Cidadania-SC enaltece indicação de Carmen Zanotto entre os 100 parlamentares mais influentes do Congresso

Parlamentar foi selecionada como uma parlamentar de articulação e organização (Robson Gonçalves)

A deputada federal Carmen Zanotto (Cidadania-SC) figura na 26ª edição de Os “Cabeças” do Congresso” como uma das cem parlamentares mais influentes no Congresso Nacional. A publicação é referência e leitura obrigatória entre parlamentares, autoridades do Poder Executivo, dirigentes partidários, sindicais e empresariais, estudiosos, formadores de opinião e demais interessados no processo decisório no Poder Legislativo.

O DIAP é o Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar, fundado em 19 de dezembro de 1983, para atuar junto aos Poderes da República, em especial no Congresso Nacional, com vistas à institucionalização e transformação em normas legais das reivindicações predominantes, majoritárias e consensuais do movimento sindical. A metodologia utilizada, os critérios adotados, a ausência de vícios ou preferências na indicação dos nomes, aliados à experiência e seriedade da equipe técnica, são a garantia de tratar-se de um trabalho diligente e criterioso, dotado de alto grau de credibilidade.

Articuladora/Organizadora

Carmen Zanotto foi selecionada como uma parlamentar de articulação e organização, ou seja, que tem excelente trânsito nas diversas correntes políticas, cuja facilidade de interpretar o pensamento da maioria os credencia a ordenar e criar as condições para o consenso.

Conforme o DIAP, muitos deles exercem um poder invisível entre seus colegas de bancada, sem aparecer na imprensa ou nos debates de plenários e comissões. Como interlocutores dos líderes de opinião, encarregam-se de difundir e sustentar as decisões ou intenções dos formadores de opinião, formando uma massa de apoio à iniciativa dos dirigentes dos grupos políticos a que pertencem. Normalmente, têm livre acesso aos bastidores, ao poder institucional e alto grau de fidelidade às diretrizes partidárias ou ideológicas do grupo político que integram. Não são necessariamente eruditos, intelectuais, mas possuem instinto político e o dom da síntese

Dirigentes estaduais emitem mensagens

Ao receber a notícia a prefeita de Fraiburgo, Claudete Gheller Mathias (Cidadania) uma das principais lideranças do Partido em Santa Catarina, fez questão de registrar a importância da parlamentar catarinense, “a Deputada Carmen Zanotto representa para nossa Santa Catarina e para nosso partido Cidadania além de grande articuladora mulher determinada de fibra dedicada incansável e nos enche de orgulho. Obrigada, obrigada Deputada Carmen”, enalteceu a prefeita.

Para o vereador Fabrício Marinho, de Itajaí, 1º Vice-presidente do Cidadania-SC, a Deputada Carmen é atuante e comprometida não só com a região dela, mas com toda Santa Catarina. “Itajaí tem muito a agradecê-la, especialmente nas áreas da saúde, assistência social e habitação. Como vereador, eu me espelho na atuação parlamentar dela”, disse Marinho. Para o vereador Joceli Nazari, de Balneário Camboriú, e 2º Vice-presidente estadual, ao enaltecer merecido reconhecimento nacional da deputada federal Carmen Zanotto, que tem realizado em prol a defesa de política pública fundamental para a vida das pessoas, garantindo o direito de cidadania, expressou-se dizendo: “eu como vereador de Balneário Camboriú tenho muito a agradecer por tudo o que ela tem nos ajudado, principalmente na área da saúde”, destacou.

Já o vereador Maurício Batalha, uma das principais lideranças do Cidadania em Lages, e 3º Vice-presidente estadual do Partido, ao receber a informação publicou a seguinte mensagem: “Como Vereador e representante do Cidadania na Câmara de Vereadores de Lages, é motivo de muito orgulho para todos nós Lageanos, Serranos e Catarinenses, receber a notícia de que a Deputada Carmen Zanotto consta da seleta lista de influenciadores no Congresso Nacional. De fato, o nosso Partido incorpora o espírito de equilíbrio, convergência e coerência no Parlamento, ainda mais quando é reconhecido numa entidade de grande respeitabilidade como o DIAP. Parabéns Deputada Carmen, a Senhora me representa”, finaliza Batalha.

“A Deputada Carmem é um orgulho para o nosso estado. Comprometida com cada cidadão, ela enobrece a figura política, que anda tão desgastada, com sua incansável atuação parlamentar. Ela nos faz acreditar que ainda temos políticos corretos e que lutam pelos anseios da população, além claro de ser mulher ocupando o seu espaço com maestria e provando a todos que lugar de mulher é onde ela quiser”, expressou Talien Stofelli, Secretária Estadual de Mulheres/M23SC. Já a Juventude, J23SC, expressou-se assim: “Carmen Zanotto tem uma sensibilidade e capacidade de articulação ímpar. Desapegada de ideologias e com boas práticas políticas, ela consegue ouvir a população e os parlamentares conduzindo o congresso a pautas realmente importantes para o bem-estar social. Isso reflete diretamente na nossa juventude, que inspirada na sua postura e seus projetos, vem buscando através do debate democrático e da diversidade de pensamento, colaborar com a construção de uma boa política que vá além dessa polarização que vivemos hoje”, enalteceram as jovens lideranças do Cidadania.(Assessoria de Comunicação do Cidadania-SC)

Carmen Zanotto pede mais participação social na revisão de portaria sobre câncer

Em audiência pública na Comissão de Seguridade Social da Câmara, a deputada federal Carmen Zanotto (Cidadania-SC) cobrou a participação de especialistas e da sociedade civil no grupo de trabalho do Ministério da Saúde que está debatendo a atualização das Diretrizes Diagnósticas e Terapêuticas do Câncer de Cabeça e Pescoço.

“A sociedade civil não está participando da revisão da Portaria 140. Quero aqui fazer um apelo: não publiquem essa portaria sem ouvir todos os atores envolvidos”, disse, ao se dirigir aos representantes do Ministério da Saúde.

Carmen Zanotto reforçou que a participação dos especialistas, das sociedades médicas e dos grupos de apoio aos pacientes é importante na elaboração das diretrizes. “O diálogo e o trabalho conjunto são essenciais”, acrescentou a presidente da Frente Parlamentar Mista da Saúde.

A audiência debateu o projeto que institui o Estatuto da Pessoa com Câncer.

A deputada disse que não é raro ouvir , em audiências públicas, reclamação da parte dos oncologistas, radioterapeutas e representantes dos pacientes.

Carmen Zanotto defendeu ainda que o Ministério da Saúde promova debate sobre o tema em parceria com os Ministérios da Mulher, da Família e Direitos Humanos e da Cidadania.

Em seminário sobre câncer de cabeça e pescoço, Carmen Zanotto alerta para falta de tratamento

Com o tema “O câncer está na cara, mas às vezes você não vê!”, foi realizado, nesta quinta-feira (11), na Câmara dos Deputados, seminário que debateu os problemas enfrentados pelos pacientes diagnosticados com câncer de cabeça e pescoço na busca por atendimento no SUS (Sistema Único de Saúde).

Câncer de cabeça e pescoço é o nome comum dos tumores que nascem na região das vias aerodigestivas, como amígdalas, boca, bochechas, faringe , gengivas, laringe e línguas.

O evento deu início à Campanha Julho Verde, de  prevenção contra a doença. O Dia Mundial de Conscientização e Combate ao Câncer de Cabeça e Pescoço é celebrado no próximo dia 27 de julho.

As reclamações dos participantes foram desde a falta de diagnóstico precoce ao não-fornecimento gratuito de próteses pelo Sistema.

Para a deputada federal Carmen Zanotto (Cidadania-SC), autora do requerimento para a realização do seminário, os debates mostraram que o tema, um ano depois da realização de debate na Comissão de Seguridade Social, continua a merecer atenção especial da Casa.

“Infelizmente, este seminário mostrou que precisamos avançar para melhorar o diagnóstico precoce e garantir o tratamento na rede pública de saúde. A luta da sociedade civil é gigantesca. O papel desta Casa é fortalecer o diálogo com o Ministério da Saúde. Não podemos continuar a perder precocemente vidas porque não foi lhes foi o tratamento”, afirmou a presidente da Frente Parlamentar Mista da Saúde.

De acordo com o Inca (Instituto Nacional do Câncer), o câncer de cabeça e pescoço é o quarto tipo de câncer com maior incidência entre as mulheres neste ano de 2019. Estima-se que sejam diagnosticados 640 mil novos casos de câncer no país.

O seminário contou com a participação de especialistas,representantes do Ministério da Saúde e da sociedade civil e alunos de fonoaudiologia.

Câncer de cabeça e pescoço: É preciso melhorar o diagnóstico e garantir o tratamento, diz Carmen Zanotto

A pedido de Carmen Zanotto,  Câmara realizará seminário para debater câncer de cabeça e pescoço

A Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara aprovou nesta quarta-feira (15) requerimento para realização de seminário para discutir, com especialistas, sociedade civil e governo, políticas públicas direcionadas para prevenção e tratamento do câncer de cabeça e pescoço.

O pedido é de autoria da deputada federal Carmen Zanotto (Cidadania-SC), que presidente a Frente Parlamentar Mista da Saúde.

A estimativa do Inca (Instituto Nacional do Câncer) prevista para 2018 era de 31.980 novos casos de câncer cabeça e pescoço, sendo 14.700 novos casos de cavidade oral; outros 9.610 de tireoide e 7.670 de laringe.

“Apesar da incidência, a população ainda é pouco informada sobre esse tipo de câncer. É uma doença cercada de muito estigma e preconceito porque, em muitos casos, é necessária a mutilação do paciente. Isso faz com que muitos pacientes se afastem do convívio e sejam discriminadas pela sociedade”, explicou  Carmen Zanotto na justificativa do requerimento.

No seminário, será apresentada proposta de revisão da Diretriz Diagnóstica e Terapêutica do Câncer de Cabeça e Pescoço do Ministério da Saúde, que foi elaborada por um grupo de trabalho que contempla a participação de 19 sociedades médicas do país.

Ainda segundo o Inca, os tumores de e pescoço são mais frequentes em homens na faixa dos 60 anos de idade. Nas décadas de 1980 e 1990, 80% dos pacientes eram fumantes e etilistas com idade superior a 50 anos. Nos últimos anos , houve um aumento considerável de jovens diagnosticados com a doença.

“Infelizmente, na maioria dos casos, o diagnóstico continua tardio. De quatro diagnósticos de câncer de cabeça e pescoço, três são feitos em estágios avançados, quando as chances de cura da doença são menores”, afirmou Carmen Zanotto.