“Dossiê 2020”: Luciano Rezende no #Suprapartidário

Site entrevista o atual prefeito de Vitória (ES), Luciano Rezende, do Cidadania, que faz da “gestão compartilhada” a marca de seu governo (Foto: Reprodução/PMV)

O #Suprapartidário dá continuidade a uma série de entrevistas sobre o atual momento do Brasil e as perspectivas para 2020.

Reunimos personalidades da política e da sociedade, dos mais variados partidos e das mais diversas tendências, para responder a uma sequência idêntica de cinco perguntas.

O #Dossiê2020 já apresentou entrevistas com Eduardo Jorge, Soninha Francine e Gilberto Natalini. Hoje é a vez do prefeito de Vitória, a capital do Espírito Santo, Luciano Rezende.

Nascido em Cachoeiro de Itapemirim, município famoso por ser a terra natal do cantor Roberto Carlos, o prefeito capixaba Luciano Santos Rezende está no seu segundo mandato (portanto, já reeleito uma vez, não pode ser candidato novamente nas eleições de 2020).

Filho de uma professora de escola pública e de um sapateiro, foi atleta campeão brasileiro e sul-americano de Remo e é médico formado pela Universidade Federal do Espírito Santo com Pós-graduação em Medicina Esportiva na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Em Vitória, atuou como médico da Prefeitura. Foi vereador por quatro mandatos (1995 a 2008), secretário municipal de Educação e de Saúde, secretário estadual de Esporte e Lazer e deputado estadual (2010 a 2012). Foi eleito prefeito de Vitória em 2012 e reeleito em 2016 pelo PPS (que desde março deste ano se tornou o #Cidadania23).

Faz da “gestão compartilhada” a marca da sua administração transformadora e reconhecida nacionalmente. A Educação e a Saúde de Vitória, por exemplo, foram eleitas as melhores do país no Ranking Cidades Inteligentes, pela Revista Exame/Urban System. Ainda no mesmo ranking, Vitória conquistou o primeiro lugar geral entre cidades até 500 mil habitantes na categoria Cidade Inteligente e Humana.

Já o Instituto Ethos, de São Paulo, elegeu sua gestão como a mais transparente entre as capitais do Brasil. A Folha de São Paulo divulgou o Ranking de Eficiência dos Municípios, onde Vitória também ficou em primeiro lugar entre as prefeituras que entregam mais Saúde, Educação e Saneamento com menos recursos.

Entre outras conquistas, Vitória se tornou uma das capitais mais seguras do país. A cidade registrou queda expressiva nos números de homicídios e ocorrências envolvendo uso e tráfico de drogas. O Cerco Inteligente de Segurança da Prefeitura de Vitória, que é a identificação de veículos por meio de câmeras, foi premiado como iniciativa inovadora para modernizar as cidades no Smart City Business Brazil Congress & Expo 2019, um dos principais eventos de negócios para cidades inteligentes.

O prefeito Luciano Rezende destaca que tem buscado mecanismos na área de tecnologia para prestar serviços e fazer com que Vitória tenha verdadeiramente uma gestão representativa e emblemática do século 21. “Além de horizontal e compartilhado, o governo precisa também ser RETO (Rápido, Eficiente, Transparente e Online)”, afirma.

“Assim, uma cidade inteligente faz mais com menos, faz melhor, faz para quem mais precisa e se torna uma cidade mais justa, mais humana e mais feliz. Atualmente, oferecemos cada vez mais serviços online aos moradores e trabalhamos para que todos esses serviços estejam na palma da mão”.

Cerco Inteligente de Segurança, agendamento online das consultas médicas e para os Centros de Referência em Assistência Social (CRAS), avaliação da alimentação escolar e dos serviços de saúde, confirmação das consultas agendadas para otimizar a oferta de vagas (Confirma Vitória), Botão do Pânico e Procon Online, entre outros, são alguns dos serviços inovadores instituídos na sua gestão.

Que momento é esse que o Brasil vive? A democracia corre riscos? Como fazer política diante de tamanho descrédito da população nos partidos e nas instituições?

O Brasil vive um momento que acompanha uma tendência mundial de diminuição da solidariedade, aumento da intolerância, discursos de solução mágica pra situações complexas, populismo, nacionalismo, a estupidez na moda… Essa é uma tendência, como se vê, acontecendo no mundo inteiro.

Porém, a democracia brasileira tem, na minha opinião, instituições e massa crítica da sociedade que fazem com que ela possa sobreviver a esse momento difícil que a gente observa em vários países do mundo.

É muito importante que os agentes políticos entendam que a população precisa de resultados. Pouco importa se o gestor é de esquerda, de direita, de cima, de baixo, ou de banda, ela quer saber se os seus desafios do dia-a-dia estão sendo resolvidos.

Aqui em Vitória a gente desenvolve a tese do governo RETO (Rápido, Eficiente, Transparente e Online) pra que a gente possa atender as demandas da população e fazer com que a crença na política possa voltar a ficar forte diante de resultados melhores apresentados por quem faz gestão pública.

Como enfrentar a atual polarização nas urnas, nas redes e nas ruas? O que propor e como vencer o ódio, o preconceito, a intolerância e as fake news?

Bom! Primeiro, o que é errado agora, era errado antes e será errado depois. O preconceito, a intolerância, o ódio, devem ser enfrentados, não com mais ódio, mais intolerância, mais preconceito, mas com argumentação e com coragem pra poder enfrentar o senso comum, o caminho mais simples, o caminho mais fácil, que às vezes se coloca e às vezes é muito difícil defender o que é correto quando se tem uma massa irritada, frustrada, mas é preciso que a gente faça esse enfrentamento.

As fake news não são um fenômeno novo. Elas não surgiram com as redes sociais. Elas ganharam um novo formato com as redes sociais, mas a mentira, a desinformação, a distorção de fatos sempre existiram e o agente político tem que ter coerência, tem que ter nas suas atitudes conexão com o seu discurso e enfrentar, como eu falei, com a argumentação sólida essas situações que se colocam.

Que situação teremos nas eleições municipais de 2020? Que tipo de diálogo e de composição na política e na sociedade são necessários para garantirmos a eleição de alguém digno para a Prefeitura e para a Câmara Municipal? Existe uma receita?

As eleições de 2020 são eleições municipais. O foco será no poder local. Portanto, apresentar candidatos que possam dialogar com a comunidade, enfrentando os desafios daquela comunidade vai ser fundamental. Tentar nacionalizar o debate pode não dar em nada, porque o que o cidadão quer é escolher o seu prefeito, que é um síndico da sua comunidade – e também os vereadores.

Isso tem que ser levado em consideração para que a gente possa dialogar com a comunidade dentro da expectativa dela, e não fazer um debate nacional no momento em que a escolha é local. É lógico que as coisas têm relação, mas precisa ter o foco no poder local e nos desafios locais.

Sendo uma pessoa influente e exercendo incontestável liderança, seu nome sempre é lembrado como opção para as eleições. Qual o seu projeto e as suas expectativas para 2020 e para 2022?

Eu digo aqui em Vitória que eu sou candidato, nesse momento, somente a cuidar de Vitória, a continuar cuidando de Vitória com muito carinho. O meu desejo é que a cidade de Vitória escolha um prefeito responsável, honesto, capaz de liderar essa cidade.

Vou trabalhar muito pra enfrentar as ameaças que estão surgindo no horizonte da cidade, para que a gente possa deixá-la em boas mãos. E tenho a intenção de continuar sendo bem avaliado. A última pesquisa feita agora nas capitais pelo Instituto Paraná nos deu 63,7% de aprovação e a nossa intenção é aumentar essa aprovação, até pra poder ter mais credibilidade pra poder apoiar algum candidato na eleição de 2020.

Que legado você, particularmente, gostaria de deixar para as futuras gerações com a sua trajetória e história política?

O legado já está colocado. Vitória se modernizou e se transformou numa cidade inovadora, com gestão fiscal exemplar e responsável. Tivemos ações que mudaram a forma de prestar serviço público. A cidade está toda conectada e online, se tornou a cidade inteligente.

Os serviços da Prefeitura estão cada vez mais online, dispensando filas, sofrimento físico em repartições. A Prefeitura de Vitória facilitou a vida de quem empreende se tornando a melhor capital pra se empreender no país, segundo a revista Exame. Os fiscais em Vitória não recebem por multa aplicada, só recebem quando cooperam com o empreendedor. Isso é revolucionário e será um caminho que o Brasil todo vai ter que seguir.

A mobilidade na cidade foi toda modernizada. Nós demos prioridade ao transporte coletivo, às bicicletas, calçadas cidadãs, colocamos estacionamentos rotativos em toda a cidade pra acabar com a rua sendo privatizada por quem utilizava a rua como garagem… Enfim, e uma gestão fiscal séria, honesta, transparente, que marca a nossa gestão. É uma gestão que ficará marcada com uma gestão inovadora, séria, e que transformou a cidade de Vitória. Inclusive, colocou a cidade de Vitória como um dos pólos de destinos turísticos mais importantes do País.

A democracia vem sendo vilipendiada faz tempo, diz Soninha ao #Suprapartidário

Para a vereadora do Cidadania de São Paulo, não foi Bolsonaro que inaugurou a intolerância de quem pensa diferente, mas o governo do PT (Foto: Reprodução/Facebook)

“Dossiê 2020”: Soninha Francine no #Suprapartidário

O #Suprapartidário dá continuidade a uma série de entrevistas sobre o atual momento do Brasil e as perspectivas para 2020.

Reunimos personalidades da política, dos mais variados partidos e das mais diversas tendências, para responder a uma sequência idêntica de cinco perguntas.

O #Dossiê2020 começou na semana passada com Eduardo Jorge. Hoje é a vez de Soninha Francine.

Vereadora de São Paulo pelo Cidadania, Soninha Francine Gaspar Marmo já foi duas vezes candidata à Prefeitura pelo PPS, secretária municipal de Assistência e Desenvolvimento Social, subprefeita da Lapa, superintendente da Sutaco (Subsecretaria do Trabalho Artesanal nas Comunidades do Estado de São Paulo) e coordenadora de Políticas para a Diversidade.

Fez Magistério e Cinema na ECA-USP. Jornalista, ex-produtora, redatora e apresentadora da MTV, ex-debatedora do “Saia Justa”, colunista de jornais e revistas, comentarista esportiva no rádio e na TV, escritora, blogueira, cicloativista, budista. Soninha é dona de uma personalidade marcante e singular. Foi eleita para o primeiro mandato de vereadora em 2004 pelo PT. Em 2007, “totalmente desgostosa da orientação geral do partido”, nas palavras dela própria, migrou para o PPS (atual #Cidadania23).

Que momento é esse que o Brasil vive? A democracia corre riscos? Como fazer política diante de tamanho descrédito da população nos partidos e nas instituições?

Compreendendo o descrédito e suas razões… Aceitando as críticas (fundamentadas) à classe política (em vez de nos defendermos obtusamente), e buscando verdadeiramente melhorar nossa conduta (transparência, honestidade, responsabilidade).

A democracia vem sendo vilipendiada faz tempo; Bolsonaro não inaugurou a intolerância a quem pensa diferente. Ela começou a ganhar escala nos anos de governo petista, principalmente depois do segundo mandato do Lula e seu uso pornográfico da máquina pública em favor da eleição de Dilma e seus aliados, do favorecimento “nunca dantes” tão magnífico a grandes grupos empresariais e personagens nefastos de nossa história – ao mesmo tempo em que os adversários eram sempre tratados como inimigos – não só do governo, mas dos pobres, da inclusão, da Justiça Social.

Opor-se ao PT foi equiparado a ser elitista, imperialista, insensível. Aí o pêndulo se movimentou para a outra extremidade e chegamos a Bolsonaro. Apesar disso tudo, de milícias virtuais, de violência moral e física, de abuso de poder e deboche das instituições… Temos eleições, temos instituições resilientes, temos imprensa razoavelmente rebelde, temos até mesmo avanços históricos!!!

Nesse contexto maluco, extremado, observamos avanços na pauta LGBT, por exemplo; no enfrentamento à violência contra a mulher; na normatização sobre uso terapêutico de cannabis. Se sobrevivermos à devastação ambiental, isto é, se sobrevivermos como espécie, a democracia nos acompanhará como uma bendição.

Como enfrentar a atual polarização nas urnas, nas redes e nas ruas? O que propor e como vencer o ódio, o preconceito, a intolerância e as fake news?

As ruas só são polarizadas quando as redes transbordam para elas; quando as urnas estão chegando perto. Eleições culminam, inevitavelmente – a menos que não haja segundo turno – em duas opções se antagonizando. Redes sociais (whatsapp inclusive), até mesmo pela falta de empatia inerente a pessoas que não se vêem enquanto falam, também tornam tudo mais extremado. Mas as ruas, passeatas excluídas, não!

Somos muito mais “misturados” do que internet e eleições fazem parecer. Assim como meninas que cantam músicas evangélicas também vão ao pancadão, quem admira a Janaína Paschoal pode achar o Suplicy um grande cara. Às vezes achamos isso muito incoerente, mas talvez devêssemos achar compreensível, até saudável.

Para vencer a intolerância, só posso recomendar firmeza, paciência e perseverança. Odiar o outro, acusar o outro de fascista, machista etc. não constrói pontes, só aumenta os muros. Prefiro explicar, ouvir, explicar de novo, compreender, tentar demonstrar para o outro que ele pode discordar de mim sem me odiar – tanto quanto eu mesma não o odeio por pensar diferente.

Que situação teremos nas eleições municipais de 2020? Que tipo de diálogo e de composição na política e na sociedade são necessários para garantirmos a eleição de alguém digno para a Prefeitura e para a Câmara Municipal? Existe uma receita?

Acredito que estamos vivendo um momento de transição, em que muitos ainda votam pensando em interesses pessoais e locais (ou muito estreitos), mas um número cada vez maior de pessoas escolhe candidatas e candidatos por afinidade com sua postura, propostas e área de atuação. Do meu primeiro mandato (2005-2009) para esse, a Câmara ganhou muito em diversidade e respeito a divergências. Sintomaticamente, passamos de cinco para onze mulheres na última eleição…

Sendo uma pessoa influente e exercendo incontestável liderança, seu nome sempre é lembrado como opção para as eleições. Qual o seu projeto e as suas expectativas para 2020 e para 2022?

Quero mais um mandato como vereadora, espero conseguir (rs). Talvez seja candidata à Câmara Federal em 2022 – e gostaria muito de ser prefeita em 2025 😀

Que legado você, particularmente, gostaria de deixar para as futuras gerações com a sua trajetória e história política?

A certeza de que as coisas podem ser como acreditamos que devem ser, desde que a gente realmente se esforce e persista nessa direção. (#Suprapartidário)