Andrea Jubé: A esquerda tromba, Bolsonaro avança

O presidente do PSB, Carlos Siqueira, nega o debate sobre a fusão da legenda com o PCdoB. Igualmente, a presidente do PCdoB e vice-governadora de Pernambuco, Luciana Santos, refuta qualquer discussão sobre fusão ou incorporação de seu partido ao PSB.

Uma eventual fusão entre PSB e PCdoB, ventilada em entrevistas pelo governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), gerou constrangimento nas cúpulas partidárias e azedou o clima em setores da esquerda, aprofundando um quadro de fragmentação que fortalece a direita bolsonarista.

“Ninguém está participando de conversa sobre fusão com partido nenhum no PSB, nós estamos tratando de eleições municipais”, afirmou um Carlos Siqueira francamente contrariado à coluna. “Se essa discussão existisse, seria um debate interno; fazê-la pelos jornais é o começo do fracasso”.

Siqueira aborreceu-se ontem de manhã com a notícia trazida pelo jornal “O Globo” de que, nos bastidores, Dino estaria se referindo à possível nova legenda como o “MDB da esquerda”. “Ora, o MDB é uma sigla com uma bela história, mas se deteriorou ao longo do tempo e nem é bom tê-la como referência para nada”, diz o pessebista.

Logo cedo, o celular do presidente do PSB começou a tocar com ligações de dirigentes regionais e militantes atordoados com a notícia da possível fusão, avisando que se fosse verdade, deixariam a legenda. “Somos muito diferentes, nós somos esquerda democrática, eles [PCdoB] são esquerda tradicional”, explicou.

Protagonista do alarido, Dino colocou panos quentes. Ele confirma que não discutiu o assunto com o PSB, e concorda com Siqueira que o momento é inoportuno para esse diálogo. “Creio que o debate sobre federações partidárias ou algo similar pertence ao ano de 2021”, reconheceu Dino à coluna Mas o governador enfatiza que o debate sobre o novo desenho do sistema partidário é necessário e deverá alcançar todo o espectro político, e não apenas a esquerda.

Neste ponto, Siqueira e Dino convergem: todo o sistema político precisa de uma reformulação. Para o dirigente pessebista, o resultado da eleição presidencial em 2018 é a maior evidência de que o sistema político faliu.

“A vitória de [Jair] Bolsonaro não representou a derrota do PT, mas, sim, de todo o sistema porque partidos grandes, com governadores, senadores e deputados foram derrotados por um deputado do baixo clero, com um partido de aluguel e sem tempo de televisão”, argumentou Siqueira.

Assim como o pior cego é aquele que não quer enxergar, Siqueira afirma que somente a classe política tradicional resiste a admitir a falência do modelo atual. “Partidos que estavam com os governos de Lula e Dilma abandonaram Dilma a dois dias da votação do impeachment, depois migraram para a base de Temer e agora estão com Bolsonaro. Que partidos são esses?”, pergunta Siqueira, em provocação dirigida aos partidos do Centrão, que agora formam a base bolsonarista.

Mas o dirigente pessebista não se sensibiliza com o argumento de que a fragmentação da esquerda fortalece Bolsonaro, sobretudo se ele disputar a reeleição. Ele observa que a maioria da esquerda apoiou Fernando Haddad em 2018, e isso não foi suficiente para reverter o resultado eleitoral. (Na verdade, a esquerda se dividiu, e ao ficar em terceiro lugar, o pedetista Ciro Gomes recusou-se a declarar apoio a Haddad e voou para Paris).

Além disso, Siqueira afirma que tentar prever a conjuntura de 2022 em 2020 é um erro primário, porque “dois anos são uma eternidade em política”.

Enquanto a esquerda tromba, Bolsonaro avança duas casas no tabuleiro eleitoral. Ontem a rodada de julho da pesquisa XP/Ipespe trouxe vários indicadores de melhora na percepção da população sobre o governo Bolsonaro, apesar dos revezes das últimas semanas: a prisão de Fabrício Queiroz, as denúncias do ex-ministro Sergio Moro de tentativa de interferência na Polícia Federal, a condução negligente da pandemia, com a média de 1.055 mortos por dia.

O principal indicador confirma a tendência de alta, indo a 30% de ótimo e bom – dois pontos a mais que em junho. A reprovação voltou a oscilar negativamente, indo a 45%, três pontos a menos que na sondagem anterior.

Aqui, Siqueira e Dino voltam a convergir: ambos atribuem os 30% de avaliação positiva de Bolsonaro ao pagamento do auxílio emergencial de R$ 600 à população de baixa renda. “São os eleitores de Lula que migraram para Bolsonaro”, resume Siqueira.

Mas Dino acredita que quando cessar o pagamento do auxílio e o desemprego chegar com força aos lares mais pobres, a avaliação positiva vai cair. Mesmo com o lançamento do programa que substituirá o Bolsa Família, cujo benefício será de cerca de R$ 250, muito aquém dos atuais R$ 600.

“Fake news”

Autor da proposta no Senado, Alessandro Vieira (Cidadania-SE) acredita que o eixo principal do projeto de lei de combate às “fake news” será preservado na Câmara. Os deputados deverão acrescentar questões penais e de processo penal, com reflexos nas leis de Organizações Criminosas e de Lavagem de Dinheiro, e talvez mudem o trecho sobre rastreamento de mensageiros privados, onde há alguma resistência.

Pelo texto aprovado pelos senadores, há a obrigação de que o WhatsApp rastreie dados sobre mensagens encaminhadas para mais de mil pessoas em 15 dias, a chamada “rastreabilidade”. “O eixo principal é o combate a contas falsas e redes estruturadas de desinformação e a responsabilidade das plataformas”, diz o senador.

Se o presidente Jair Bolsonaro vetar o projeto, o senador acredita que até o Centrão, que se alinhou ao governo, ajudará a derrubar o ato presidencial. “Todo mundo entendeu que a ausência de uma legislação [que coíba “fake news” gera desequilíbrio e isso prejudica qualquer um, não é ferramenta ideológica. Se você tiver dinheiro, fará uma rede de ataque e a depender do momento e da proporção, vai gerar um impacto irreversível na candidatura do adversário”.

Se a legislação não entrar em vigor até o início da campanha, o senador lembra que o TSE regulamentará a matéria, criando travas e limites. (Valor Econômico – 21/07/2020)

Postagens Recomendadas

Nenhum comentário ainda, mostre que você tem voz!


Adicione um comentário