Bancada no Senado: Veja o resumo das atividades da semana

O Senado concluiu na quarta-feira (2) a votação em segundo turno da Proposta de Emenda à Constituição (PEC 6/2019), da reforma da Previdência, com aprovação de emenda e destaque apresentados pela líder do Cidadania na Casa, Eliziane Gama (MA). A emenda retirou o BPC (Benefício de Prestação Continuada) do texto-base da PEC, e o destaque possibilitou a manutenção do abono salarial para quem ganha até dois salários mínimos (veja aqui).

Também foi contemplada parcialmente pelo relator da reforma, senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), outra emenda da senadora maranhense que garantiu que o valor da pensão por morte não seja abaixo do salário mínimo aos participantes do RGPS (Regime Geral da Previdência Social).

A principal medida da reforma da Previdência é a fixação de uma idade mínima (65 anos para homens e 62 anos para mulheres) para a aposentadoria, extinguindo a aposentadoria por tempo de contribuição (veja aqui).

Após a aprovação da PEC 6/2019, o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) defendeu da tribuna da Casa que o País avance além da reforma da Previdência e disse que os sacrifícios do povo tem um limite (veja aqui).

“A reforma da Previdência não é um fim em si, nem é a bala de prata que resolve todos os problemas. Como o Plano Real não foi, o PAC [Programa de Aceleração do Crescimento] da [ex-presidente] Dilma [Rousseff] não foi, o Bolsa Família não é”, afirmou, defendendo uma reavaliação das políticas públicas para beneficiar as pessoas mais sofridas.

O senador lembrou ainda do exemplo do Chile, que fez uma reforma previdenciária, mas não avançou nas políticas sociais, e hoje vive uma comoção social.

“Nós precisamos atentar para a curva crescente de desigualdade social no País, que é fonte de rupturas sociais, de projetos autoritários, de crises que se alastram e se agravam”, disse.

Pressão

O senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO) denunciou na quarta-feira (23) que servidores do Ministério da Economia “invadiram” o plenário do Senado na véspera da votação da PEC 6/2019) para pressionar os parlamentares a votarem a favor da reforma da Previdência (veja aqui).

De acordo com ele, “mais ou menos 18 funcionários do estafe” do ministro Paulo Guedes “ficavam na orelha o tempo inteiro”.

Para o senador, os assessores do Poder Executivo “devem deixar o Senador à vontade para que julgue de acordo com a sua consciência, de acordo com os seus eleitores, e não com pressão na orelha”. Kajuru classificou a abordagem como “muito desagradável”.

Liberação da bancada

A líder do Cidadania na Casa, Eliziane Gama (MA), liberou a bancada do partido para votar a reforma da Previdência. Ela votou contra e os senadores Alessandro Vieira e Jorge Kajuru a favor, repetindo a forma como os parlamentares votaram no primeiro turno.

Superação da crise

Jorge Kajuru destaca medidas que podem impulsionar a economia

Na terça-feira (22), o senador do Cidadania de Goiás afirmou no plenário que o cenário atual aponta para uma tendência de superação da crise econômica (veja aqui)

Ele destacou duas medidas anunciadas pelo governo que podem impulsionar as vendas de fim de ano e alavancar a economia em 2020, como a decisão de antecipar para este ano o saque de até R$ 500 do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) e o décimo terceiro salário para beneficiários do Bolsa-Família.

Kajuru citou dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) que indicam a criação de 157 mil novos postos de trabalho em setembro. É o melhor desempenho para esse mês desde 2013.

“Ainda não há motivo para comemorações efusivas. Afinal, a taxa de desemprego cai vagarosamente. Está em 11,8%. E a desocupação ainda atinge 12,6 milhões de brasileiros”, lamentou o senador do Cidadania.

Goiânia

O senador Jorge Kajuru parabenizou, na quinta-feira (24), a cidade de Goiânia pela comemoração do seu 86° aniversário. Para o parlamentar, é importante ressaltar que a capital do estado de Goiás é considerada uma das melhores cidades brasileiras em qualidade de vida (veja aqui).

“Goiânia é moderna, planejada, o verde está por todas as partes, são centenas de praças floridas, ruas arborizadas, limpas, bem iluminadas. Além do povo bonito e acolhedor. É fácil chegar a Goiânia e muito mais fácil ainda apaixonar-se por ela”, afirmou o senador.

Abuso de Autoridade

O senador Alessandro Vieira acusou a Câmara dos Deputados de fazer manobra para aprovar Lei de Abuso de Autoridade (veja aqui o vídeo)
De acordo com ele, os vetos são essenciais, já que a lei é muito ruim.

“A lei foi uma retaliação aos investigadores. Nós defendemos que pelo menos os vetos sejam mantidos para reduzir o dano ao combate à corrução e à criminalidade”, disse o parlamentar.

PEC 12/2019

Integrante do “Muda Senado, Muda Brasil!”, Alessandro Vieira defende a aprovação da PEC 12/2019, de autoria do senador Álvaro Dias (Podemos-PR), que trata da redução de 1/3 do número total de congressistas.

A proposta prevê que o Senado ficaria com 54 parlamentares – hoje são 81 – e a Câmara com 342 Deputados – contra os 513 atuais.

Para o senador do Cidadania, a redução trará enorme economia aos cofres públicos, mais agilidade ao Congresso, aumento da transparência e redução da corrupção.

A PEC também teria repercussão nos estados por vinculação constitucional, com a redução automática do número de deputados estaduais.

Ecocídio

Senador propõe criminalização de agente público por desastre ambiental

Como resposta à morosidade do Poder Público frente ao desastre ambiental com o derrame de óleo na costa do Nordeste, o senador Alessandro Vieira apresentou, na terça-feira (22), a Emenda nº 3 ao projeto do Ecocídio (PL 2787/2019) relatado por ele e já aprovado Comissão de Meio Ambiente do Senado (veja aqui). O PL está em análise na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) e é relatado no colegiado pelo senador Fabiano Contarato (Rede-SP).

O projeto amplia pena de prisão e multa e promove a criminalização da conduta específica de “dar causa a desastre ambiental com destruição significativa da flora ou mortandade de animais, do qual decorra contaminação atmosférica, hídrica ou do solo”, nos termos do artigo 54-A que acrescenta à Lei de Crimes Ambientais.

Seguro-defeso

Na quinta-feira (24), Alessandro Vieira integrou a comitiva do presidente da República interino, Davi Alcolumbre (DEM-AP), que visitou a Região Nordeste para averiguar a situação das praias atingidas após o vazamento de óleo, já considerado um dos maiores desastres ambientais da história do País.

Em Sergipe, Alcolumbre assinou um decreto para prolongar por mais dois meses o pagamento do seguro-defeso para assegurar a compensação financeira a 60 mil pescadores.

A edição do decreto foi defendida por Alessandro Vieira (Cidadania-SE), que participou diretamente das negociações (veja aqui).

O senador do Cidadania de Sergipe lamentou a demora do governo federal para agir e disse que percebeu uma falta de coordenação no enfrentamento do problema.

“Finalmente temos agora a coordenação da Marinha. Tenho certeza de que agora teremos uma resposta mais rápida e mais pronta para as demandas, que são muito urgentes para o nordeste brasileiro”, afirmou o parlamentar.

Tragédia ambiental: inépcia e improvisação do governo

Vazamento de óleo é um dos maiores desastres ambientais do País, diz parlamentar

Eliziane Gama disse, na terça-feira (22), que a “quase inépcia” e a “improvisação” do governo federal na contenção da mancha de óleo que atingiu boa parte do litoral do Nordeste são as principais responsáveis pela “tragédia ambiental, econômica e social” (veja aqui).

A parlamentar teme que o vazamento detectado nas praias da região desde o dia 30 de agosto possa trazer ainda mais prejuízos aos estados nordestinos com a proximidade do verão.

“Parte significativa da economia desses estados aquece devido ao aumento da presença de turistas na região. Não preciso dizer que a riqueza do nosso Nordeste vem do turismo”, disse a senadora.

Para ela, o vazamento de óleo ainda de origem desconhecida é um dos maiores acidentes ambientais da história do Brasil.

“Portanto, ele não pode ser tratado, depois de quase dois meses, da forma improvisada como estamos assistindo”, cobrou.

Acordo sobre Alcântara

Eliziane Gama comemorou a aprovação pela Câmara dos Deputados, na terça-feira (22), do Projeto de Decreto Legislativo (PDL 523/19), sobre o uso da Base de Lançamentos de Alcântara (MA) pelos Estados Unidos.

Brasil e Estados Unidos assinaram o acordo de salvaguardas tecnológicas em março deste ano. O texto contém cláusulas que protegem a tecnologia americana de lançamento de foguetes e estabelece normas para técnicos brasileiros quanto ao uso da base e sua circulação nela.

Segundo ela, o acordo permite um olhar diferenciado para o Brasil e o Maranhão com os benefícios da tecnologia que serão empregados na base, além da geração de empregos no estado.

A senadora disse que no Senado vai trabalhar pela pactuação do acordo para garantir os direitos das comunidades quilombolas e tradicionais que moram na região.

Postagens Recomendadas

Nenhum comentário ainda, mostre que você tem voz!


Adicione um comentário