Mesmo com queda de juros, bancos não repassam redução aos clientes

Bancos ainda não repassaram queda da Selic a clientes

Mas os juros médios cobrados nos empréstimos a empresas e pessoas físicas caíram apenas 0,6 ponto percentual, de 38,5% ao ano para 37,9% ao ano

Alex Ribeiro e Estevão Taiar — Valor Econômico

As instituições financeiras ainda não repassaram para os seus clientes a queda nos custos de captação provocada pela redução recente nos juros básicos da economia, mostram dados divulgados ontem pelo Banco Central.

A remuneração paga pelos bancos para captar recursos dos seus clientes caiu 1,1 ponto percentual entre maio e agosto, de 7,4% ao ano para 6,3% ao ano. Mas os juros médios cobrados nos empréstimos a empresas e pessoas físicas caíram apenas 0,6 ponto percentual, de 38,5% ao ano para 37,9% ao ano.

A diferença entre a queda dos custos de captação e dos empréstimos engordou a margem bruta dos bancos. O chamado spread bancário subiu 0,5 ponto percentual no período, de 31,1 pontos percentuais para 31,6 pontos percentuais. Os dados incluem apenas o chamado crédito livre, ou seja, a parcela do empréstimo em que os bancos têm liberdade para fixar os percentuais pagos a depositantes e cobrados dos tomadores de empréstimos – e que, na teoria, deveriam refletir o nível de competição no sistema financeiro.

Os custos de captação dos bancos caíram depois que o BC passou a dar os primeiros sinais de que iria retomar o ciclo de cortes de juros, em junho. A política monetária mais acomodatícia derrubou os juros futuros negociados no mercado financeiro, que servem de referência para a remuneração paga pelos bancos a seus depositantes e para captar recursos de algumas fontes.

Em algumas linhas de crédito, os juros chegaram a subir, em vez de cair. É o caso do crédito rotativo no cartão de crédito, cuja taxa saltou de 299,8% ao ano para 307,2% ao ano, entre maio e agosto. O custo do crédito rotativo regular do cartão de crédito, em que o cliente faz o pagamento mínimo de sua fatura, teve alta expressiva entre julho e agosto, de 283,7% ao ano para 289% ao ano.

A exceção no período foi a queda dos juros no cheque especial, que passaram de 318,7% ao ano em julho para 306,9% ao ano. Em boa medida, essa taxa caiu em virtude dos cortes de juros feitos pela Caixa Econômica Federal.

Quando se considera o conjunto do crédito bancário, as taxas de juros tiveram uma alta de 0,8 ponto percentual no período de 12 meses até agosto. Os juros subiram apesar de a taxa do crédito livre ter ficado estável no período e o custo médio do crédito direcionado ter apresentado uma pequena queda, de 0,1 ponto percentual.

O custo global médio dos empréstimos subiu devido ao chamado efeito composição. O crédito livre — que tem taxas de juros mais alta – está crescendo de forma mais acelerada do que o crédito direcionado, que tem juros menores. A redução da participação do crédito direcionado na economia é um reflexo da política adotada desde o governo Temer de liberalizar o mercado de crédito, flexibilizando regras anteriores de direcionamento dos empréstimos.

O BC vem sustentando que uma parte das empresas passou a tomar financiamentos no mercado de capitais, a taxas mais baixas. Mas ainda não existem estatísticas consolidadas dos juros dessas operações para acompanhar a evolução dos custos de financiamento globais.

Olhando os dados num prazo mais longo de tempo, porém, os bancos repassaram aos clientes a queda dos juros básicos. De outubro de 2016 a agosto de 2019, o BC cortou os juros básicos da economia em 10,5 pontos percentuais, de 16,5% ao ano para 6% ao ano (na semana passada, baixou mais, para 5,5% ao ano). No mesmo período, os custos do crédito livre caíram 16 pontos percentuais, de 53,8% ao ano para 37,9% ao ano.

Além da queda da Selic, a baixa ocorrida nesse período mais amplo reflete também mudanças estruturais no mercado de crédito, como medidas do BC no rotativo do cartão de crédito.