar as PPPs em áreas como Educação, Saúde e Infraestrutura. E lembra que o modelo já existente e criado na gestão passada é eficiente, faltando apenas que Kalil executasse.

Aplicadas à Saúde, as PPPs, segundo o deputado, poderiam restruturar os postos de saúde da capital, extremamente importantes por representarem o primeiro local ao qual o cidadão recorre na busca por atendimento médico. Ele também quer repactuar a relação da prefeitura com os hospitais filantrópicos e trabalhar para colocar as consultas eletivas em ordem também por meio de parcerias com hospitais privados.

Projetos sociais

O deputado critica Kalil por manter confronto aberto com os governos federal e estadual, postura que, em sua visão, trouxe transtornos para toda a população, e diz que vai rever a relação a fim de abrir caminho para investimentos em infraestrutura em BH – entre outros, na área de saneamento básico.

Será necessário, contudo, eleger prioridades, observa, tendo em vista o grande volume de necessidades. Mas pondera que elas estariam melhor atendidas se houvesse uma boa gestão dos recursos. A cidade é umas das capitais com melhor arrecadação no Brasil: R$ 13 bilhões.

João Vitor também defende a retomada do projeto “Vila Rica”, voltado para a construção de moradias para pessoas de baixa renda, e a criação de projetos humanizados e individualizados para dar alternativas às pessoas em situação de rua, replicando iniciativas bem-sucedidas na área por outro prefeito do Cidadania, o de Vitória-ES, Luciano Rezende.

Perfil

João Vítor Xavier, 38 anos, foi eleito para o seu primeiro cargo público em 2008, como vereador por Belo Horizonte, e está, atualmente, no terceiro mandato como deputado estadual. Na Assembleia Legislativa, renunciou ao auxílio-moradia logo no primeiro dia de mandato, votou pelo fim do 14º e 15º salários para os parlamentares da Casa, pelo fim do pagamento de “horas extras” para os deputados e pelo fim do voto secreto na Casa.

Montes Claros e Divinópolis

Em Minas Gerais, o Cidadania também está na cabeça de chapa em duas cidades importantes: Montes Claros e Divinópolis. Em MOC, o nome é o de Humberto Souto, que disputa a reeleição, em ampla aliança fechada com outros 11 partidos: PSL, PSD, PDT, MDB, DEM, PSDB, Solidariedade, PTB, PSC, Patriota e Rede.

Em Divinópolis, o nome do partido é o do advogado Fabiano Tolentino, ex-vereador, ex-deputado estadual, ex-deputado federal e que também já foi secretário de Esportes do munícipio. Já fechou o apoio do PL. Tolentino defende transformar Divinópolis em uma cidade inteligente, desburocratizar os serviços, garantir novos investimentos, melhorar a Educação e valorizar o servidor público.

Cidadania de MG oficializa candidatura de Humberto Souto à reeleição em Montes Claros

O Cidadania de Minas Gerais oficializou, nesse sábado (12), o lançamento da candidatura de Humberto Souto à reeleição para a Prefeitura de Montes Claros (MG). A coligação “Pra Frente Sempre” é formada pelo PSL, Rede, Patriota, PSD, PDT, PSC e Solidariedade e terá como vice o ex-secretário de Obras e Infraestrutura, Guilherme Guimarães (PSL).

Ao falar aos participantes da convenção, realizada na Câmara Municipal da cidade, Humberto Souto argumentou que o objetivo da reeleição é continuar trabalhando, com seriedade e dedicação, por Montes Claros.

“Sou candidato à reeleição para evitar que o passado [político] retorne. Fizemos uma administração revolucionária e não a entregaremos para a velha política do clientelismo. O povo entendeu que é possível administrar uma cidade como Montes Claros mesmo com poucos recursos”, observou.

Souto defendeu a necessidade de uma reforma administrativa e de racionalizar os serviços em meio a um cenário de incertezas para o próximo ano em razão da pandemia de Covid-19.

“Vamos continuar trabalhando pelo resgate da dignidade do nosso povo com caráter e honra. Olhar papel por papel. Saber como o dinheiro está sendo gasto. Aceito essa nova candidatura para que possamos concluir o trabalho que já iniciamos. Queremos mostrar para a população que é possível construir uma cidade ainda melhor”, sustentou.

Presidente do partido em Minas Gerais, o deputado estadual João Vitor Xavier elogiou a força de vontade de Souto em continuar trabalhando por Montes Claros.

“Humberto Souto é um exemplo de gestor público. Homem de vida pública integra e honesta. Ele tem trabalho e serviço prestado por Minas Gerais. O que impressiona é a sua energia em lutar pelas causas do povo mineiro. Quem dera se todas as cidades no estado fossem comandadas por pessoas como ele”, avaliou

O presidente do Cidadania, Roberto Freire, disse que a gestão de Souto à frente de Montes Clareos deve levar a população a reelegê-lo prefeito mais uma vez. “Possui chance de ser reeleito devido à gestão séria que realizou. Não tenho dúvida de que essa caminhada é o recomeço de uma grande gestão e que será ainda melhor nos próximos quatro anos”, destacou.

Pré-candidato a vereador em Pelotas pelo Cidadania, Tauã Ney apresenta agenda para o município

Em live nesta sexta-feira (28), o pré-candidato a vereador em Pelotas pelo Cidadania, Tauã Ney, apresentou uma agenda para a retomada da economia no pós-pandemia. “São estratégias para tentar amenizar os impactos da pandemia. Não há dicotomia entre economia e saúde, elas precisam ser alavancadas igualmente”, destacou. A agenda tem três pilares, cada um com dois eixos. O primeiro é reposicionar Pelotas, com os eixos “revisão de leis, desburocratização e empreendedorismo” e “reescrever o plano diretor”.

“Tornar nosso município atraente para investimento e o desenvolvimento. A sugestão é criar um conselho, que teria como principal objetivo a revisão das leis. Outro instrumento de demonstrar que a cidade está partindo para a inovação e reinventando seus espaços é por meio do plano diretor”, disse Ney. O segundo pilar apresentado pelo pré-candidato é renovar as práticas municipais, com os eixos “reorganizar o patrimônio público”, e “transformar a cidade em um polo de consórcios”.

“Aqui, a questão é a eficiência no gasto público e responsabilidade com o dinheiro do pagador de impostos. Criamos dois caminhos: reorganizar o patrimônio público, identificar os prédios em uso e desuso, os que são alugados e fazer um contraponto para saber se vale reformar ou seguir alugando. Sobre o polo de consórcios, comprando em conjunto com outros municípios, temos dois vieses de diminuição do valor, que são quantidade e segurança”, sustentou o pré-candidato.

O terceiro pilar é redirecionar o controle para a população, com os eixos “vereador na palma da mão”, e “orçamento cidadão”. “O cidadão precisa ser mais partícipe da vida pública, não só em época de eleição. Uma iniciativa seria um aplicativo que fizesse o meio de campo entre o gabinete e a sociedade, levando mais eficiência e transparência para a sociedade. No orçamento cidadão, o município disponibilizaria parte do orçamento para que os moradores opinassem sobre a destinação”, sugeriu Ney.

Durante o encontro, a deputada estadual pelo Cidadania, Anny Ortiz, falou da importância da desburocratização, apontada pelo pré-candidato. “Não temos como voltar a crescer se tivermos a burocracia instalada nas formas como estão hoje. O nosso papel não é só apresentar leis, mas evitar que leis sejam criadas para dificultar a vida dos cidadãos”, ponderou.

Ortiz também comentou sobre a responsabilidade do parlamentar com o dinheiro público. “Essa fiscalização que o vereador deve exercer é fundamental e, principalmente, ajudar para que esses recursos sejam bem investidos”, afirmou.

O presidente nacional do Cidadania abordou a questão da capacidade legislativa do município. “Em alguns momentos temos um legislador municipal com competência maior do que os próprios deputados estaduais, porque há uma grande diminuição da autonomia dos estados da Federação. Temos um país tremendamente centralizador na União”, ressaltou.

Freire também disse ao pré-candidato que a compreensão da política é fundamental para a vida pública. “É uma grande iniciativa essa agenda, mas a sua perspectiva vai ser influenciada por outros vereadores e, fundamentalmente, pela prefeitura. Você vai ter que reagir como vereador fiscalizando o Executivo, mas a atividade política é fundamental. E mais, um vereador em Pelotas pode ter influência regional e no estado, porque a sua palavra pode repercutir politicamente”, disse.

O ex-parlamentar sugeriu que Ney acrescente na agenda como parte da desburocratização, um governo digital. “Coloque tudo na era da computação, na era digital. A rede está mudando a política, a democracia representativa e os governos estaduais, a União e prefeituras precisam estar conectados com este tempo e não estão. A burocracia surge disso e quebrar isto é transformar a cidade em inteligente e conectada com este novo mundo”, aconselhou.

Professor Nado: Forças políticas que fizeram 70 mil votos em 2016 se unem por São Leopoldo

Os partidos Cidadania, PP, PSDB e MDB decidiram se unir para apoiar a pré-candidatura do Professor Nado Teixeira a prefeito. A União por São Leopoldo foi firmada nesta quarta-feira (26) e visa a reunir o centro democrático da cidade para resgatar a dignidade do município, que amarga os piores índices de sua história.

As principais forças políticas entenderam que a união é fundamental e resolveram aliar-se para eleger Professor Nado e derrotar o desgoverno do PT.

Atualmente, São Leopoldo tem os piores números de todos os tempos. Somos o quinto município mais violento do estado, temos a vergonhosa nota de 4,3 no IDEB anos finais e a taxa de mortalidade infantil está em 11,6, o dobro do que é considerado aceitável pela OMS (Organização Mundial da Saúde). Além disso, 46% dos cidadãos da cidade têm tão somente ensino fundamental incompleto.

E a União por São Leopoldo tem propostas para solucionar esses problemas. Pretendemos informatizar e organizar todo sistema de saúde da cidade. Iremos trabalhar todos os dias para, com urgência, certificar o Centenário como Hospital Escola da Universidade, o que irá garantir um aumento de 60% do repasse federal por procedimento.

Na área da educação, vamos universalizar a Educação integral e a educação de jovens e adultos. Na segurança, vamos descentralizar a Guarda Municipal para acabar com a indústria da multa e reforçar o combate à violência nos bairros.

Essas são apenas algumas diretrizes de um amplo programa de governo que ainda está em formatação e apontará soluções para todas as áreas do nosso município.

A reivindicação para construir uma União por São Leopoldo está nas ruas. Assim nossas forças políticas, com responsabilidade pública, o que fizeram foi ouvir e seguir a orientação dos leopoldenses. A nossa São Leopoldo unida será capaz de retomar o caminho da dignidade e do desenvolvimento social econômico no futuro mandato do bicentenário da nossa cidade. ( Fonte: Assessoria).