Nota de pesar – Fausto Mato Grosso, militante histórico do PCB ao Cidadania

Nota de pesar

O Cidadania lamenta profundamente a perda de seu filiado e militante histórico Fausto Mato Grosso. Engenheiro civil, professor e ex-pró-reitor de Extensão e Assuntos Estudantis da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS), Fausto foi um homem sério e íntegro, que, desde os tempos de PCB, soube compreender a complexidade da sociedade brasileira, sem jamais ficar parado no tempo. Ajudou a construir não apenas o partidos que o antecederam, mas também o atual Cidadania, mostra de seu desprendimento intelectual e político. Sempre com um olhar no futuro, jamais se perdeu dos ideais humanistas do velho partidão. Em recente livro, dedicou-se a contar histórias da construção do comunismo no Mato Grosso do Sul. Registros que, sem a sua memória escrita, se perderiam, como disse, na “poeira da vida”. Fausto estará sempre presente. A Maria Augusta, sua esposa, aos familiares e aos tantos amigos que tiveram a honra de conhecê-lo, os nossos sentimentos.

Roberto Freire
Presidente Nacional do Cidadania

Nota oficial – Chacina no Rio e assassinato de Genivaldo de Jesus

Nota oficial

O Cidadania alerta as autoridades do Estado brasileiro e pede a ação do Ministério Público Federal e das direções da Polícia Rodoviária Federal e da Polícia Federal a fim de conter a contaminação das forças de segurança pela violência típica das milícias.

São degradantes e atentatórias aos Direitos Humanos e à Constituição Federal as ações que resultaram no assassinato de Genivaldo de Jesus por agentes da PRF em uma sessão de tortura e na chacina de 23 brasileiros na Vila Cruzeiro – entre eles a cabeleireira Gabriella Cunha, de 41 anos, o mototaxista José Ricardo, de 27 anos, e o jovem João Arruda, de apenas 16 anos.

Um “confronto” em que morrem 23 pessoas não pode ser considerado um êxito e precisa ser investigado sob pena de o Estado estar atuando a favor de disputas territoriais entre milicianos e traficantes, que controlam 96 dos 163 bairros e subjugam mais da metade da população da capital fluminense.

É importante lembrar que o presidente Jair Bolsonaro não apenas disse que interferiria na Polícia Federal, com foco no Rio de Janeiro, como de fato interferiu. E que, segundo informam os jornais, o chefe de tal “operação” por parte da PRF será promovido à superintendência do órgão no Estado.

Quanto à atuação dos agentes da PRF em Sergipe, quando transformaram um camburão em uma câmara de gás, torturaram e asfixiaram o cidadão Genivaldo de Jesus, empregando meios flagrantemente ilegais contra uma pessoa com deficiência mental, os perpetradores já deveriam estar presos.

São um risco à sociedade. Sua atuação é também moralmente condenável. Qualquer um que se diga cristão não pode ficar impassível ou concordar com essa barbaridade, que encontra inspiração e norte moral no presidente da República, um incentivador desse tipo de comportamento. Messias tem sua parcela de culpa na morte de Jesus.

É evidente que não se trata das corporações, mas de indivíduos claramente despreparados para a profissão e até para o convívio em sociedade. Por isso mesmo, tais desvios tem de ser veementemente repelidos, condenados e exemplarmente punidos.

É passada a hora de a União assumir a parcela que lhe cabe na Segurança Pública brasileira e que o faça, como propõe a pré-candidata Simone Tebet, por meio de um Ministério, institucionalizando a ação, e não a partir de operações isoladas e sujeitas a interferências políticas.

Roberto Freire
Presidente Nacional do Cidadania

Eliziane Gama participa de Fórum de Lideranças Indígenas Yanomâmi

Senadora defende apuração rigorosa contra o garimpo em reservas indígenas do País (Foto: Reprodução/Internet)

A senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) participa a partir desta segunda-feira (23), em Roraima, do ‘3º Fórum de Lideranças – 30 anos da Terra Indígena Yanomâmi – Conquistas e retrocessos’. A reserva indígena no norte do estado é alvo da ação do garimpo ilegal, denúncias de estupro, mortes e cooptação de lideranças.

Há duas semana, a parlamentar acompanhou diligências e reuniões em Boa Vista da comissão externa do Senado para apurar as denúncias de violência por parte de garimpeiros e cobrar soluções das autoridades para o conflito.

Eliziane Gama defendeu o aprofundamentos das investigações sobre a denúncia de que uma menina yanomâmi, de 12 anos, teria sido estuprada e morta por garimpeiros na comunidade Aracaçá. Ela teria sido arrastada para o barracão dos garimpeiros, onde teria sido violentada e morta. Uma outra criança também está desaparecida e a Polícia Federal segue investigando o caso.

“Continuamos em diligência e investigando as ações violentas contra essa etnia”, disse.

Denúncias

De acordo com a senadora, a comissão recebeu várias denúncias de possíveis crimes envolvendo a prática da mineração ilegal em terras protegidas. Para ela, falta vontade política nas investigações de possíveis ‘atrocidades que atingem as comunidades indígenas’.

“Que fique claro para o Brasil: mineração em terras indígenas é crime”, afirmou a senadora, ao defender apuração rigorosa contra a organização criminosa dedicada à extração e comercialização de minérios, entre ouro e cassiterita, em garimpos ilegais na Terra Indígena Yanomâmi.

Maio Laranja: Eliziane Gama destaca campanha de combate ao abuso infanto-juvenil

Senadora pede que a sociedade esteja alerta e denuncie a violência contra crianças e adolescentes brasileiros (Imagem: Reprodução)

Ativista de políticas públicas para o combate ao abuso e a exploração sexual de crianças e adolescentes, a líder da Bancada Feminina do Senado, Eliziane Gama (Cidadania-MA), destacou na rede social (veja aqui) o Maio Laranja, campanha de conscientização contra essa violência.

“Nós estamos no Maio Laranja, mês de combate ao abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes. Um alerta para que a sociedade como um todo esteja atenta e denuncie!”, escreveu a senadora, que luta contra a violência infanto-juvenil desde o início de sua vida pública.

Eliziane Gama citou dados do Unicef (Fundo de Emergência Internacional das Nações Unidas para a Infância) apontando que a violência sexual contra crianças e adolescente cresceu de forma alarmante durante a pandemia, com 90% das agressões cometidas por membros da própria família.

“Com a permanência de crianças e adolescentes por mais tempo em casa, as situações de abuso ficaram ainda mais longe dos olhos da sociedade, contribuindo para a subnotificação dos casos. Precisamos proteger as crianças e adolescentes do nosso País. Denuncie no Disque 100!”, pediu a senadora.

A cada hora três crianças são abusadas no Brasil, sendo que metade delas têm entre 1 e 5 anos de idade. São 500 mil crianças e adolescentes explorados sexualmente no País todos os anos.

“Os números da violência contra a população infanto-juvenil são assustadores e revelam uma realidade que precisamos continuar lutando para mudar no País”, defende Eliziane Gama.

Mortes

De acordo com o Panorama da Violência Letal e sexual contra crianças e adolescentes no Brasil entre 2016 e 2020, 35 mil crianças e adolescentes de até 19 anos foram assassinados no Brasil. A média foi de sete mil por ano.

Nota oficial – Cidadania se solidariza com PT e repudia fundamentalismo religioso

Nota oficial

O Cidadania alerta para a cada vez mais beligerante posição de alguns pastores que, longe de representar o que pensa o diverso grupo de evangélicos brasileiros, vêm perpetrando ataques reiterados ao Estado Laico, à democracia e, em especial, ao Partido dos Trabalhadores, com o qual são conhecidas as nossas divergências.

Nos solidarizamos com o PT e nos posicionarmos terminantemente contra a postura fundamentalista e totalitária de alguns líderes que estão mais devotados à causa própria que à fé que dizem professar, do que os meliantes metidos em maracutaias no Ministério da Educação são apenas um exemplo.

As declarações recentes de alguns pastores e a campanha contra o PT vinda de certas lideranças religiosas são estarrecedoras. Atentam contra a laicidade, a democracia e a Constituição, que lhes garante a liberdade de culto, ao lançar sobre o partido o anátema do inimigo.

Concorde-se ou discorde-se de suas posições, o PT é parte da institucionalidade nacional. A democracia e o debate político comportam apenas adversários. Qual o próximo passo dos fundamentalistas? Reeditar uma Santa Inquisição e queimar na fogueira todos aqueles de que discordam? O país não é uma República teocrática nem os brasileiros que eles pensam liderar desejam isso.

Mas sua atuação vai no sentido de aprofundar a divisão e a polarização na sociedade brasileira, trabalhando contra os princípios de suas próprias religiões. Temos visto como alguns setores insuflados por fundamentalistas têm partido para a violência contra brasileiros que encontram sua fé nas religiões de matriz africana.

A liberdade garantida pela Constituição impõe o respeito à liberdade do outro. Tais agressões devem ser veementemente repelidas. Esse tipo de linguagem fantasiosa, que associa adversários a demônios, infernos e outras imagens fabricadas, é inadmissível em qualquer país que respeite os direitos humanos.

A liberdade religiosa não pode servir de escudo para interesses escusos de uns poucos nem para oprimir e agredir os que porventura pensem diferente ou professem outra fé. Tocarão fogo nas instituições democráticas porque delas discordam? Esse é um chamado ao bom senso de homens e mulheres de fé.

O verdadeiro inferno seriam desdobramentos violentos de uma eventual tentativa de golpe nas eleições de outubro, colocando brasileiros contra brasileiros. É preciso deter a marcha da insensatez. A comunidade evangélica tem de se levantar contra esse visão torta da religião, das liberdades e da democracia.

Roberto Freire
Presidente Nacional do Cidadania