#ProgramaDiferente: 35 anos da Cidade Tiradentes, modelo do caos urbano e do erro de planejamento

O bairro de Cidade Tiradentes, no extremo da zona leste paulistana, completou 35 anos neste domingo, 21 de abril. Com dezenas de favelas, centenas de loteamentos irregulares e milhares de unidades habitacionais, a maioria delas construídas na década de 1980 pela Cohab (Companhia Metropolitana de Habitação de São Paulo), é o símbolo do caos urbano e da falta de planejamento daquilo que consideramos hoje “cidades inteligentes” (veja abaixo).

Distante cerca de 35 km do centro e idealizada como “cidade dormitório”, consome de parcela significativa da sua população cerca de 5 horas diárias apenas no deslocamento para o local de trabalho. Com escassas opções de lazer, baixo padrão de qualidade de vida e desassistida pelo poder público nas suas necessidades mais básicas, merece toda nossa atenção para um reordenamento das cidades, que reaproxime moradia e emprego, e reocupe as regiões centrais.

No #ProgramaDiferente, a Páscoa e as coincidências deste 21 de abril

Na semana da Páscoa, o #ProgramaDiferente (veja abaixo) trata da festa cristã que fala de vida e morte, renascimento, ressurreição, mas também das coincidências deste 21 de abril.

Dia emblemático na História do Brasil, véspera do Descobrimento, este domingo de Páscoa que cai no dia 21 traz outras lembranças: é a data em que morreram Tiradentes, Tancredo e Telê, que tem em comum o fato de terem nascido em Minas Gerais, nomes iniciados com a letra T e serem ídolos do povo brasileiro, pelos mais diversos motivos, da política ao futebol.

Foi também o dia do nascimento do santista Mario Covas, ex-governador de São Paulo e um dos maiores políticos do Brasil. Vamos redescobrir esses quatro brasileiros. Nos tempos insanos em que vivemos, nunca é demais relembrar de bons exemplos.

Quando a paródia do #Olhar23 não supera o realismo fantástico das bolhas ideologizadas e idiotizadas

Se você achava que surrealismo ou realismo fantástico fossem apenas movimentos artísticos ou gêneros literários, estava bastante enganado. É porque não tínhamos vivido ainda essa inigualável experiência da eleição de Jair Bolsonaro, o meme que virou presidente.

É disso que trata a realidade paralela do #Olhar23. Um olhar crítico, bem humorado, irônico e irreverente sobre as sandices do bolsonarismo, esse fundo de poço atingido pela nossa política. Uma parceria do #BlogCidadania23 e do #ProgramaDiferente (veja abaixo) que traz alguns personagens lunáticos e típicos dessa nova era das bolhas ideologizadas, idiotizadas e retrógradas.

Afinal, quem são Salvador Dalí, Luis Buñuel ou André Breton para quem tem Damares Alves, Ernesto Araújo e Vélez Rodriguez ou Abraham Weintraub, a dupla “seis por meia dúzia” da Educação? Pra que perder tempo com a obra de Gabriel García Márquez se temos as lives de Olavo de Carvalho?

Quem ainda se espanta com as aberrações de novelas como O Sétimo Guardião, Roque Santeiro e Saramandaia, ou de cidades fictícias como Tubiacanga, Serro Azul, Greenville, Resplendor e Asa Branca, depois de conhecer a Brasília dos Bolsonaros ou o Rio de Janeiro de Crivella, Witzel e da gangue de governadores presos, além de outras tragicomédias diárias tipicamente brasileiras?

Pois então venha conhecer o Bolsominion que comemora o aumento da pontuação da Carteira de Habilitação, ideia genial de Bolsonaro para proteger motorista infrator da “indústria de multas”; ou o Olavista que comenta a entrevista do guru Olavo de Carvalho no programa Conversa com Bial, recebendo ainda a crítica da Intelectual Petista. Quando a realidade é mais ridícula que a paródia, estamos f******.

O que Ciro, Alckmin e Meirelles pensam do Brasil do presidente Bolsonaro

O #BlogCidadania23 e o #ProgramaDiferente trazem a cobertura de um dos mais tradicionais encontros anuais de líderes, personalidades e representantes da diversidade social, política e econômica: a #BrazilConference19, que se realizou na semana passada, em Boston, nos Estados Unidos, com o tema #JuntosSomosMais.

Aqui você acompanha a íntegra do Debate “Visões do Brasil Pós-Eleições” com a participação dos ex-presidenciáveis de 2018 Ciro Gomes (PDT), Geraldo Alckmin (PSDB) e Henrique Meirelles (MDB), e a mediação da jornalista Andréia Sadi, da Rede Globo e da Globo News.

No #ProgramaDiferente, o centenário do arquiteto Sérgio Bernardes

O #ProgramaDiferente (veja abaixo) registra o centenário de nascimento do carioca Sérgio Bernardes, sua paixão pela arquitetura e o seu trabalho genial e revolucionário, realizado entre os anos 50 e os anos 90, e sempre tão atual. É interessante ainda notar o contraponto político e ideológico entre Sérgio Bernardes e seu sócio, parceiro e amigo mais famoso, Oscar Niemeyer. Será que tem polarização entre esquerda e direita até na arquitetura?

#JuntosSomosMais: A cobertura da #BrazilConference no #ProgramaDiferente e no #BlogCidadania23

O #BlogCidadania23 e o #ProgramaDiferente acompanharam mais uma edição anual da #BrazilConference, um dos mais tradicionais encontros de líderes, personalidades e representantes da diversidade social, política e econômica do Brasil, que foi realizada neste fim-de-semana, de 5 a 7 de abril, em Boston, nos Estados Unidos, com o tema #JuntosSomosMais.

Um dos destaques, pela terceira vez na Brazil Conference, foi o apresentador de TV e ativista dos movimentos pela renovação da política, Luciano Huck, cuja participação você assiste aqui na íntegra.

Mas teve um pouco de tudo. Entre os palestrantes deste ano estavam os ministros Dias Toffoli e Luís Roberto Barroso, do STF; a Procuradora-Geral da República Raquel Dodge; o vice-presidente da República General Hamilton Mourão; o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso; os ex-candidatos Ciro Gomes (PDT), Henrique Meirelles (MDB) e Geraldo Alckmin (PSDB); entre outras personalidades.

Veja abaixo mais informações e alguns painéis na íntegra.

Luciano Huck é atração da Brazil Conference e parece candidatíssimo à sucessão de Jair Bolsonaro

Renovação: Construindo o Futuro da Política

Os Desafios da Mídia em Tempos de Polarização

O que Ciro, Alckmin e Meirelles pensam do Brasil de Bolsonaro

Os cinco anos da Lava Jato no #ProgramaDiferente

O #BlogCidadania23 e o #ProgramaDiferente acompanharam nesta semana um evento organizado pelo jornal “O Estado de S. Paulo” e pelo Centro de Debates de Políticas Públicas (CDPP) para celebrar os cinco anos da Operação Lava Jato. Como já fizemos aqui mesmo em outras oportunidades, a comparação entre a Lava Jato e sua antecessora italiana Mãos Limpas é inevitável.

Acompanhe nos links a seguir as falas na íntegra do ministro da Justiça e ex-juiz Sergio Moro, do procurador Deltan Dallagnol, do ministro do STF Luís Roberto Barroso e da economista Maria Cristina Pinotti, do CDPP, organizadora do livro “Corrupção: Lava Jato e Mãos Limpas”, que traz uma coletânea de artigos assinados por autoridades brasileiras e italianas.

Nestes cinco anos de atividade, a Operação Lava Jato – iniciada da investigação de um caso de lavagem de dinheiro – se transformou na maior ação de combate à corrupção de que se teve notícia no Brasil. Daí a comparação com a Operação Mãos Limpas (ou Mani Pulite), deflagrada na Itália no início da década de 1990.

Para o ministro Luís Roberto Barroso, a Lava Jato foi bem-sucedida ao quebrar o que chamou de “pacto oligárquico” firmado por uma casta de agentes públicos e privados que, segundo ele, se julgavam “sócios do Brasil” para saquear o Estado. Hoje, ele diz que enxerga a Lava Jato mais como uma “atitude” do que como uma operação.

O procurador da República Deltan Dallagnol afirmou que a redução dos casos de corrupção passa, necessariamente, por um processo de renovação política. Ainda que não veja na renovação algo benéfico por si só, o procurador defende que a mudança virá sobretudo da mentalidade de uma nova geração de parlamentares e membros do Poder Executivo. “Sem renovação das práticas políticas, todo o trabalho da Lava Jato pode ter sido em vão”, disse Dallagnol.

O ministro Sergio Moro vê relação entre o combate à corrupção e a política econômica. Para ele, “o avanço no combate ao crime gera ganhos para a economia e para a qualidade da nossa democracia. O sistema de corrupção impede a eficiência econômica”. Moro afirmou ainda que não será em seu turno à frente do ministério que o Brasil permitirá que os esforços contra corrupção serem perdidos.

Porém, o fracasso da Mãos Limpas é atribuído em grande medida à reação do sistema político – que é também o grande desafio para o futuro da Lava Jato. Resta saber como será o movimento das peças nesse tabuleiro da política nos próximos anos, bem como o resultado do governo do presidente Jair Bolsonaro. É aí que mora o perigo.

#ProgramaDiferente: O nazismo volta à pauta com declaração ridícula de Bolsonaro

#ProgramaDiferente: O nazismo volta à pauta com declaração ridícula do presidente Bolsonaro, em pleno centenário desta aberração da humanidade

Enquanto o presidente Jair Bolsonaro segue com a sua tática diversionista ao reafirmar que “o nazismo é de esquerda”, talvez para desviar o foco da sua incapacidade de governar ou esconder a pecha dele próprio por suas características fascistas e de extrema direita, o #ProgramaDiferente (veja abaixo) lembra que abril de 2019 é o mês do exato centenário do nazismo, oportunidade para dizer “Xô, Hitler!” e desejar um “até nunca mais” para qualquer ameaça à democracia.

Existe uma coincidência de datas redondas em 2019, por isso a lembrança dessa que é uma das maiores aberrações da humanidade. O Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães, que daria origem ao nazismo de Adolf Hitler, foi fundado em 1919, há exatos 100 anos. O próprio Hitler nascia há 130 anos. A 2ª Guerra Mundial teve início há 80, em 1939. Depois de todas as atrocidades como o Holocausto e o ressurgimento dessa ideologia entre os jovens, o governo da então Alemanha Ocidental proibia o partido neonazista no país há 30 anos, em fevereiro de 1989.

Durante a campanha eleitoral do ano passado, no Brasil, marcada por intensa polarização, levantou-se muito a questão da ameaça de um levante fascista. Foram noticiados casos de ataques, inclusive de uma jovem que teria sido marcada na pele com uma suástica. Depois ficou provado que houve automutilação. Uma fraude.

Mas será que no Brasil de hoje há espaço para atuação desses movimentos de ódio e de extrema violência? A democracia, a civilidade e os direitos humanos correm algum risco concreto e objetivo? O populista, xenófobo e racista enrustido pode ser o nazista de amanhã? É um debate atual e necessário, que merece atenção permanente.

#ProgramaDiferente: Como ajudar Moçambique

Pessoas do mundo inteiro estão interessadas em ajudar as vítimas do ciclone Idai em Moçambique, no Zimbábue e no Malaui. Organismos de ajuda humanitária internacional recolhem doações para mais de um milhão de pessoas atingidas no sudeste da África.

O #ProgramaDiferente (veja abaixo) mostra como colaborar, apresentando a situação diretamente do local da tragédia. Reproduzimos imagens que circulam o mundo por meio de veículos da grande imprensa, mas também o relato pessoal de um youtuber de Moçambique, Marcelino Francisco.

Na região de Beira, em Moçambique, onde o estrago foi maior, há milhares de pessoas ilhadas, sem água e sem comida, e há o risco de um surto de cólera. Doações podem ser feitas para entidades reconhecidas mundialmente como a ONU, o Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas, a Unicef ou o Médicos sem Fronteiras.

Você acompanha ainda uma conversa do apresentador de TV Luciano Huck com o escritor moçambicano Mia Couto, que também apresenta os dados da sua própria entidade, a Fundação Fernando Leite Couto, para receber ajuda para as famílias desabrigadas.

De Jango a Bolsonaro: o significado do 31 de março à esquerda e à direita no #ProgramaDiferente

O #ProgramaDiferente desta semana (veja abaixo) reúne três datas emblemáticas para tratar de um só tema: o Estado Democrático de Direito. Os primeiros 90 dias de governo do presidente Jair Bolsonaro coincidem com os 55 anos do golpe de 1964 e com os 100 anos de nascimento de João Goulart, o Jango, presidente derrubado pelos militares naquele 31 de março que daria início aos 21 anos de ditadura no Brasil. Vale registrar a história e os erros do passado para nunca mais o País cair nessa conversinha de salvadores da Pátria em detrimento da liberdade.

u