Akson Rosa disputará eleição suplementar para a prefeitura de Camamu-BA

O Cidadania disputará, no dia 1º de setembro, em eleição suplementar, a prefeitura do município baiano de Camamu. O candidato do partido e vereador da cidade, Akson Rosa, afirmou que a população terá a oportunidade de optar por uma política nova e preocupada com as demandas da sociedade. Para ele, é preciso ter esperança para um amanhã melhor.

Akson Rosa é conhecido na cidade por sua luta pelas causas sociais. A candidatura do vereador conta com a simpatia de grande parte de seu grupo político e da população em geral.

A eleição suplementar ocorre devido a cassação do registro de candidatura da ex-prefeita de Camamu, Iona Queiroz, com base na Lei da Ficha Limpa em virtude de sua condenação por abuso de poder econômico na campanha eleitoral de 2008.

Para o presidente do Cidadania na Bahia, Joceval Rodrigues, a disputa em Camamu sinaliza as pretensões eleitorais do partido no estado da Bahia.

“O Cidadania está antenado com aquilo que emana da sociedade discutindo os anseios e propondo soluções. O Cidadania terá uma postura decisiva nas eleições municipais na Bahia. Daremos para a sociedade baiana novos prefeitos e vereadores com essa visão de cuidado com a sociedade. As eleição suplementar em Camamu é uma sinalização desse trabalho que estamos realizando em todo o estado”, disse.

Orlando Caldeira do Cidadania de MG é eleito o novo prefeito de Itabirito

A população de Itabirito, município localizado na região central de Minas Gerais, elegeu, neste último domingo (5), em eleição suplementar para a prefeitura da cidade, Orlando Amorim Caldeira, do Cidadania. Caldeira obteve 14.421 votos (53,87%) e terá como vice Elio da Mata Santos, também do Cidadania. Eles serão diplomados até o dia 23 de agosto e ficarão no cargo até dezembro de 2020.

Orlando Caldeira agradeceu a confiança dos eleitores e, sobretudo, dos militantes do partido no estado, em especial, ao dirigente Paulo Elisiário.

“Dedico está vitória ao nosso companheiro Paulo Elisiário, que na oportunidade da minha filiação no então PPS, era o nosso presidente. Ele dos despertou a vontade de fazermos diferente a nossa política local com a apresentação de propostas e ideias. Esta vitória é do Cidadania, que nos ajudou e despertou a possibilidade de vencer o impossível. Foram 12 anos de caminhada, mas afora o Cidadania 23 se desperta para um futuro melhor para nossa Itabirito”, disse.

O pleito foi realizado após o TRE-MG (Tribunal Regional Eleitoral) cassar os mandatos do ex-prefeito, Alex Salvador (PSD) e do vice, Wolbey Olveira (PSD). Eles foram acusados de abuso de poder econômico e captação ilícita de recursos financeiros na campanha eleitoral.

Na eleição suplementar ficou em segundo lugar a chapa formada por Arnaldo Pereira dos Santos (MDB) e Rodrigo do Porco (PSD), que receberam 11.568 votos (43,22%). Já a chapa formada por Luiz Niquini e Marina Pedrosa (Democracia Cristã) tiveram 779 votos (2,91%).

Candidato do Cidadania vence eleição suplementar em Iguaba Grande (RJ)

O vereador Vantoil Medeiros Martins, do Cidadania, venceu a eleição suplementar nesta domingo (02) para a prefeitura de Iguaba Grande, no Rio de Janeiro, com 5.118 votos. O novo prefeito vai governar a cidade da Região dos Lagos até 31 de dezembro de 2020. Ele é vereador no município e tem 43 anos.

“Obrigado pela confiança de cada um dos iguabenses que acreditaram na minha história, nas minhas propostas e me elegeram prefeito. Vou fazer nossa cidade ser destaque na Região do Lagos, resgatar o nosso município e melhorar de verdade a vida da população”, destacou Vantoil.

Em segundo lugar no pleito ficou o Suboficial Washington Tahim (PSL), com 3.188 votos; seguido de Rodolfinho Pedrosa (PR), com 2.842; Miqueias Gomes (MDB), com 2.675; e Jeffinho (PTC), com 502.

Sobre a atuação do candidato do PSL, partido do presidente Bolsonaro,  Vantoil diz ter visto uma campanha bastante profissionalizada, atípica em uma cidade do interior.

“Muito forte nas redes sociais e, na nossa concepção, abusaram das fake news”, comenta Vantoil, repetindo uma avaliação corriqueira sobre a disputa presidencial do ano passado.

Motivo da eleição suplementar

A cidade teve eleição suplementar por causa do indeferimento dos registros da prefeita Ana Grasiella Magalhães (PP) e do vice Leandro Coutinho (MDB), eleitos em 2016.

O TRE-RJ entendeu que a eleição de Grasiella configura o exercício de terceiro mandato consecutivo na chefia do Executivo municipal pelo mesmo grupo familiar, já que ela é nora do ex-prefeito Oscar Magalhães, que renunciou ao cargo em 2012.

O terceiro mandato por pessoas da mesma família é vedado pela legislação eleitoral.

Como o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) confirmou a decisão, as eleições suplementares chegaram a ser marcadas para outubro de 2018. Porém, uma liminar concedida pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski suspendeu o pleito.

Em março de 2019, a 2ª Turma do STF confirmou o indeferimento do registro da chapa vencedora para os cargos de prefeito e vice em 2016, autorizando a realização das novas eleições. (Com informações do TSE , G1 e Folha de S. Paulo)